Porque estou a dizer adeus à Apple, Google e Microsoft

0
50
Porque estou a dizer adeus à Apple, Google e Microsoft
Porque estou a dizer adeus à Apple, Google e Microsoft

Quando me tornei colunista de Tecnologia em meados da década de 1990, a Internet pública estava apenas a começar o seu primeiro grande surto. Naquela época, aconselhei os meus leitores a evitar batalhas semi-políticas, até religiosas que os defensores desta ou daquela plataforma tecnológica pareciam desfrutar. Apreciem a Tecnologia, exortei, pelo que ela é – uma ferramenta – e utilizem o que funciona melhor.

Então porque é que estou a escrever isto num laptop que funciona com GNU/Linux, o sistema operacional com software gratuito, não uma máquina da Apple ou Windows? E porque é que os meus telefones e tablets executam uma ramificação de reforço da privacidade do Android chamado Cyanogenmod, e não iOS da Apple ou o padrão da Android?

Porque, em primeiro lugar, posso fazer o meu trabalho bem. Posso jogar jogos. Posso navegar sem parar. As alternativas de plataforma alcançaram um estágio onde são capazes de lidar com praticamente tudo o que eu preciso.

Mais importante: mudei-me para essas plataformas alternativas, porque mudei de opinião sobre a política de Tecnologia. Agora acredito que é essencial no sentido de incorporar da melhor forma os meus instintos e valores na Tecnologia que uso.

Esses valores começam com uma noção básica: estamos a perder o controlo sobre os instrumentos que antes prometeram a igualdade de oportunidades no discurso e na inovação, e isso tem de parar.

Tecnologia

O controlo está a mover-se de volta para o centro, onde as empresas e os governos poderosos estão a criar pontos de estrangulamento. Estão a utilizar esses pontos de estrangulamento para destruir a nossa privacidade, limitar a nossa liberdade de expressão, e bloquear cultura e comércio. Muitas vezes, damos-lhes a permissão – trocando a nossa liberdade pela conveniência – mas muito disso está a ser feito sem o nosso conhecimento, muito menos a nossa permissão.

As ferramentas que uso são, na medida do possível, baseadas nos valores da comunidade, não os corporativos.

Neste momento, não estou a agir motivado por alguma fantasia paranóica. Estou a emular, na esfera da Tecnologia, alguns dos princípios que levaram muitas pessoas a adoptar a “slow food“, o estilo de vida vegetariano, a minimizar as suas emissões de carbono, ou a fazer negócios apenas com empresas socialmente responsáveis.

Também não tenho a intenção de proclamar. Mas se posso persuadir até mesmo alguns de vocês a se juntarem a mim, mesmo numa pequena medida, ficarei encantado.

Eu sou o primeiro a reconhecer, entretanto, que ainda estou muito longe de alcançar a verdadeira liberdade tecnológica. Talvez seja impossível, ou quase. Mas esta é uma viagem – uma viagem contínua – que vale a pena efectuar. E se um número suficiente de nós embarcar nela, podemos fazer a diferença.

Parte da minha conversão decorre de uma aversão permanente ao controlo-aberrante corporativo e governamental. Se acreditamos na liberdade, temos de perceber que é fundamental assumimos riscos para ser mais livres. Se acreditamos na competição, às vezes temos de intervir como uma Sociedade para garantir que ela é justa.

Microsoft

Uma maneira de tentar garantir uma concorrência justa é a aplicação de leis destinadas a promovê-la, nomeadamente as regras de defesa da concorrência que visam impedir que as empresas dominantes abusem da sua posição dominante. Um exemplo clássico surgiu na década de 1990: a Microsoft, uma empresa que tinha sido mais astuta e abatido a IBM e todos os outros, na sua ascensão ao domínio puro no sistema operacional e do software para escritórios de “produtividade” nos mercados.

O software da Microsoft não era o melhor, em muitos casos, mas foi mais do que suficiente – e a táctica de negócio da empresa variou do brilhante para o feio, muitas vezes, os dois ao mesmo tempo. A administração Clinton, débil de vontade no início da década, finalmente percebeu que precisava de impedir a Microsoft de alavancar injustamente o domínio do seu Windows/Office, para governar a próxima geração de computação e comunicações. No final da década de 1990 a acção à defesa da concorrência ajudou a dar a inovadores, como a Google a chance de emergir.

A minha coluna no jornal assumiu regularmente a tarefa de verificar a Microsoft no que toca às suas diversas transgressões. Por volta da mudança de século, o meu desagrado das práticas de negócios da empresa entrou em ebulição.

Fiz uma “declaração de independência” pessoal, da empresa de software, pelo menos na medida do possível no momento. “Mudei-me” (novamente) para um Apple Macintosh – que até então tinha adoptado um sistema moderno e operacional sério, funcionando num bom hardware – e à parte de utilizar o Microsoft Office de vez em quando “libertei-me” em grande parte, de enviar dinheiro para uma empresa que não respeitava. A Apple facilitou a minha opção, porque o hardware MacOS e Mac tornou-se o melhor durante esse período – e muitas pessoas descobriram, como eu descobrira, que o ecossistema do Windows foi-lhes dando mais problemas do que aquilo que ele valia.

Apple

Em eventos de Imprensa de Silicon Valley no início e até meados dos anos 2000, fui muitas vezes um dos dois jornalistas com laptops Mac (o outro foi John Markoff do New York Times , que tinha adoptado o Mac logo no início do ano 2000 e permaneceu com ele). Uma década mais tarde, quase toda a gente na Imprensa de Tecnologia mudou para o Mac. A Apple tem feito um trabalho absolutamente espectacular de gerar Tecnologia, nos últimos 15 anos (ou mais). Eu costumava dizer que “enquanto o Windows tende a ficar no meu caminho, o Mac OS tende a ficar fora do meu caminho”. Durante anos recomendei para quem quisesse ouvir.

No entanto, agora quando participo em eventos de Tecnologia, sou uma das poucas pessoas que não utilizam um Mac ou um iPad. o que aconteceu?

Três coisas:

– o poder de expansão da Apple e uma nova geração de gigantes da Tecnologia;

– uma reafirmação da minha própria justiça social, no entusiasmo por este tema;

– alternativas sólidas.

Steve Jobs

Na era de Steve Jobs como director executivo, a Apple reflectiu a sua personalidade e qualidades. Isso foi emocionante na maioria das formas, porque ele exigiu algo próximo da perfeição. Mas quando o oprimido revolucionou a computação móvel e tornou-se o vencedor – todos nós percebemos, um dia, que era uma das empresas mais poderosas, rentáveis e valiosas do planeta. A Apple tornou-se o tipo de empresa que eu prefiro não apoiar: controlo bizarro e falha com os clientes, programadores de software e Imprensa; e, passei a acreditar que seria mesmo perigoso para o futuro de redes abertas e Tecnologia controladas pelo utilizador.

Ao mesmo tempo, o Google e o Facebook, entre outros, foram emergindo como poderes de um tipo diferente. Entidades centralizadas que utilizam a vigilância como um modelo de negócio, despojando a nossa privacidade em troca da grande comodidade que oferecem. Os nossos dispositivos móveis – e até mesmo os nossos PCs, as ferramentas-chave para a liberdade tecnológica nas décadas anteriores – cada vez mais, vieram com restrições sobre como poderíamos utilizá-los.

Eu “jogara” periodicamente com o Linux e outras alternativas no meu PC ao longo dos anos, mas sempre achei o exercício entediante e, no final, difícil de trabalhar. Mas nunca deixei de prestar atenção ao que as pessoas brilhantes como Richard Stallman e Cory Doctorow e outros diziam, nomeadamente que nós estávamos a conduzir, e a ser levados, por um caminho perigoso. Numa conversa com Cory um dia, perguntei-lhe sobre a sua utilização do Linux como o seu principal sistema operativo do PC. Ele disse que era importante fazer aquilo em que acreditava – e, a propósito, funcionou muito bem.

Eu poderia fazer menos, especialmente tendo em conta que tinha sido público nas minhas preocupações sobre as tendências?

Ubuntu

Assim, há cerca de três anos atrás, instalei a variante Ubuntu – entre os mais populares e bem suportados – num laptop Lenovo ThinkPad, e comecei a usá-lo como meu sistema operativo principal. Durante um mês ou assim, estava no mar, a fazer os erros de digitação e a precisar de algumas aplicações Mac em que eu viria a confiar. Mas descobri que o software Linux trabalhava, pelo menos, suficientemente bem, e às vezes melhor do que os seus homólogos de Mac e Windows.

E um dia eu percebi que os meus dedos e cérebro tinham-se totalmente ajustado ao novo sistema. Agora, quando utilizo um Mac, fico um pouco confuso.

Eu possuía vários outros ThinkPads. O meu modelo actual é um T440s, o que me parece ser a melhor combinação de tamanho, peso, capacidade de actualização, atendimento ao cliente e preço. O Ubuntu suporta muito hardware, mas tem sido especialmente amigável para os ThinkPads ao longo dos anos. Também é possível comprar computadores pré-carregados com Linux, incluindo vários laptops da Dell, para evitar uma série de problemas. (Depois da Lenovo, incrivelmente e incompetente, violar a segurança dos seus clientes do Windows num fracasso recente, eu estou contente por: a) não utilizar o Windows, e b) ter alternativas de hardware).

Quase todos os tipos de software que eu preciso estão disponíveis para Linux, mesmo que muitas vezes não sejam tão elegantes como os produtos Windows ou Mac, que os substituem. O LibreOffice é um substituto do Microsoft Office adequado para as coisas que faço. O Thunderbird da Mozilla lida bem com o meu e-mail. A maioria dos principais navegadores vêm em versões Linux. Eu uso o Mozilla Firefox a maior parte do tempo.

Há algumas tarefas que não posso fazer bem com Linux, como “screencasting” complexo – gravar o que o ecrã está a fazer, adicionando uma faixa de voz sobre a trilha e, talvez, uma inserção de vídeo e ampliando para destacar itens específicos. Ficaria feliz em pagar por algo parecido com isso no Linux, mas simplesmente não está disponível, tanto quanto posso encontrar. Então mudei novamente para o Windows, o sistema operacional que veio com o ThinkPad, e executei um programa chamado Camtasia.

Linux

Como a computação móvel tornou-se mais dominante, eu tive, também, que repensar tudo naquela plataforma. Ainda considero o iPhone a melhor combinação de software e hardware, que qualquer empresa alguma vez ofereceu, mas o controlo aberrante da Apple tornou-o numa impossibilidade. Estabeleci-me no Android que era muito mais aberto e facilmente modificado.

Mas o poder e a influência da Google também me preocupa, embora ainda confie mais neles do que em muitas outras empresas de Tecnologia. O próprio Android, da Google é excelente, mas a empresa tem feito vigilância totalmente integral para a utilização do seu software. E as pessoas que desenvolvem os aplicativos tomam liberdades repugnantes, recolhendo dados pelo “petabyte” e fazem sabe-se lá o quê com eles. (Especialistas em segurança que confio dizem, que o iPhone é mais seguro por design do que a maioria dos dispositivos Android).

Um movimento comunitário de terceiros surgiu em torno do Android, ao “tirar” o software básico e tornando-o melhor. Uma das modificações mais importantes, está a fornecer aos utilizadores muito mais controlo sobre as configurações de privacidade do que a Google permite com o Android padrão.

Um dos melhores desses projectos estabelecidos é o CyanogenMod. Foi pré-carregado num dos meus telefones, um novo modelo chamado OnePlus One, e eu instalei-o num telefone mais antigo, com a marca Google. Não só usufruo das configurações avançadas “Privacy Guard“, como as mensagens são encriptadas por defeito – algo que cada telefone e operadora deveria imitar (a Apple faz, mas os prestadores de Android estão a arrastar-se).

CyanogenMod

O CyanogenMod tornou-se mais do que um conjunto de voluntários. Alguns dos seus criadores desmembraram-se numa empresa com fins lucrativos, que tem levantado dinheiro de investidores de Silicon Valley. Como muitos outros no mundo alternativo Android, estou preocupado que isso possa levar a Cyanogen para um comportamento mau e distante das suas raízes de utilizador no controlo. Se isso acontecer, posso tentar muitas outras versões criadas pela comunidade do Android. (Esta preocupação também se aplica ao OnePlus, que depois de uma disputa com o CyanogenMod, está a “mover-se” em direcção a um sistema operativo proprietário).

O meu nerd interior – aprendi uma linguagem de programação na escola secundária e tive computadores desde o final dos anos 1970 – acha tudo isso muito divertido, pelo menos quando não é chato. Adoro explorar a Tecnologia que uso. Para outros que só querem coisas para trabalhar, desejava que fosse tudo muito simples. A Tecnologia está cada vez melhor: mais fácil, mais confiável e certamente boa o suficiente. Mas recuperar algum controlo ainda dá trabalho, especialmente no lado dos dispositivos moveis.

E, depois de tudo o que fiz para tornar-me mais independente, uma confissão: “ainda estou a usar algum software Microsoft e Google” – o que faz de mim pelo menos, parcialmente hipócrita. O Google Maps é um dos poucos recursos indispensáveis do meu smartphone (o Open Street Map é um projecto fantástico, mas não suficientemente maravilhoso), e como eu mencionei acima, ainda tenho uma necessidade ocasional para utilizar o Windows. A viagem para a liberdade tecnológica tem desvios intermináveis, porque tudo isto é infinitamente subtil.

Então continuo a procurar formas de reduzir ainda mais a minha dependência dos poderes centrais. Um dos meus dispositivos, um tablet mais velho a correr o Cyanogenmod, é um “banco de ensaio” para uma existência ainda mais livre do Google.

É bom o suficiente para usar em casa, e cada vez melhor à medida que encontro mais software gratuito – a maior parte dele através do “F-Droid” (biblioteca de downloads) – que lida com o que eu preciso. Até instalei uma versão do novo sistema operacional tablet do Ubuntu, mas não está pronto, como diz o cliché, para o horário nobre. Talvez o Firefox OS venha a ter um papel importante.

Mas desisti da ideia de que o software gratuito e hardware aberto venham tornar-se a norma para os consumidores a qualquer momento em breve, se alguma vez, mesmo que o software gratuito e software de código aberto esteja no coração da extremidade posterior da Internet.

internet

O nosso sistema económico está a adaptar-se às soluções baseadas na comunidade, lenta mas seguramente. Mas vamos ser honestos: parece que estamos colectivamente a preferir a conveniência de controlar, pelo menos por enquanto. Estou convencido de que mais e mais pessoas estão a aprender sobre os inconvenientes do “negócio que fizemos”, intencionalmente ou não, e algum dia poderemos chamá-lo colectivamente faustiano.

Eu continuo na esperança que mais fornecedores de hardware verão o benefício de ajudar os seus clientes a se libertarem do controlo de propriedade. É por isso que eu fiquei tão satisfeito ao reparar que a Dell, uma empresa, que uma vez juntou-se “pelo quadril” com a Microsoft, a “oferecer” um laptop Linux. Se os jogadores mais pequenos na indústria não gostam de ser peões de empresas de software e operadoras móveis, eles também têm opções. Eles podem-nos ajudar a fazer melhores escolhas.

Entretanto, vou continuar a incentivar o maior número possível de pessoas a encontrar maneiras de assumir o controlo de si mesmas. Liberdade dá algum trabalho, mas vale a pena o esforço. Espero que vocês considerem embarcar nesta viagem comigo.

Dan Gillmor

Fonte: Medium.com

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here