Terapias de Estimulação ou Regulação (Princípios Fundamentais)

0
628
Homeopatia
Homeopatia

História

A maioria dos métodos terapêuticos de estimulação ou regulação é muito antiga.

No entanto, foram poucos os terapeutas que, nas últimas décadas, se esforçaram por saber como pô-los em prática e determinar as doenças para que são úteis.

Situação actual

A tendência actual de se procurar viver de acordo com as leis da natureza e de se recorrer cada vez mais a Terapias Naturais restituiu protagonismo a muitos métodos naturalistas, que voltaram a ser utilizados tanto como forma de autotratamento como para apoio em consultórios e clínicas.

Sistema e ideia subjacentes

Todos dispomos de capacidades e recursos para nos mantermos saudáveis e vivos. Essa capacidade de autocura regula todos os processos físicos e assegura a adaptação, no caso de alteração das circunstâncias. No entanto, o organismo necessita de um certo tempo para proceder a essa adaptação. Quando o organismo possui a força necessária, as tensões são sempre superadas e as energias gastas renovadas.

No entanto, o organismo não reage adequadamente quando submetido continuamente a situações de elevada tensão. A capacidade de resistência, que assegura a autocura, fica enfraquecida sempre que se multiplicam os factores de stress. É assim que surgem as doenças relacionadas com o stress.

Assim, os três pilares fundamentais de todos os métodos terapêuticos naturalistas são apenas, em última análise, medidas de senso comum: repouso, normalização e fortalecimento. Os terapeutas naturalistas propõem-se restabelecer ou acelerar a normalização e o fortalecimento do organismo recorrendo a terapias de estimulação ou regulação ou, ainda, a métodos imunomoduladores.

Repouso

O primeiro dever de um doente é o descanso, o que pode significar repouso absoluto, embora isso nem sempre aconteça. Esse repouso traduz-se também numa abstinência relativamente a tudo o que possa sobrecarregar o organismo: Alimentação excessiva ou desequilibrada, café, nicotina, álcool, drogas, stress, excesso de estímulos resultantes, por exemplo, do ruído ou da televisão.

Durante o “período de repouso”, o corpo não deve ser submetido a esforços desnecessários, de modo que a capacidade de autocura possa concentrar-se na superação da doença.

Regresso à normalidade

As reacções inadequadas do corpo e da mente desaparecem e as adaptações incorrectas iniciadas pelo organismo durante o período de doença são superadas. A capacidade de resistência inicia um processo de restabelecimento do estado anterior à doença. Isto significa que todas as funções do organismo e da mente voltam ao seu estado normal.

Fortalecimento

É possível exercitar a capacidade de reacção às tensões e a resistência contra as infecções e outras doenças. Para isso, o corpo é regularmente exposto a estímulos, mais ou menos violentos, que vão aumentando progressivamente. No entanto, a capacidade de adaptação do corpo não é ilimitada e, esgotadas as reservas do organismo, não pode ser melhorada, nem pelo exercício físico, nem pelo recurso a medicamentos.

Recursos

O calor, o frio, a água, a luz, o ar e as alterações climatéricas são estímulos naturais, que incentivam a capacidade de autocura do corpo. Certos movimentos, como, por exemplo, correr ou nadar ou a terapia pela respiração também podem ser considerados estímulos.

O jejum ou uma dieta adequada podem dar ao corpo o impulso necessário para mobilizar a capacidade de autocura. Também se espera um efeito semelhante dos produtos à base de plantas imunoestimulantes.

A homeopatia também é considerada uma terapia de estimulação ou regulação. Antigos métodos indígenas recorrem à dor como estímulo – por exemplo, fazendo lesões na pele para fortalecer a capacidade de autocura.

Algumas mudanças proporcionam muitos efeitos e “estimulantes”, como, por exemplo, as que se podem obter através de uma cura termal. Um acompanhamento especializado deveria dar estímulos suficientes para que se possa reflectir sobre o modo de vida e, eventualmente, reorganizá-lo.

Tratamento

Uma dosagem correcta adequada a cada pessoa é tão importante numa terapia de estimulação como na medicina convencional, sendo a idade um factor importante. Alguns estímulos são mais eficazes a determinadas horas do dia. Também é necessário analisar correctamente o tempo de utilização. O efeito positivo de um tratamento com base em estímulos mantém-se perceptível durante algum tempo, deixando de se fazer sentir lentamente.

Explicação dos efeitos

Reagem aos estímulos:

  • As partes do corpo directamente afectadas: por exemplo, os ossos, os tendões e os músculos necessitam do estímulo do movimento para não ficarem atrofiados e se renovarem;
  • Cada área interna do corpo e os seus órgãos, que se encontram ligados à superfície da pele que recebe o estímulo por meio de vias nervosas. Dessa forma, é possível, por exemplo, aliviar dores menstruais sujeitando a região lombar a temperaturas elevadas;
  • Ciclos reguladores de todo o corpo: por exemplo, os tratamentos por meio da alternância de temperaturas elevadas e reduzidas podem estimular ou acalmar o sistema nervoso vegetativo, melhorar a circulação, equilibrar a regulação da temperatura e influenciar o sistema hormonal;
  • No entanto, as reacções dos órgãos só explicam uma parte dos efeitos obtidos. É provável que se tenha de procurar uma explicação mais pormenorizada para esses efeitos no funcionamento do sistema imunitário.
Frio ou Calor?
Frio ou Calor?

Calor

Faz com que os vasos sanguíneos se dilatem, de forma a facilitar a libertação de calor.

Frio

Faz com que os vasos sanguíneos se contraiam, para que a temperatura do corpo não baixe demasiado. É possível incentivar o funcionamento dos vasos sanguíneos, alternando rapidamente entre estímulos de calor e de frio. Efeito: melhora a regulação térmica do corpo.

Água

Serve, essencialmente, como condutor dos estímulos térmicos.

Luz

A luz solar estimula a mente, devido à claridade e às cores. O calor do sol faz bem ao organismo. Durante os banhos de sol, a luz ultravioleta age sobre a pele, estimulando o metabolismo e a pigmentação.

Ar da montanha

A grandes altitudes, o ar contém menos oxigénio e menos água. Para que os tecidos recebam oxigénio suficiente, o corpo produz mais glóbulos vermelhos, adapta o metabolismo celular e melhora a irrigação das mucosas, para que não sequem.

Movimento

Quando fazemos exercício, a respiração torna-se mais profunda e aproveitamos melhor o oxigénio.O organismo procura lidar com a fadiga fazendo adaptações na circulação sanguínea.

Dor

A dor numa determina zona da pele tem efeito sobre os circuitos do sistema nervoso, podendo “sobrepor-se” às dores crónicas. Além disso, as dores estimulam o sistema nervoso vegetativo.

O organismo reage gradualmente ao sofrimento (adaptação), o que, a longo prazo, resulta num “efeito de resistência ou de habituação” à dor.

Áreas de aplicação

Geralmente, os tratamentos à base de estímulos têm, como objectivo, prevenir as doenças e atenuar sintomas crónicos, más disposições e dores. Também desempenham um papel de suporte na reabilitação.

Limitações à aplicação

Os tratamentos à base de estímulos apenas podem ter efeito num organismo que ainda tenha capacidade de reacção. Os limites destes métodos são atingidos quando a resistência se encontra esgotada ou quando determinados órgãos ou tecidos foram destruídos. Nestes casos, o esforço adicional de uma terapia de estimulação pode ter, inclusive, um efeito prejudicial.

Em situações de emergência, os tratamentos à base de estímulos não são adequados, pois não conseguem substituir intervenções necessárias ou substâncias vitais de que o corpo necessite, como, por exemplo, a insulina no caso dos diabéticos.

0 que dizem os críticos?

Muitas terapias de estimulação registam um “agravamento inicial”, isto é, a doença em vez de melhorar parece, numa primeira fase, agravar-se.

Muitos terapeutas interpretam isto como um sinal de que o tratamento está a produzir efeito. Os críticos consideram difícil distinguir se o agravamento inicial se encontra no limite do aceitável ou se, pelo contrário, é necessário intervir, sendo o aumento das queixas um sinal de que o doente está a piorar.

Recomendações

As terapias de estimulação ajudam a tornar o organismo mais resistente às doenças. No caso de já haver doença, podem contribuir para reduzir o consumo de Medicamentos ou de outros tratamentos auxiliares.

Fonte: LIVRO: «Terapias Complementares e Alternativas – Utilidades e Riscos» da PROTESTE

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here