Cientistas pedem a suspensão dos transgénicos globalmente

0
748
Cientistas contra os Transgénicos em todo o mundo

Carta aberta de cientistas de todo o mundo a todos os governos sobre os Organismos Geneticamente Modificados (OGM).

Os cientistas estão extremamente preocupados com os perigos que os Transgénicos representam para a biodiversidade, a segurança alimentar, a Saúde humana e animal, e, portanto, exigem uma moratória imediata sobre este tipo de cultivo em conformidade com o princípio da precaução. Eles opõem-se aos cultivos de Transgénicos que intensificam o monopólio corporativo, exacerbam as desigualdades e impedem a mudança para uma agricultura sustentável que garanta a segurança alimentar e a Saúde em todo o mundo. Eles fazem um apelo à proibição de qualquer tipo de patentes de formas de vida e processos vivos que ameaçam a segurança alimentar e violam os direitos humanos básicos e a dignidade. Eles querem maior apoio à pesquisa e ao desenvolvimento de uma agricultura não corporativa, sustentável, que possa beneficiar as famílias de agricultores em todo o mundo.

A carta aberta está publicada na página de internet Ecocosas, com a data de 7 de Junho 2014. No entanto, a carta foi publicada originalmente em 1 de Setembro de 2000 e encontra-se na página de internet em inglês da ISIS – Institute of Science in Society.

A carta é assinada por 815 cientistas de 82 países, entre os quais estão:

Dr. David Bellamy, biólogo e artista, Londres, Reino Unido;
Prof. Liebe Cavalieri, matemática ecologista, Univ. Minnesota, EE.UU.;
Dr. Thomas S. Cox, geneticista, departamento de agricultura de EE.UU. reformado, Índia;
Dr. Tewolde Egziabher, porta-voz para a região da África, Etiópia;
Dr. David Ehrenfeld, biólogo / ecólogo da Universidade de Rutgers, EE.UU.;
Dr. Vladimir Zajac, oncovirologista, geneticista, Cancer Reseach Inst., República Checa;
Dr. Brian Hursey, ex-oficial superior da FAO para as doenças transmitidas por vectores, Reino Unido;
Prof. Ruth Hubbard, geneticista da Universidade de Harvard, EE.UU.;
Prof. Jonathan King, biólogo molecular, MIT, Cambridge, EE.UU.;
Prof. Gilles-Eric Seralini, Laboratoire de Biochimie y Moleculaire, Univ. Caen, França;
Dr. David Suzuki, geneticista, David Suzuki Foundation, Univ. Columbia Britânica, Canadá;
Dra. Vandana Shiva, física teórica e ecologista, Índia;
Dr. George Woodwell, director, Centro de Pesquisa Woods Hole, EE.UU.;
Prof. Oscar B. Zamora, agrónomo, Universidade das Filipinas, Los Baños, Filipinas.

Resumo

Nós, pedimos a suspensão imediata de todas as licenças ambientais para cultivos de Transgénicos e produtos derivados dos mesmos, tanto comercialmente como em testes em campo aberto, durante pelo menos cinco anos. As patentes dos organismos vivos, dos processos, das sementes, das linhas de células e genes devem ser revogadas e proibidas e exige-se uma pesquisa pública exaustiva sobre o futuro da agricultura e a segurança alimentar para todos.

As patentes de formas de vida e processos vivos deveriam ser proibidas porque ameaçam a segurança alimentar, promovem a biopirataria dos conhecimentos indígenas e dos recursos genéticos, violam os direitos humanos básicos e a dignidade, o compromisso da Saúde, impedem a pesquisa médica e científica e são contra o bem-estar dos animais.

Os cultivos de Transgénicos não oferecem benefícios para os agricultores nem para os consumidores. Em vez disso, trazem consigo muitos problemas que foram identificados e que incluem o aumento do uso de herbicidas, o desempenho errático e baixos rendimentos económicos para os agricultores. Os cultivos de Transgénicos também intensificam o monopólio corporativo sobre os alimentos, o que está a levar os agricultores familiares à miséria e impedindo a passagem para uma agricultura sustentável que garanta a segurança alimentar e a Saúde no mundo.

Os perigos dos transgénicos para a biodiversidade e para a Saúde humana e animal são agora reconhecidos por várias fontes dentro dos governos do Reino Unido e dos Estados Unidos. Consequências especialmente graves associam-se ao potencial de transferência horizontal de genes. Estes incluem a difusão de genes marcadores de resistência a antibióticos a ponto de tornarem doenças infecciosas incuráveis, a criação de novos vírus e bactérias que causam doenças e mutações danificadoras que podem provocar cancro.

No protocolo de biossegurança de Cartagena negociado em Montreal em Janeiro de 2000, mais de 120 governos comprometeram-se a aplicar o princípio da precaução e garantir que as legislações de biossegurança em nível nacional e internacional tenham prioridade sobre os acordos comerciais e financeiros da Organização Mundial do Comércio.

transgenicos 3
Perigo dos transgénicos nos alimentos

Sucessivos estudos documentaram a produtividade e os benefícios sociais e ambientais da agricultura ecológica e familiar, de baixos consumos e completamente sustentável. Ela oferece a única forma para restaurar as terras agrícolas degradadas pelas práticas agronómicas convencionais e possibilita a autonomia dos pequenos agricultores familiares para combater a pobreza e a fome.

Instamos o congresso dos Estados Unidos a proibir os cultivos de Transgénicos, já que são perigosos e contrários aos interesses da agricultura familiar, e a apoiar a pesquisa e o desenvolvimento de métodos de agricultura sustentável que podem realmente beneficiar as famílias de agricultores em todo o mundo.

As patentes de formas de vida e de processos vivos deveriam ser proibidas porque ameaçam a segurança alimentar, promovem a biopirataria dos conhecimentos indígenas e os recursos genéticos, violam os direitos humanos básicos e a dignidade, o compromisso com a Saúde, impedem a pesquisa médica e científica e são contrários ao bem-estar dos animais. [1] As formas de vida, tais como organismos, sementes, linhas celulares e os genes, são descobertas e, portanto, não são patenteáveis. As actuais técnicas de GM, que exploram os processos vivos, não são confiáveis, são incontroláveis e imprevisíveis e não podem ser consideradas como invenções. Além disso, estas técnicas são inerentemente inseguras, assim como muitos organismos e produtos Transgénicos.

Cada vez está mais claro que os actuais cultivos Transgénicos não são nem necessários nem benéficos. São uma perigosa distracção que impede a mudança essencial para práticas agrícolas sustentáveis que podem proporcionar a segurança alimentar e a Saúde em todo o mundo.

Duas características simples contam para os quase 40 milhões de hectares de cultivos Transgénicos plantados em 1999 [2]. A maioria (71%) é tolerante a herbicidas de amplo espectro, desenvolvidos, por sua vez, para serem tolerantes à sua própria marca de herbicida, ao passo que o resto é projectado com as toxinas Bt para matar pragas de insectos. Uma estatística baseada em 8200 testes de campo do cultivo transgénico mais popular, a soja, revelou que a soja transgénica rende 6,7% menos e requer duas a cinco vezes mais herbicidas que as variedades não modificadas geneticamente [3]. Isso foi confirmado por um estudo mais recente realizado na Universidade do Nebraska [4]. No entanto, foram identificados outros problemas, tais como: o desempenho errático, susceptibilidade a doenças [5], o aborto de frutas [6] e baixos rendimentos económicos para os agricultores. [7]

De acordo com o programa para a alimentação da ONU, há alimentos suficientes para alimentar o mundo uma vez e metade de outra. Enquanto a população cresceu 90% nos últimos 40 anos, a quantidade de alimentos per capita aumentou em 25%, e mesmo assim um bilião de pessoas passam fome [8]. Um novo relatório da FAO confirma que há alimentos suficientes ou mais que suficientes para satisfazer as demandas globais sem levar em conta qualquer melhora no rendimento proporcionado pelos transgénicos até 2030 [9]. É por conta do crescente monopólio empresarial, que opera sob a Economia globalizada, que os pobres são cada vez mais pobres e passam mais fome [10]. Os agricultores familiares de todo o mundo foram levados à miséria e ao suicídio e pelas mesmas razões. Entre 1993 e 1997 o número de propriedades de tamanho médio nos Estados Unidos reduziu-se em 74.440 [11], e os agricultores recebem menos do custo médio da produção pelos seus produtos [12]. A população agrícola na França e na Alemanha diminuiu em 50% desde 1978 [13]. No Reino Unido, 20 mil empregos agrícolas desapareceram no último ano, e o primeiro-ministro anunciou um pacote de ajuda de 200 milhões de libras [14]. Quatro empresas controlavam 85% do comércio mundial de cereais no final de 1999 [15]. As fusões e aquisições continuam desde então.

As novas patentes de sementes intensificam o monopólio empresarial mediante a proibição dos agricultores de guardarem e replantarem as sementes, o que a maioria dos agricultores continua a fazer no Terceiro Mundo. Com a finalidade de proteger as suas patentes, as empresas continuam a desenvolver tecnologias de sementes suicidas para que as sementes colhidas não germinem, apesar da oposição mundial dos agricultores e da sociedade civil em geral. [16]

A Christian Aid, uma importante organização de caridade que trabalha no Terceiro Mundo, chegou à conclusão de que os cultivos Transgénicos provocam desemprego, agravam a dívida do Terceiro Mundo e são uma ameaça para os sistemas agrícolas sustentáveis, além de prejudicar o meio ambiente [17]. Os governos africanos condenaram a afirmação da Monsanto de que os Transgénicos são necessários para alimentar os famintos do mundo: “Nós nos opomos firmemente… ao facto de que a imagem dos pobres e famintos dos nossos países esteja sendo utilizada pelas grandes empresas multinacionais para desenvolver Tecnologia que não é segura nem para o Meio Ambiente, nem economicamente benéfica para nós… Nós acreditamos que vai destruir a diversidade, o conhecimento local e os sistemas agrícolas sustentáveis que os nossos agricultores desenvolveram durante milhares de anos e… minar a nossa capacidade de nos alimentar” [18]. Uma mensagem do Movimento Camponês das Filipinas dirigida à Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) dos países industrializados, declarou: “A entrada dos organismos geneticamente modificados seguramente intensificará a falta de terras, a fome e a injustiça”. [19]

Uma aliança de grupos de agricultores familiares dos Estados Unidos divulgou uma lista completa das suas exigências, entre as quais estão a proibição da propriedade de todas as formas de vida; a suspensão das vendas, licenças ambientais e outras aprovações de cultivos Transgénicos e dos produtos derivados, pendentes de uma avaliação independente e exaustiva dos impactos ambientais, da Saúde e económico-social; e que se obrigue as empresas a se responsabilizarem por todos os danos e prejuízos derivados dos seus cultivos geneticamente modificados e produtos para o gado, sobre os seres humanos e o meio ambiente [20]. Também exigem uma moratória de todas as fusões e aquisições de empresas, do encerramento da quinta, e o fim das políticas que servem aos grandes interesses agro-industriais à custa dos agricultores familiares, dos contribuintes e do Meio Ambiente [21]. Eles efectuaram uma acção judicial contra a Monsanto e outras nove empresas por práticas monopólicas e por impingir os cultivos Transgénicos sobre os agricultores sem avaliações de segurança e de impacto ambiental adequadas. [22]

Alguns dos perigos dos cultivos Transgénicos são reconhecidos abertamente pelos governos do Reino Unido e dos Estados Unidos. O ministério da agricultura, pesca e alimentação do Reino Unido admitiu que a transferência dos cultivos Transgénicos e o pólen para além dos campos plantados é inevitável [23], e isso já deu origem a ervas daninhas resistentes aos herbicidas [24]. Um relatório provisório sobre os testes de campo patrocinados pelo governo do Reino Unido confirmou a hibridação entre propriedades adjacentes de diferentes variedades de colza (couve silvestre) tolerante aos herbicidas geneticamente modificados, o que deu lugar a híbridos tolerantes a múltiplos herbicidas. Além disso, a colza transgénica e os seus híbridos foram encontrados como praga nos cultivos de trigo e cevada posteriores, que estavam a ser “controlados” com herbicidas convencionais [25]. Pragas de insectos resistentes ao Bt evoluíram em resposta à contínua presença das toxinas nas plantas transgénicas durante todo o ciclo de cultivo e a Agência de Proteção do Meio Ambiente dos Estados Unidos está a recomendar aos agricultores para que plantem até 40% de cultivos não geneticamente modificados com a finalidade de criar refúgios para as não pragas de insectos resistentes. [26]

As ameaças à diversidade biológica dos principais cultivos Transgénicos já comercializados são cada vez mais claras. Os herbicidas de amplo espectro utilizados com os cultivos Transgénicos tolerantes a herbicidas não dizimam apenas espécies de plantas silvestres de forma indiscriminada, mas também são tóxicos para os animais. O glufosinato provoca defeitos congénitos em mamíferos [27] e o glifosato está ligado ao linfoma de Hodgkin [28]. Os cultivos Transgénicos Bt (toxinas) matam insectos benéficos como as abelhas [29] e os crisopídios [30] e o pólen do milho Bt é letal para as borboletas monarca [31], assim como para os papilionidos [32]. A Toxina Bt é exalada das raízes do milho Bt na rizosfera, onde se une rapidamente às partículas do solo e converte-se em parte do mesmo. À medida que a toxina está presente de forma activada, não selectiva, espécies objectivas e não objectivas no solo vão ficar afectadas [33], causando um enorme impacto sobre todas as espécies acima do solo.

Os produtos resultantes dos organismos geneticamente modificados também podem ser perigosos. Por exemplo, um grupo de triptofano produzido por microorganismos geneticamente modificados está associado a pelo menos 37 mortes e 1500 doenças graves [34]. Um hormónio geneticamente modificado de crescimento bovino, que é injectado nas vacas com a finalidade de aumentar a produção de leite, não provoca apenas o sofrimento excessivo e doenças nas vacas, mas também aumenta o IGF-1 no leite, que está vinculado ao cancro de mama e da próstata em seres humanos [35]. É vital para o público ser protegido de todos os produtos Transgénicos e não apenas os que contêm DNA transgénico ou proteína. Isso porque o próprio processo de modificação genética, pelo menos na forma praticada actualmente, é inerentemente perigoso.

Memorandos secretos da Administração dos Alimentos e Medicamentos (FDA) dos Estados Unidos revelaram que foram ignoradas as advertências dos seus próprios cientistas de que a engenharia genética é um novo ponto de partida e introduz novos riscos. Além disso, o primeiro cultivo transgénico tornado livre para comercialização – o tomate Flavr Savr – não passou nos testes toxicológicos requeridos [36]. Desde então, nenhum teste de segurança científica abrangente havia sido feito até que o Dr. Arpad Pusztai e os seus colaboradores no Reino Unido levantaram sérias preocupações sobre a segurança das batatas GM que eles estavam a testar. Eles chegaram à conclusão de que uma parte significativa do efeito tóxico pode ser devido à transformação genética, ou ao processo utilizado na fabricação das plantas geneticamente modificadas, ou ambos. [37]

A segurança dos alimentos Transgénicos foi abertamente contestada pelo professor Bevan Moseley, geneticista molecular e actual presidente do grupo de trabalho sobre novos alimentos no comité científico da União Europeia sobre a Alimentação [38]. Ele chamou à atenção sobre os efeitos imprevistos inerentes à Tecnologia, enfatizando que a próxima geração dos alimentos geneticamente modificados – os chamados “nutracêuticos” ou “alimentos funcionais”, como a Vitamina A “enriquecida” do arroz – irá representar riscos ainda maiores para a Saúde devido ao aumento da complexidade das construções de genes.

A engenharia genética introduz novos genes e novas combinações de material genético construído em laboratório nos cultivos, no gado e nos microorganismos [39]. As construções artificiais são derivadas do material genético de vírus patogénico e outros parasitas genéticos, assim como bactérias e outros organismos e incluem códigos genéticos para resistir aos antibióticos. As construções estão projectadas para quebrar as barreiras das espécies e para superar os mecanismos que impedem de inseri-lo em genomas de material genético estranho. A maioria deles nunca existiu na natureza ao longo de biliões de anos de evolução.

Esta síntese feita a partir da combinação de vários elementos é introduzida nas células por métodos invasivos que levam a uma inserção aleatória dos genes estranhos aos genomas (a totalidade de todo o material genético de uma célula ou organismo). Isto dá lugar a efeitos aleatórios imprevisíveis, incluindo anormalidades em animais e em toxinas e alergénios inesperados em cultivos alimentares.

Uma construção comum a praticamente todos os cultivos Transgénicos já comercializados ou submetidos a testes de campo envolve um interruptor de gene (promotor) do vírus mosaico da couve-flor (CaMV) acrescentado ao gene estranho (transgene) para torná-lo sobre-expresso de forma contínua [40]. Este promotor CaMV está activo em todas as plantas, em leveduras, algas e no E.coli. Recentemente descobrimos que está ainda activo no ovo de anfíbio [41] e no extracto de células humanas [42]. Ele tem uma estrutura modular e pode ser trocado, em parte ou na sua totalidade, com os promotores de outros vírus para dar aos vírus infecciosos. Ele também tem um “ponto quente de recombinação”, assim que é propenso a romper-se e unir-se a outro material genético. [43]

Por estas e outras razões, o DNA transgénico – a totalidade das construções artificiais transferidas para o OGM – pode ser mais instável e propenso a transferir-se novamente para espécies não relacionadas, potencialmente, para todas as espécies que interagem com o OGM. [44]

Injectar transgénicos nos alimentos
DNA transgénicos nos alimentos

A instabilidade do DNA transgénico em plantas geneticamente modificadas é bem conhecida [45]. Genes Transgénicos são, muitas vezes, silenciados, mas a perda de parte ou da totalidade do DNA transgénico também ocorre, inclusive nas gerações posteriores de propagação [46]. Estamos cientes de nenhuma evidência publicada para a estabilidade a longo prazo de inserções transgénicas em termos de estrutura ou localização no genoma da planta em qualquer das linhas de Transgénicos já comercializados ou testados no terreno.

Os perigos potenciais da transferência horizontal de genes de GM incluem a propagação de genes resistentes a antibióticos aos patogénicos, a geração de novos vírus e bactérias que causam a doença e as mutações devido à inserção aleatória de DNA estranho, alguns dos quais podem provocar o cancro em células de mamíferos [47]. A capacidade do promotor CaMV para funcionar em todas as espécies, incluindo os seres humanos, é particularmente relevante para os perigos potenciais da transferência horizontal de genes.

A possibilidade do DNA nu ou livre ser absorvido por células de mamíferos é explicitamente mencionado pela Administração dos Alimentos e Medicamentos (FDA), dos Estados Unidos, num projecto de orientação à indústria sobre os genes marcadores de resistência a antibióticos [48]. Nos seus comentários sobre o documento da FDA, o ministério da agricultura, pesca e alimentação do Reino Unido assinalou que o DNA transgénico pode ser transferido não apenas por ingestão, mas pelo contacto com a poeira e o pólen de plantas transmitidas pelo ar durante o trabalho agrícola e o processamento de alimentos [49]. Esta advertência é ainda mais significativa com o recente relatório da Universidade de Jena, na Alemanha, segundo o qual os testes de campo indicaram que genes transgénicos podem ser transferidos via pólen transgénico para as bactérias e leveduras no intestino das larvas das abelhas. [50]

O DNA da planta não se degrada facilmente durante a maior parte do processamento comercial de alimentos [51]. Procedimentos como a moagem e o trituração de grãos deixaram o DNA em grande parte intacto, assim como o tratamento térmico em 90º Celsius. O processo da silagem mostrou pouca degradação do DNA e um relatório especial do ministério da agricultura, pesca e alimentação do Reino Unido desaconselha o uso de plantas geneticamente modificadas ou de resíduos vegetais na alimentação animal.

A boca humana contém bactérias que se mostraram capazes de assumir e expressar DNA nu que contém genes de resistência a antibióticos e bactérias transformáveis similares estão presentes nas vias respiratórias. [52]

Verificou-se a transferência horizontal de genes marcadores de resistência aos antibióticos de plantas GM, bactérias e fungos do solo no laboratório [53]. A monitoração de campo revelou que o DNA da beterraba GM persistiu no solo por dois anos após a sua colheita. E há evidências sugerindo que as partes do ADN transgénico podem ser transferidas horizontalmente para as bactérias do solo. [54]

Pesquisas recentes na terapia de genes e vacinas de ácidos nucleicos (DNA e RNA) deixam poucas dúvidas de que os ácidos nucleicos livres/nus podem ser ocupados, e, em alguns casos, incorporados ao genoma de todas as células de mamíferos, incluindo os dos seres humanos. Os efeitos adversos já observados incluem choque tóxico agudo, reacções imunológicas tardias e reacções auto-imunes. [55]

A associação médica britânica, no seu relatório provisório (publicado em Maio de 1999), pediu uma moratória por tempo indeterminado nas libertações de OGM à espera de novas pesquisas sobre novas alergias, sobre a disseminação de genes resistentes a antibióticos e os efeitos do DNA transgénico.

Activistas do GreenPecea contra os Trangénicos
Activistas do GreenPeace contra os Transgénicos

No protocolo de biossegurança de Cartagena negociado com sucesso em Montreal, em Janeiro de 2000, mais de 130 governos concordaram em aplicar o princípio da precaução, e em garantir que as legislações de biossegurança nos níveis nacionais e internacionais têm precedência sobre acordos comerciais e financeiros na OMC. Da mesma forma, os delegados da conferência da comissão do Codex Alimentarius, em Chiba, no Japão, em Março de 2000, concordaram em preparar procedimentos regulamentares rigorosos para os alimentos geneticamente modificados que incluem avaliação prévia à comercialização, monitoramento de longo prazo dos impactos sanitários, testes de estabilidade genética, toxinas, alergénio e outros efeitos indesejados [56]. O protocolo de biossegurança de Cartagena foi assinado por 68 governos em Nairóbi, em Maio de 2000.

Pedimos a todos os governos para tomarem na devida conta as substanciais evidências científicas dos riscos reais ou supostos decorrentes da tecnologia GM e muitos dos seus produtos, e impor uma moratória imediata sobre novas licenças ambientais, incluindo testes em campo aberto, de acordo com o princípio da precaução, assim como dados científicos sólidos.

Estudos sucessivos documentaram a produtividade e a sustentabilidade da agricultura familiar no Terceiro Mundo, bem como no norte [57]. Evidências do norte e do sul indicam que pequenas propriedades são mais produtivas, mais eficientes e contribuem mais para o desenvolvimento económico do que as grandes fazendas. Os pequenos agricultores também tendem a cuidar melhor dos recursos naturais, da conservação da biodiversidade e salvaguardar a sustentabilidade da produção agrícola [58]. Cuba respondeu à crise económica provocada pela ruptura do bloco soviético em 1989 pela conversão de convencional para grande escala, da alta monocultura de entrada para a pequena agricultura orgânica e semi-orgânica, aumentando para o dobro assim a produção de alimentos com a metade da entrada anterior. [59]

As abordagens agro-ecológicas são uma grande promessa para a agricultura sustentável nos países em desenvolvimento, combinando o conhecimento agrícola local e técnicas ajustadas às condições locais com o conhecimento científico ocidental contemporâneo [60]. Os rendimentos duplicaram e triplicaram e continuam a aumentar. Estima-se que 12,5 milhões de hectares em todo o mundo já são cultivados com sucesso desta forma [61]. É ambientalmente saudável e acessível para os pequenos agricultores. Ela recupera terras agrícolas marginalizadas pela agricultura intensiva convencional. Oferece a única forma prática de recuperar as terras agrícolas degradadas pelas práticas agrícolas convencionais. Acima de tudo, capacita os pequenos agricultores familiares para combater a pobreza e a fome.

Pedimos a todos os governos para rejeitarem os Transgénicos pela razão de que são perigosos e contrários a um uso ecologicamente sustentável dos recursos. Em vez disso, eles devem apoiar a pesquisa e o desenvolvimento de métodos agrícolas sustentáveis que podem realmente beneficiar os agricultores familiares em todo o planeta.

NOTAS:

[1] Ver World Scientists Statement, página de internet do Institute of Science in Society

[2] Ver Ho, M.W. and Traavik, T. (1999). Why Patents on Life Forms and Living Processes Should be Rejected from trips

[3] James, C. (1998,1999). Global Status of Transgenic Crops, ISAAA Briefs, New York

[4] Benbrook, C. (1999). Evidence of the Magnitude and Consequences of the Roundup Ready Soybean Yield Drag from University-Based Varietal Trials in 1998, Ag BioTech InfoNet Technical Paper No. 1, Idaho

[5] “Splitting Headache” Andy Coghlan. NewScientist, News, 20 de Novembro de 1999

[6] “Metabolic Disturbances in GM cotton leading to fruit abortion and other problems”

[7] “Genetically Altered Crops – Will We Answer the Questions?”Dan McGuire, American Corn Growers Association Annual Convention, Las Vegas Nevade, 4 de Fevereiro de 2000; Ver também “Biotech News” Richard Wolfson, Canad. J. Health & Nutrition, de Abril de 2000

[8] See Watkins, K. (1999), Free trade and farm fallacies,Third World Resurgence 100/101, 33-37; ver também El Feki, S. (2000). Growing pains, The Economist, 25 de Março de 2000

[9] Agriculture: towards 2015/2030, FAO Global Perspectives Studies Unit http://www.fao.org/es/esd/at2015/toc-e.htm

[10] Isto agora é admitido numa série impressionante de artigos por Shereen El Feki no The Economist (25 de Março de 2000), até aqui geralmente considerada como uma revista direitista pró-negócios

[11] Farm and Land in Farms, Final Estimates 1993-1997, USDA National Agricultural Statistics Service

[12] Ver Griffin, D. (1999). Agricultural globalization. A threat to food security? Third World Resurgence 100/101, 38-40

[13] El Feki, S. (2000). Trust or bust, The Economist, 25 de Março de 2000

[14] Meikle, J. (2000). Farmers welcome £200m deal,The Guardian, 31 de Março de 2000

[15] Farm Aid fact sheet: The Farm Crisis Deepens, Cambridge, Mass, 1999

[16] O departamento de agricultura dos Estados Unidos agora detém duas novas patentes da tecnologia de sementes suicidas, em conjunto com a Delta and Pine. Essas patentes foram emitidas em 1999. AstraZeneca está a patentear técnicas semelhantes. Rafi comunicou em Março de 2000

[17] Simms, A. (1999). Venda de agricultura suicída, falsas promessas e engenharia genética nos países em desenvolvimento, Christian Aid, London

[18]Let Nature’s Harvest Continue” Declaração de todos os delegados africanos (excepto da África do Sul) às negociações da FAO sobre a iniciativa internacional para os recursos fitogenéticos, Junho de 1998

[19] Carta de Kilusang Mgbubukid ng Pilipinas para a OECD, 14 de Fevereiro de 2000

[20] Farmer’s Declaration on Genetic Engineering in Agriculture, National Family Farm Coalition, USA

[21] Manifestação dos agricultor no Capitólio, 12 de Setembro de 1999

[22] McGuire, D. (2000). Cultivos geneticamente alterados: Iremos responder às perguntas? Convenção Anual da American Corn Growers Association, Las Vegas, 4 de Fevereiro de 2000

[23] MAFF Fact Sheet: Genetic modification of crops and food, Junho de 1999

[24] Ver Ho, M.W. e Tappeser, B. (1997). Contribuições potenciais de transferência horizontal de genes para o movimento transfronteiriço de organismos vivos modificados resultantes da biotecnologia moderna. Procedimentos do Workshop sobre Transboundary Movement of Living Modified Organisms resulting from Modern biotechnology: Issues and Opportunities for Policy-makers (K.J. Mulongoy, ed.), pp.171-193, International Academy of the Environment, Geneva

[25] The BRIGHT Project: Botanical and Rotational Implications of Genetically Modified Herbicide Tolerance: Relatório de Progresso de Março de 2000, patrocinado por MAFF, SERAD, HGCA, BBRO, Aventis, Crop Care, Cyanamid, Monsanto

[26] Mellon, M. e Rissler, J. (1998). Agora ou nunca, os novos planos importantes para salvar um controle natural de pragas, Union of Conerned Scientists, Cambridge, Mass

[27] Garcia,A., Benavides,F. ,Fletcher,T. e Orts,E. (1998). Paternal exposure to pesticides and congenital malformations. Scand J Work Environ Health 24, 473-80

[28] Hardell, H. & Eriksson, M. (1999). A Case-Control Study of Non-Hodgkin Lymphoma and Exposure to Pesticides, Cancer85, 1355-1360

[29] “Cotton used in medicine poses threat: genetically-altered cotton may not be safe”, Bangkok Post, 17 de Novembro de 1997

[30] Hilbeck, A., Baumgartner, M., Fried, P.M. e Bigler, F. (1998). Effects of transgenic Bacillus thuringiensis-corn-fed prey on mortality and development time of immature Chrysoperla carnea (Neuroptera: Chrysopidae). Environmental Entomology 27, 480-96

[31] Losey, J.E., Rayor, L.D. e Carter, M.E. (1999). Transgenic pollen harms monarch larvae, Nature 399, 214

[32] See Wraight, C.L., Zangerl, R.A., Carroll, M.J. e Berenbaum, M.R. (2000). A ausência de toxicidade do pólen Bacillus thuringiensis para cauda de andorinhas pretas sob condições reais. PNAS Early Edition www.pnas.org; despite the claim in the title, the paper reports toxicity of bt-pollen from a high-expressing line to swallowtail larvae in the laboratory. The issue of bt-crops is reviewed in “Swallowing the tale of the swallowtail” and “To Bt or Not to Bt”, ISIS News #5

[33] Deepak Saxena, Saul Flores, G, Stotzky (1999) Transgenic plants: Insecticidal toxin in root exudates from Bt corn, Nature 402, 480, p 480

[34] Mayeno, A.N. e Gleich, G.J. (1994). Eosinophilia-myalgia syndrome and tryptophan production: a cautionary tale, Tibtech 12, 346-352

[35] Epstein, E. (1998). Bovine growth hormone and prostate cancer; Bovine growth hormone and breast cancer, The Ecologist 28 (5), 268, 269

[36] Os memorandos secretos vieram à tona como resultado de uma ação civil liderada pelo advogado Steven Druker contra a FDA dos EUA, Maio de 1998. Para mais detalhes consulte o site da Biointegrity

[37] Ewen, S.W.B. and Pusztai, A. (1999). Effects of diets containing genetially modified potatoes expressing Galanthus nivalis lectin on rat small intestine, The Lancet 354, 1353-1354

[38] Pat Phibbs, P. (2000). Genetically modified food sales “dead” In EU Until safety certain, says consultant , The Bureau of National Affairs, Inc., Washington D.C. 23 de Março de 2000

[39] Ver Ho, M.W. (1998,1999). Genetic Engineering Dream or Nightmare? The Brave New World of Bad Science and Big Business, Gateway, Gill & Macmillan, Dublin

[40] Ver Ho, M.W., Ryan, A., Cummins, J. (1999). The cauliflower mosaic viral promoter – a recipe for disaster? Microbial Ecology in Health and Disease 11, 194-197; Ho, M.W., Ryan, A., Cummins, J. (2000). Hazards of transgenic crops with the cauliflower mosaic viral promoter, Microbial Ecology in Health and Disease (na imprensa); Cummins, J., Ho, M.W. and Ryan, A. (2000). Hazards of CaMV promoter, Nature Biotechnology (na imprensa)

[41] Avaliado na Ho, 1998,1999 (nota 37); Ho, M.W., Traavik, T., Olsvik, R., Tappeser, B., Howard, V., von Weizsacker, C. e McGavin, G. (1998b). Gene Technology and Gene Ecology of Infectious Diseases. Microbial Ecology in Health and Disease 10, 33-59; Traavik, T. (1999a). Too early may be too late, Ecological risks associated with the use of naked DNA as a biological tool for research, production and therapy, relatório de investigação para a Directorate for Nature Management, Norway

[42] N Ballas, S Broido, H Soreq, A Loyter (1989) Efficient functioning of plant promoters and poly (Asites em Xenopus oocytes Nucl Acids Res 17, 7891-903

[43] Burke, C, Yu X.B., Marchitelli, L.., Davis, E.A., Ackerman, S. (1990). Transcription factor IIA of wheat and human function similarly with plant and animal viral promoters, Nucleic Acids Res 18, 3611-20

[44] Avaliado no Ho, 1998,1999 (note 37); Ho, M.W., Traavik, T., Olsvik, R., Tappeser, B., Howard, V., von Weizsacker, C. e McGavin, G. (1998b), Gene Technology and Gene Ecology of Infectious Diseases. Microbial Ecology in Health and Disease 10, 33-59; Traavik, T. (1999a). Too early may be too late, Ecological risks associated with the use of naked DNA as a biological tool for research, production and therapy, relatório de investigação para a direcção da Nature Management, Norway

[45] Kumpatla, S.P., Chandrasekharan, M.B., Iuer, L.M., Li, G. and Hall, T.c. (1998). Genome intruder scanning and modulation systems and transgene silencing, Trends in Plant Sciences 3, 96-104

[46] Ver Pawlowski, W.P. and Somers, D.A. (1996). Transgene inheritance in plants, Molecular Biotechnology 6, 17-30

[47] Revisto por Doerfler, W., Schubbert, R., Heller, H., Kämmer, C., HilgerEversheim, D., Knoblauch, M. e Remus, R. (1997). Integration of foreign DNA and its consequences in mammalian systems, Tibtech 15, 297-30

[48] Draft Guidance for Industry: Use of Antibiotic Resistance Marker Genes in Transgenic Plants, US FDA, 4 de Setembro de 1998

[49] Ver carta de N. Tomlinson, Joint Food Safety e Standards Group, MAFF, para a US FDA, 4 de Dezembro de 1998

[50] Ver Barnett, A. (2000). GM genes ‘jump species barrier’, The Observer, 28 de Maio

[51] Forbes, J.M., Blair, D.E., Chiter, A., e Perks, S. (1998). Effect of Feed Processing Conditions on DNA Fragmentation Section 5 – Scientific Report, MAFF; Ver também Ryan, A. e Ho, M.W. (1999). Transgenic DNA in animal feed, ISIS Report, Novembro de 1999

[52] Mercer, D.K., Scott, K.P., BruceJohnson, W.A. Glover, L.A. e Flint, H.J. (1999). Fate of free DNA and transformation of the oral bacterium Streptococcus gordonii DL1 by plasmid DNA in human saliva, Applied and Environmental Microbiology 65, 6-1

[53] Revisto no Ho, 1998,1999 (note 37)

[54] Gebbard, F. e Smalla, K. (1999). Monitoring field releases of genetically modified sugar beets for persistence of transgenic plant DNA and horizontal gene transfer, FEMS Microbiology Ecology 28, 261-272

[55] Ver Ho, M.W., Ryan, A., Cummins, J. e Traavik, T. (2000). Unregulated Hazards, ‘Naked’ and ‘Free’ Nucleic Acids, relatório da ISIS para a Third World Network, Janeiro de 2000, London and Penang

[56] Viewpoint, Henry Miller, Financial Times, 22 de Março de 2000

[57] Ver Pretty, J. (1995). Sustainable Agriculture, Earthscan, London; também Pretty, J. (1998). The Living Land – Agriculture, Food and Community Regeneration in Rural Europe, Earthscan, London; ver também Alternative Agriculture: Report of the National Academy of Sciences, Washington D.C., 1989

[58] Rosset, P. (1999). The Multiple Functions and Benefits of Small Farm Agriculture In the Context of Global Trade Negotiations, The Institute for Good and Development Policy, Policy Brief No. 4, Oakland

[59] Murphy, C. (1999). Cultivating Havana: Urban Agriculture and Food Security in the Years of Crisis, Institute for Food and Development Policy, Development Report No. 12, Oakland

[60] Altieri, M., Rosset, P. e Trupp, L.A. (1998). The Potential of Agroecology to Combat Hunger in the Developing World, Institute for Food and Development Policy Report, Oakland, California

[61] Peter Rosset, Food First Institute

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/noticias/532297-cientistas-pedem-a-suspensao-dos-transgenicos-em-todo-o-mundo

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here