Nova Ordem Mundial: Távola Redonda

0
1811
Desenvolvimento de uma Sociedade Secreta
Desenvolvimento de uma Sociedade Secreta

Durante a segunda metade do “século imperial” da Grã-Bretanha, entre 1815 e 1914, o empresário Inglês nascido na África do Sul, magnata da mineração, e político, Cecil Rhodes defendeu a anexação do Império Britânico com os Estados Unidos da América e a sua reforma numa Federação Imperial para criar sobretudo uma hiperpotência e a paz mundial duradoura. No seu primeiro testamento, de 1877, escrito com a idade de 23 anos, expressou o seu desejo de financiar uma Sociedade Secreta (conhecida como a Sociedade dos Eleitos), que iria avançar com estes objectivos:

«Para a criação, promoção e desenvolvimento de uma Sociedade Secreta, o verdadeiro objetivo e objeto do qual deve ser a extensão do domínio britânico em todo o mundo, seja, o aperfeiçoamento de um sistema de emigração do Reino Unido, e de colonização por súbditos britânicos de todas as terras onde os meios de subsistência são atingíveis por energia, trabalho empresarial e, especialmente, a ocupação por colonos britânicos de todo o continente da África, a Terra Santa, o Vale do Eufrates, as Ilhas de Chipre e de Candia, toda a América do Sul, das Ilhas do Pacífico até então ainda não eram possuídas pela Grã-Bretanha, a totalidade do arquipélago malaio, o litoral da China e do Japão, a recuperação definitiva dos Estados Unidos da América como parte integrante do Império Britânico, a inauguração de um sistema de representação colonial no Parlamento Imperial que tende a juntar os membros desarticulados do Império e, finalmente, da fundação de tão grande poder a tornar impossível guerras e promover os melhores interesses da humanidade.»

Nos seus testamentos mais recentes, um Rhodes mais maduro abandonou estas ideias e, em vez disso, concentrou-se no que se tornou o Rhodes Scholarship, que teve o estadista britânico Alfred Milner como um dos seus administradores. Fundada em 1902, o objetivo inicial do fundo de confiança era o de promover a paz entre as grandes potências, criando um senso de fraternidade e uma visão do mundo compartilhada entre futuros britânicos, americanos, e líderes alemães por lhes ter permitido estudar gratuitamente na Universidade de Oxford.

Milner e o oficial britânico Lionel George Curtis foram os arquitetos do movimento Távola Redonda, uma rede de organizações que promovem a união mais estreita entre a Grã-Bretanha e as suas colónias independentes. Para este fim, Curtis fundou o Instituto Real de Relações Internacionais, em Junho de 1919 e, com seu livro de 1938The Commonwealth of God“, começou a defender a criação de uma federação imperial que, eventualmente, anexasse os EUA, que seria apresentado a igrejas protestantes como sendo o trabalho do Deus cristão para obter o seu apoio. A Comunidade das Nações foi criada em 1949, mas seria apenas uma livre associação de estados independentes, em vez da poderosa federação imperial imaginada por Rhodes, Milner e Curtis.

O Conselho de Relações Externas (CFR) começou em 1917 com um grupo de académicos de Nova York a quem foi pedido pelo presidente Woodrow Wilson aconselhamento  em relação à política externa dos Estados Unidos no período entre guerras. Originalmente concebido como um grupo de estudiosos americanos e britânicos, assim como diplomatas, alguns dos quais pertencentes ao movimento Távola Redonda, era um grupo subsequente de 108 financeiros de Nova York, fabricantes e advogados internacionais organizados em Junho de 1918 pelo Prémio Nobel da Paz e secretário de Estado dos EUA Elihu Root, que se tornaria no CFR em 29 de Julho de 1921. O primeiro dos projetos do Conselho foi uma revista trimestral, lançada em Setembro de 1922, chamada Relações Externas. A Comissão Trilateral foi fundada em Julho de 1973, por iniciativa do banqueiro americano David Rockefeller, que era presidente do Conselho de Relações Externas durante esse tempo. Trata-se de uma organização privada criada para promover uma cooperação mais estreita entre os Estados Unidos, Europa e Japão. A Comissão Trilateral é amplamente vista como uma contrapartida para o Conselho de Relações Externas.

Na década de 1960, individuos de direita populista e grupos com uma visão do mundo produceirista, tais como os membros da John Birch Society, foram os primeiros a combinar e a espalhar uma crítica de negócio ultra-conservadora e nacionalista às redes corporativas internacionalistas, através de “think tanks“, como o Conselho de Relações Externas com uma teoria da conspiração grandiosa apelidando-as como organizações de fachada para a Távola Redonda do “poder estabelecido anglo-americano”, que estariam a ser financiados por uma “cabala bancária internacional” que supostamente tem estado a conspirar a partir do final do Século 19 para impor uma Nova Ordem Mundial oligárquica através de um sistema financeiro global. Os teóricos da conspiração anti-globalistas, portanto, temem que os banqueiros internacionais estejam a planear eventualmente subverter a independência dos EUA por subordinar a soberania nacional em pretérito de um reforçado Banco para Compensações Internacionais.

Os resultados da pesquisa do historiador Carroll Quigley, autor do livro de 1966Tragedy and Hope“, são tomados tanto por teóricos da conspiração da antiga direita americana (Cleon Skousen) como pelos da nova esquerda (Carl Oglesby) como fundamento em relação a este ponto de vista, embora ele tivesse argumentado que o poder estabelecido não estaria envolvido num complô para implementar um Governo Mundial, mas sim o imperialismo britânico e americano benevolente impulsionado pelos interesses mútuos de elites económicas no Reino Unido e Estados Unidos. Quigley também argumentou que, embora a Távola Redonda ainda hoje exista, a sua posição para influenciar as políticas dos líderes mundiais tem sido muito reduzida desde os tempos do seu auge, durante a Primeira Guerra Mundial, tendo aos poucos diminuído após o fim da Segunda Guerra Mundial e a seguir á Crise de Suez. Hoje, a Távola Redonda é um grande grupo de gengibre, projetado para considerar e, gradualmente, influenciar as políticas da Comunidade de Nações, mas enfrentando forte oposição. Além disso, na sociedade americana após 1965, o problema, de acordo com Quigley, era que não estava nenhuma elite no comando que agisse de forma responsável.

Távola Redonda

Larry McDonald, o segundo presidente da John Birch Society e membro conservador democrata da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos que representou o 7 º distrito congressional da Geórgia, escreveu uma critica para o livro de Allen de 1976O Arquivo Rockefeller“, onde declarou:

«O objetivo dos Rockefellers e dos seus aliados é criar um Governo Mundial, combinando o super-capitalismo e o comunismo sob a mesma tenda, tudo sob o seu controle (…) Se quero afirmar tratar-se de uma conspiração? Sim, quero. Estou convencido de que há tal conspiração, de âmbito internacional, planeada há gerações, e incrivelmente má nas suas intenções.»

Na sua autobiografia “Memoirs” de 2002, David Rockefeller escreveu:

«Por mais de um século, extremistas ideológicos em ambas as extremidades do espectro político têm aproveitado incidentes bem divulgados (…) para atacar a família Rockefeller em relação à influência excessiva que alegam que exercem sobre instituições políticas americanas e econômicas. Alguns acreditam mesmo que somos parte de uma cabala secreta trabalhando contra os melhores interesses dos Estados Unidos, caracterizando a minha família e eu como ‘internacionalistas’ e de conspirar com outros ao redor do mundo para construir uma estrutura mais integrada, uma política mundial e uma economia global, se assim se pode dizer. Se essa é a acusação, eu sou culpado, e estou orgulhoso dela.»

Barkun argumenta que tal afirmação é, em parte, burlesca (a afirmação de “conspiração” e “traição”) e parcialmente séria – o desejo de incentivar a cooperação trilateral entre os EUA, Europa e Japão, por exemplo – um ideal que costumava ser uma marca da ala internacionalista do Partido Republicano – conhecida como “republicanos Rockefeller”, em honra de Nelson Rockefeller – quando havia uma ala internacionalista. A afirmação, no entanto, é tomada pelo seu valor nominal e amplamente citada pelos teóricos da conspiração como prova de que o Conselho de Relações Externas utiliza o seu papel de cérebro confidente dos presidentes, senadores e representantes americanos ao manipulá-los no sentido de apoiar a uma Nova Ordem Mundial, sob a forma de um Governo Mundial.

Em 13 de Novembro de 2007, numa entrevista com o jornalista canadiano Benjamin Fulford, David Rockefeller respondeu:

«Eu não penso que realmente sinta que precisemos de um Governo Mundial. Precisamos que os governos do mundo trabalhem juntos e colaborem. Mas, não posso imaginar não existir qualquer possibilidade ou mesmo que não fosse desejável ter um único governo eleito pelo povo do mundo (…) Houve pessoas, desde que eu exerci qualquer tipo de posição no mundo, que me acusaram de ser governante do mundo. Eu tenho de afirmar que na sua maior parte, acho que teria de descrevê-los como malucos. Não faz sentido algum, e não é verdade, nem nunca será verdade, e levantar a questão como sendo séria, é algo de irresponsável.»

Alguns críticos americanos sociais, como Laurence H. Shoup, argumentam que o Conselho de Relações Externas é um “Imperial Brain Trust“, que tem, há décadas, desempenhado um papel por trás das cenas centrais na formação de escolhas da política externa americana para o pós-Segunda Guerra Mundial, ordem internacional e Guerra Fria, determinando que opções aparecem na agenda e que opções não cheguem sequer à mesa. Entretanto, outros, como William G. Domhoff, argumentam tratar-se, na verdade, de um mero fórum de debate político, que prevê a entrada de negócios para o planeamento da política externa dos EUA. O último argumento é o de que a organização possui quase 3.000 membros, números excessivos para que os planos secretos pudessem ser mantidos dentro do grupo. Todo o conselho cria os seus grupos de discussão, debates patrocinados e palestras, e, quanto a ser secreta, são emitidos relatórios anuais, permitido o acesso aos seus arquivos históricos. No entanto, todos esses críticos concordam que os estudos históricos sobre o conselho revelam que este desempenha um papel muito diferente na estrutura do poder global do que aquilo que é reivindicado pelos teóricos da conspiração.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here