BIOGRAFIA: Rosemary Brown (médium)

0
1749
Rosemary Brown, compositora, pianista e medium espitita
Rosemary Brown, compositora, pianista e medium espitita

Rosemary Isabel Brown (27 de Julho de 1916 – 16 de Novembro 2001) foi uma compositora Inglesa, pianista e médium espírita, que afirmou que foram compositores mortos a ditar as suas novas obras musicais. Ela provocou alguma sensação na Imprensa na década de 1970, apresentando obras que supostamente lhe foram ditadas por Claude Debussy, Edvard Grieg, Franz Liszt, Franz Schubert, Frédéric Chopin, Igor Stravinsky, Johann Sebastian Bach, Johannes Brahms, Ludwig van Beethoven, Robert Schumann e Sergei Rachmaninoff.

Vida

Rosemary Isabel Dickeson nasceu em Londres em 1916. Alegou ter sido com apenas sete anos de idade que foi introduzida pela primeira vez ao mundo dos músicos mortos. Relatou que um espírito com longos cabelos brancos e uma batina preta que fluía, apareceu-lhe e afirmou ser um compositor que gostaria de fazer com que ela um dia fosse uma música famosa. Ela não sabia quem ele era, até que, cerca de dez anos mais tarde, viu uma foto de Franz Liszt. Muitos outros membros da família de Brown eram supostamente médiuns, incluindo os seus pais e avôs, e mesmo ela exibia poderes psíquicos numa idade precoce. Ela contou aos pais, acerca de acontecimentos anteriores ao seu nascimento, e quando lhe perguntaram como o sabia, respondeu que os seus “visitantes” lhe haviam dito.

Rosemary trabalhou para os correios a partir dos 15 anos idade . Em 1948, adquiriu um piano em segunda mão, e teve algumas lições durante três anos. Em 1952, casou-se com Charles Brown, um cientista do governo. Eles tiveram um filho e uma filha, antes deste falecer, em 1961. Vivendo numa casa com um terraço vitoriano em Balham, sul de Londres, ela parecia ser uma viúva de meia-idade nada excepcional. Quanto à sua capacidade musical, um vizinho que tinha sido organista da igreja afirmou que Rosemary possuía capacidades musicais muito limitadas.

Rosemary Brown
Rosemary Brown

De seguida, em 1964, Liszt voltou a contactá-la e algumas composições originais começaram a inundar Rosemary, provenientes de grandes músicos do passado. Ela transcreveu peças de Brahms, Bach, Rachmaninoff, Schubert, Grieg, Debussy, Chopin, Schumann, Beethoven, Mozart e do próprio Liszt. Estas incluíram uma sonata de Schubert de 40 páginas, um fantaisie-impromptu em três movimentos de Chopin, 12 canções de Schubert, e duas sonatas de Beethoven assim como as suas sinfonias 10 e 11, que tinham ficado ambas inacabadas.

Brown afirmou que cada compositor tinha a sua própria maneira de ditar. Liszt controlava-lhe as mãos por alguns momentos de cada vez, e, de seguida, ela escrevia as notas. Outros, como Chopin, disseram-lhe as notas e empurraram-lhe as mãos sobre as teclas certas. Schubert tentou cantar-lhe as suas composições “mas ele não tinha uma voz muito boa”, referiu ela. Beethoven e Bach simplesmente ditaram as notas, um método, que ela revelou não apreciar, uma vez que não tinha ideia como o produto final soaria. Ela afirmou que os compositores falaram consigo em inglês.

Uma gravação efectuada foi intitulada de «The Rosemary Brown Piano Album» no qual apresentou o desempenho de algumas das músicas transcritas.

Brown publicou três livros: «Sinfonias Inacabadas: Vozes do Além» (1971), «Imortais ao Meu Lado» (1974) e «Olhar para Além de Hoje» (1986).

A crítica

O psicólogo Robert Kastenbaum analisou as composições musicais de Brown e duvidou de que elas lhe tenham sido ditadas por espíritos de compositores bem conhecidos. De acordo com Kastenbaum:

“Não há temas marcantes, estruturas complexas, profundidade de sentimentos, harmónicas, tonais ou inovações rítmicas. Durante os seus dias na terra todos os compositores não só criaram música distinta, mas também contribuíram para o desenvolvimento de composições para o teclado. Uma das características que fizeram cada um deles tão notáveis foi a sua imprevisibilidade em relação às suas próximas composições, que poderiam muito bem abrir um novo domínio na sensibilidade musical ou técnica. Infelizmente, tal tem agora caído em desuso. Nada de novo aparece para enriquecer as suas composições post-mortem, e nada surpreende, excepto, talvez, a falta de surpresas.”

Kastenbaum sugeriu que os compositores eram personalidades secundárias de Brown .

Brown afirmou que nunca tinha tido qualquer formação musical além de algumas aulas de piano, embora Harry Edwards afirme:

“Uma leitura de notícias de jornais sobre a Sra. Brown transparece informações contraditórias sobre a sua alegada falta de educação musical. Originalmente ela declarou que não tinha formação musical, mas mais tarde, relatou ter tido apenas um par de anos de aulas de música e recentemente, admitiu pertencer a uma família musical e ser uma música e pianista competente.”

De acordo com o psicólogo Andrew Neher:

Brown amava a música como uma criança. Havia um piano na sua casa enquanto ela crescia. A sua mãe tocava piano e ela mesma teve aulas de piano. Tudo isso, juntamente com a habilidade melhorada por frequentes estados alterados de consciência, parece suficiente para explicar as suas composições musicais.”

Alan Rico, crítico de música da revista New York, ao ouvir um disco de peças de piano de Brown, emitido em privado, escreveu que estas eram apenas um sub-padrão de algumas das suas composições mais conhecidas. Depois de estudar as composições, os psicólogos chegaram à conclusão de que eles eram a obra de próprio subconsciente de Brown.

John Sloboda escreveu que as músicas dela oferecem “o caso mais convincente de composição inconsciente” em grande escala “.

Fonte: Wikipédia (En)

Número de artigos (Rosemary Brown):

LISTAGEM:


LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here