Heróis que provam que não existem heróis

0
485
Não existem Heróis
Não existem Heróis

Madre Teresa, Churchill, Gandhi, Dalai Lama, Vasco da Gama. De formas muito diferentes, todos são igualmente glorificados pela História. Mas a História tem memória selectiva.

Falta um mês e pouco para o mundo ter mais uma santa: a 4 de Setembro, a Madre Teresa de Calcutá vai ser canonizada pelo Papa Francisco. O passo natural para uma mulher que personifica a bondade. Isto se nos esquecermos das suas amizades com ditadores e criminosos, da opacidade das contas da sua congregação, das acirradas lutas políticas contra os contraceptivos e do tratamento deplorável dado aos doentes dos seus hospícios. Mas a albanesa está bem acompanhada por más companhias.

5. A Madre Teresa de Calcutá vai ser santamas não era uma santa

Madre Teresa de Calcutá
Madre Teresa de Calcutá

O ensaísta Christopher Hitchens dizia dela que não era amiga dos pobres, mas da pobreza. Que tinha o culto da morte e do sofrimento, para alimentar uma ideologia fanática. Que defendia o statu quo da hierarquia predefinida, estanque: poderosos sempre fortes, fracos sempre miseráveis. Sacrilégio? Pois sim… Difícil é saber por onde começar. Investigações no hospício de Calcutá que tornou famosas as suas Missionárias da Caridade revelaram práticas medievais no tratamento dos doentes, desde a reutilização de seringas simplesmente passadas por água corrente à mera administração de aspirinas em doentes em agonia, com cancro em fase terminal. Ex-voluntárias da organização garantem ainda que era prática comum as irmãs baptizarem sub-repticiamente os moribundos hindus e muçulmanos, mesmo contra a sua vontade. E que incontáveis pacientes – muitos deles jovens – podiam ter sido salvos com simples antibióticos ou cirurgias, mas as religiosas recusavam-se a dar-lhes o tratamento adequado ou levá-los ao hospital. As condições deploráveis do hospício, aliás, não tinham razão de ser, dados os donativos milionários que a congregação recebia. Quão milionários, exactamente? Não sabemos. A congregação fundada pela Madre Teresa sempre se recusou a revelar as suas contas. Talvez por vergonha: sabe-se que há criminosos entre os dadores. Como o ultra-conservador americano Charles Keating, um magnata da banca de investimento que jogou com o dinheiro de milhares de reformados, e perdeu. Mais de 20 mil pessoas ficaram sem as poupanças de uma vida, num dos maiores escândalos financeiros da década de 80. O procurador responsável pelo caso escreveu a Madre Teresa, pedindo-lhe que devolvesse o dinheiro para que alguma justiça fosse feita às vítimas de Keating, entretanto preso. Nunca obteve resposta. E Keating era só uma de muitas ligações nebulosas de Madre Teresa. Como “Baby DocDuvalier, o déspota fascista que dirigiu o Haiti nas décadas de 70 e 80, e que lhe concedeu a Legião de Honra, prémio que a albanesa aceitou com agrado, numa visita ao país – e que pagou em despudorados elogios públicos à família Duvalier, responsável pela tortura e morte de milhares de pessoas. Mas meter-se na Política era prática habitual da Madre Teresa. Apoiou Ronald Reagan e Margaret Thatcher, manifestou-se contra o direito à greve e fez campanha contra a interrupção voluntária da gravidez e contra a contracepção – nomeadamente na Irlanda, quando se debatia o fim da proibição da venda de preservativos e da pílula. O próprio discurso de aceitação do Nobel da Paz em 1979 incluiu diatribes anti-aborto:

“O maior destruidor da paz, hoje, é o choro das crianças inocentes por nascer. Se uma mãe pode assassinar o seu próprio filho, o que nos impede a nós de nos matarmos uns aos outros?”

E por falar em Prémio Nobel

4. Winston Churchill era racistae provavelmente foi responsável por genocídio

Winston Churchill
Winston Churchill

Há estadistas e há Churchill. Herói da Segunda Guerra Mundial, orador genial, teria talvez o defeito – se é que é defeito – de gostar das coisas boas da vida: charutos, brandy, champanhe e whisky. Toda a gente sabe isso. Menos conhecida é a sua propensão para o bom e velho racismo. Dois anos antes da Guerra, um discurso seu incluiu a seguinte tirada:

“Não me parece que tenha sido cometido grande mal aos índios vermelhos da América ou aos negros da Austrália. Não me parece que um mal tenha sido cometido contra essas pessoas pelo facto de uma raça mais forte, de um nível mais elevado, mais sábia, digamos, ter chegado e as ter substituído.”

Essa pretensa inferioridade de povos não brancos pode ter contribuído para a morte de muitos indianos: em 1943, apesar de saber da dramática falta de alimentos em Bengala, Índia, o primeiro-ministro ordenou que todo o trigo australiano continuasse a navegar para Inglaterra, sem desembarcar na colónia, para alimentar o esforço de Guerra na Europa – apesar de não haver défice de comida no Velho Continente. Na Fome de Bengala, como ficou conhecida a tragédia, morreram perto de 3 milhões de indianos. O comentário de Churchill? Que a culpa era deles, porque se reproduziam “como coelhos”. E as suas opiniões sobre Mahatma Ghandi não eram mais sóbrias. “Ver-nos-íamos livres de um homem mau e de um inimigo do Império se ele morresse.” Acredite-se ou não, são palavras muito semelhantes às que usou para falar de Hitler. Há quem acredite que foi por estas e por outras que a Real Academia Sueca lhe deu “só” o Nobel da Literatura – porque seria um escândalo Churchill receber o Nobel da Paz.

Ainda continuando no Nobel

3. O Dalai Lama evoca um paraíso no Tibeteque nunca existiu

Dalai Lama
Dalai Lama

A história oficial: até 1950, o Tibete era um paraíso no topo do mundo, metafórica e literalmente mais perto do céu, governado por bondosos e eruditos monges budistas. E então, de repente, um exército de gente malvada (os comunistas chineses) invadiu o território, escravizou a população e matou a felicidade por decreto. A história real: o Tibete era um inferno na Terra. Um país que vivia num bafiento sistema feudal ao estilo da Idade Média, onde existiam apenas duas classes – a dos monges, que governavam, e a do povo, que era governado. Os primeiros viviam em absoluto luxo, e não admitiam contestação ao seu poder. O segundo vivia basicamente em escravidão. E era bom que os pobres não estrebuchassem muito: os monges tibetanos tinham técnicas de tortura condizentes com o seu modelo primitivo de sociedade. Claro que não é esse o Tibete que o actual Dalai Lama (de nome terreno Tenzin Gyatso) descreve – porque visto da janela de um palácio qualquer país parece efectivamente idílico. Mas não é só na descrição da sua terra-natal que o líder espiritual do budismo tibetano falha. Ora atente-se a este quinhão de uma entrevista com um jornalista da BBC:

Dalai Lama: “Se vier uma Dalai mulher, que tenha uma cara atraente.”
Clive Myrie: “Só deve haver uma mulher Dalai Lama se for atraente? É isso que está a dizer?”
Dalai Lama: “Essa mulher deve ser atraente, sim. De contrário, não serve para nada.”
Clive Mirye: “A sério? Imagino que esteja a brincar. Ou não está?…”
Dalai Lama: “Estou a falar a sério.”

Como se não bastasse a misoginia, o monge também resvala para a xenofobia. As suas recentes declarações sobre a crise dos refugiados deixaram meio mundo perplexo:

“A Europa, por exemplo, a Alemanha, não se pode tornar um país árabe. A Alemanha é a Alemanha. Há tantos (refugiados) que na prática se torna difícil. (…) De um ponto de vista moral, acho que os refugiados devem ser admitidos apenas temporariamente.”

Recorde-se que, para todos os efeitos, o Dalai Lama é um refugiado, desde que fugiu do Tibete e pediu asilo à Índia. Mesmo que não fosse, são declarações algo estranhas para alguém reverenciado pela sua ilimitada compaixão.

E mantendo o tema da compaixão…

2. Gandhi não gostava de negrose dormia com meninas nuas

Mohandas Gandhi
Mohandas Gandhi

Um homem maior que os homens, o que quer que Churchill dissesse dele. Que ultrapassou as fronteiras do seu país e a sua própria humanidade para se transformar num símbolo. No símbolo universal da paz. Mas, antes de regressar à sua Índia e de iniciar o movimento pacífico de independência do Império Britânico, Mohandas Gandhi era um jovem advogado a viver na África do Sul, no seio da numerosa comunidade indiana local. E, digamos, era um homem do seu tempo: preconceituoso e racista. Gandhi considerava os negros inferiores aos indianos, apelidando-os de “selvagens”, que viviam “na indolência e na nudez”, e lutou durante toda a sua vida de imigrante em África contra a mistura, organizando campanhas de esclarecimento entre os ingleses para os convencer de que não podiam tratar por igual o que era diferente. Sim, Ghandi, esse Gandhi, defendia a segregação racial. Mas isso, certamente, foram apenas as trevas que sempre precedem a luz. O caminho tantas vezes titubeante para a santidade. Bom, a santidade de Gandhi tinha um preço: pôr à prova os seus votos de castidade. Testar permanentemente a sua própria resistência aos vícios carnais. E por isso fazia questão de dormir, nu, com meninas e jovens mulheres, igualmente nuas. Um costume que até o seu companheiro de revolução Jawaharlal Nehru, o primeiro primeiro-ministro da Índia, apelidou de “anormal” e “não natural”.

Mas ao menos Gandhi não matou ninguém…

1. Vasco da Gama era um homem inacreditavelmente cruelmesmo para os parâmetros da época

Vasco da Gama
Vasco da Gama

É possível ser-se simultaneamente herói e vilão? Sim. Tudo depende dos olhos de quem julga. Para os portugueses, Vasco da Gama é um dos maiores heróis (se não o maior) da História do país. Mas não deve ter sido esse o entendimento das mais de 400 pessoas – incluindo mulheres e crianças – que foram queimadas vivas pelo navegador, num dos mais horríveis episódios da Era dos Descobrimentos. Tudo aconteceu em finais de 1502, durante a segunda viagem do navegador à Índia, com o objectivo de resolver um conflito com o samorim de Calecute sobre uma feitoria portuguesa (na sequência de um massacre de dezenas de portugueses). Pelo caminho, a frota de 15 navios cruzou-se com o Miri, um navio cheio de peregrinos muçulmanos que regressavam de Meca. Depois de pilhar a embarcação e os seus passageiros, Vasco da Gama ordenou que fossem todos presos no porão e pegou fogo ao navio. Depois, ficou, impávido, a assistir à mortandade, indiferente aos gritos de terror de mães abraçadas aos filhos bebés. Mas o explorador não ficou por aí. À chegada a Calecute, decidiu mandar uma mensagem clara ao seus adversários: capturou 50 pescadores das redondezas, enforcou-os, esquartejou-os e enviou as suas mãos, pés, narizes e orelhas ao samorim.

Consta que os indianos ficaram nessa altura com algumas dúvidas sobre os propalados brandos costumes dos portugueses.

Fonte: Visao.sapo.pt

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here