Os Sabios de Sião

0
1904
A criação dos Sábios de Sião
A criação dos Sábios de Sião

Outra organização secreta muito influente rivalizava em fervor para exercer controlo sobre a Inglaterra. Os ricos rabinos judeus, que eram os dirigentes políticos e religiosos do povo judeu aniquilado, uniram as suas forças num grupo conhecido pelo nome de “Sábios de Sião” – os sionistas consideram-se como a elite “messiânica” do judaísmo e esperam que todos os judeus do mundo sejam solidários com as suas finalidades.

De 1640 a 1689 os Sábios de Sião projectaram “a revolução inglesa” na Holanda (a queda dos Stuarts do trono britânico) e emprestaram dinheiro aos diferentes pequenos partidos. Eles serviam-se da sua influência para que Guilherme II, duque alemão da dinastia OrangeNassau, se tornasse o Stathouder do exército holandês e mais tarde, fizeram dele Guilherme, Príncipe de Orange. Promoveram um encontro entre ele e Maria, a filha mais velha do Duque de York e irmã do rei Charles II da Inglaterra. O irmão deste último, sucessor de Jacob II, estava igualmente presente. Guilherme II casou-se com Maria, e eles tiveram um filho, Guilherme III, que se casou, mais tarde, com Maria II, a filha de Jacob II.

As casas reais holandesas e britânicas eram desde então, aparentadas. Os Whigs, partido composto de ingleses e escoceses influentes, ajudaram-nos a destituir os Stuarts do trono em 1688, e Guilherme III de Orange foi nomeado rei da Inglaterra, em 1689.

Guilherme III, de quem se diz ter sido franco-maçom, fundou, no mesmo ano, a Ordem de Orange, que se opunha ao catolicismo e visava a consolidar o protestantismo na Inglaterra. Essa ordem existe ainda até hoje; é representada principalmente na Irlanda, onde existem por volta de 100.000 membros, e onde instiga violentamente a guerra entre religiões.

Os Sábios de Sião
Os Sábios de Sião

O rei Guilherme III engajou bem depressa a Inglaterra em guerras custosas contra a França católica, o que causou fortes dívidas à Inglaterra. Depois foi a vingança de Guilherme contra os Sábios de Sião: persuadiu o tesouro britânico, com o auxílio do agente William Paterson, a pedir emprestado £1,25 milhões aos banqueiros judeus que o tinham colocado nessa posição. A dívida do Estado cresceu muito rapidamente, e não restou mais ao governo outra possibilidade a não ser aceitar as condições exigidas.

As condições do empréstimo eram as seguintes:

  • 1.) Os nomes dos credores permaneceriam secretos, e teriam a garantia de poder fundar um “Banco da Inglaterra” (Banco Central);
  • 2.) Garantir-se aos directores desse banco o direito de fixar o preço do ouro com referência ao papel-moeda;
  • 3.) Era-lhes permitido emprestar £10 de papel-moeda por libra de ouro depositada;
  • 4.) Era-lhes permitido consolidar as dívidas nacionais e assegurar o montante pelos impostos directos sobre o povo.

E assim foi erigido o primeiro banco central privado, o “Banco da Inglaterra”.

Este género de transacção permitia ao banco fazer um ganho de 50% investindo 5%. E era o povo inglês que teria de pagar. Os credores não se importavam de não serem reembolsados, pois o endividamento permitia-lhes ter influência sobre o encaminhamento da política. A dívida nacional da Inglaterra aumentou de £1,25 milhões em 1694 para £16 milhões em 1698.

Após Guilherme III, a dinastia de Hanover tomou o encargo da casa real britânica, o que continua hoje em dia, pois os Windsors descendem em linha directa da casa real de Hanover (Até 1901, todos os monarcas provieram da dinastia de Hanover, mas quando Eduardo VII desposou a princesa dinamarquesa Alexandra, o nome de Hanover foi trocado pelo de “Saxecoburg-Gotha”, nome do pai alemão de Eduardo. Ele foi novamente trocado por “Windsor” em 17 de Julho de 1917, tal como é até hoje).

É compreensível que muitos ingleses não se regozijem com essa soberania alemã. Muitas organizações formaram-se para levar novamente os Stuarts ao trono. Devido a esse perigo, a dinastia de Hanover não autorizou o exército permanente na Inglaterra; recrutaram as tropas necessárias no seu principado e entre os seus amigos alemães. Estes eram pagos, evidentemente, pelo Tesouro Britânico, o que era proveitoso para os banqueiros judeus. O príncipe Guilherme IX de Hesse-Hanau, que era também um amigo da dinastia de Hanover, colocou à disposição deles a maior parte dos mercenários.

Fonte: Livro «As Sociedades Secretas e o seu Poder no Século XX» de Jan Van Helsing

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here