Como é que se atribui à COVID-19 a causa de morte?

0
223
Como é que se atribui à COVID-19 a causa de morte?
Como é que se atribui à COVID-19 a causa de morte?

Hospitais de todo o mundo são instados a definir como causa de morte a COVID-19, em caso de comorbilidade com outras doenças. Assim, seja por que for que as pessoas tenham realmente falecido, a causa é sempre ou quase sempre registada como tendo sido de COVID-19.

A nota é redigida pela ICD (International Statistical Classification of Diseases and Related Health Problems) e aplicada em todo o mundo.

Segundo código do ICD para a COVID-19 ( U07.1 ), o certificado de óbito para um paciente falecido será COVID-19, assumindo que foi essa a causa ou que contribuiu para a morte.

Aqui entramos no reino da subjectividade. Dados subjectivos.

Ainda há um segundo código ( U07.2 ) que refere a determinação da morte por COVID-19, ainda que a pessoa não tenha sido testada, bastando para isso, que o clínico assuma que a pessoa estivesse infectada pelo vírus. Ainda mais especulativo.

Mas como foi anunciado, em Nova York e noutros pontos, começou a utilizar-se o segundo código, o que pode explicar que os números tenham subido de forma tão vertiginosa, comparativamente com outros países onde a mortalidade foi muito ligeira.

Ou seja, perante a histeria colectiva aliada à percepção de uma pandemia mortífera, basta assumir (palavra usada pelo código) que a pessoa morreu de COVID-19 ou que somente contribuiu para a morte (ainda que a causa primária tenha sido outra), para que assim seja declarado.

É de perguntar: como seria a estatística se não houvesse este viés gigantesco?

Não nos restam grandes dúvidas que estas directivas estão e irão amplificar os números. A nossa pergunta é: Quanto? Continuam a morrer pessoas de todo o tipo de causas, como sempre aconteceu, mas agora, se forem testadas positivo ao COVID-19, a causa declarada da sua morte altera-se.

Uma forma de solucionarmos esta questão é verificarmos os gráficos de mortalidade por doença ao nível europeu, que apresentei no artigo «Dados oficiais indicam que mortalidade por doença não aumentou relativamente aos anos anteriores na Europa» e que indicam que os índices de mortalidade permanecem semelhantes aos anos anteriores.

Como disse o Dr. alemão Claus Kohnlein: “Se não houvesse um teste que indicasse positivo a esta coisa chamada COVID-19 nem notaríamos diferença.”

Mais uma vez, estamos a usar documentação oficial. Nas fontes (abaixo) deixamos um documento da CDC (Center for Control of Disease) norte-americana, a explicar o código da ICD, e a fonte notícia que refere a utilização do segundo código da ICD:

Fontes:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here