Os Milagres de Daniel Douglas Home

0
1668
Daniel Douglas Home
Daniel Douglas Home

O mais prolífico realizador de milagres modernos foi, inquestionavelmente, o médium escocês do Século XIXDaniel Douglas Home que, certa vez, chegou a flutuar para fora de uma janela localizada no segundo andar de um edifício em plena luz do dia, diante de várias testemunhas.

Entre os feitos miraculosos de Home estava a capacidade de mover objectos pesados, conversar com espíritos de pessoas falecidas e esfregar brasas no seu rosto sem sofrer nenhum dano aparente. Um homem de físico frágil, Home também podia alongar o seu corpo, acrescentando até 15 centímetros à sua altura normal.

Numa determinada ocasião, esse alongamento corporal foi testemunhado por lorde Adare, filho do terceiro conde de Dunraven. Colocado entre o lorde e um Sr. Jencken, Home entrou no estado familiar de transe em que muitos dos seus milagres foram realizados.

“O espírito guardião é muito alto e forte” ,concluiu ele.

Sem que ninguém esperasse, Home cresceu mais 15 centímetros e a sua cabeça ultrapassou em altura a dos dois homens atónitos que estavam a seu lado.

Levitação de Daniel Douglas Home
Levitação de Daniel Douglas Home

Ao responder às suas perguntas, Home declarou:

Daniel vai mostrar-lhes como é”, e desabotoou o seu casaco. Ele referia-se sempre a si mesmo na terceira pessoa, quando estava em transe.

Lorde Adare observou que o alongamento parecia ter acontecido da cintura para cima, pois apareciam 10 centímetros de carne nova entre o colete e a cintura das calças de Home.

Então, Home voltou ao tamanho original, e disse:

Daniel vai crescer outra vez”.

E, para perplexidade de lorde Adare, voltou a aumentar de tamanho.

Home começou a caminhar pela moradia, a bater os pés para mostrar que estavam firmemente plantados no chão e voltou, lentamente, à sua altura normal. Como acontecia com a maioria dos seus feitos fantásticos, Home realizava o “truque” do alongamento corporal com a maior tranquilidade.

Fonte: Livro «O Livro dos Fenómenos Estranhos» de Charles Berlitz

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here