Radiação Electromagnética em experiências com animais

0
287
Radiação Electromagnética em experiências em animais
Radiação Electromagnética em experiências em animais

Radiação Electromagnética: a exposição aguda de baixo nível de microondas estimula o sistema nervoso, enquanto a exposição crónica suprime-o. Isso foi confirmado em animais com alterações comportamentais, alterações no EEG, níveis mais baixos de neurotransmissores, níveis mais baixos da enzima respiratória citocromo oxidase e danos às células, como visto no microscópio electrónico.

Os seguintes estudos descobriram essas associações:

Gvozdikova et al. (1964) expuseram grupos de coelhos chinchila a 12,5 cm, 52 cm e 1 m em radiação que durava 5 minutos. 81% apresentaram alterações no EEG quando expostas a 20 µW / cm2. [1]

Frey (1967) induziu potenciais evocados no tronco cerebral de gatos com ondas pulsadas de 1200-1525 MHz a uma densidade de potência média de 30 µW / cm2. [2]

Giarola et al. (1971) observaram um efeito tranquilizante em galinhas e ratos a 24 µW / cm2 utilizando ondas de 880 MHz. [3]

Dumanskij e Shandala (1973) irradiaram 228 ratos brancos e 60 coelhos, 8-12 horas por dia durante 120 dias. A inibição dos reflexos condicionados foi produzida por ondas de 6 metros a 1,9 µW / cm2 e por ondas de 3 centímetros a 5 µW / cm2. Foram observadas mudanças definidas no EEG mesmo a 0,06 µW / cm2 para as ondas de 6 metros: uma excitação inicial do sistema nervoso deu lugar a ritmos sincronizados e depois à inibição geral durante o curso da experiência. [4]

“A energia electromagnética na faixa de UHF e intensidade de 0,06 a 10 µW / cm2 foi efectivamente biologicamente activa, de acordo com os resultados da análise estatística” (p. 291). Outros indicadores da actividade do sistema nervoso, os grupos colinesterase e sulfidril no sangue também foram significativamente reduzidos em 1,9 µW / cm2.

Gabovich et al. (1979) descobriram que radiação de 100 µW / cm2 durante 2 horas por dia aumentaram primeiro a capacidade de trabalho de ratos e depois diminuíram-na. Também afectou o período latente de reflexos não condicionados, sono alterado e diminuição da actividade da colinesterase no sangue e no cérebro. A frequência era 2375 MHz, modo contínuo. [5]

Grin ‘(1978) descobriu que radiação de 50 µW / cm2 aumentou a adrenalina, a noradrenalina e a dopamina no cérebro de ratos após 7 horas por dia de exposição durante um mês. O comprimento de onda era de 12,6 an 500 µW / cm2 o que diminuiu os níveis e esgotou o sistema adreno-simpático. [6]

Dumanskiy e Tomashevskaya (1978) encontraram uma diminuição de 20-26% na citocromo oxidase, uma enzima respiratória nas mitocôndrias cerebrais, após 4 meses de exposição de ratos. A frequência era 2375 MHz, onda contínua e a potência era de 100 µW / cm2. Outra enzima, glicose-6-fosfato desidrogenase (G-6-PDH), aumentou 20-28% em compensação. [7]

Numa experiência de quatro meses com 1200 ratos albinos, Dumanskiy et al. (1982) encontraram um aumento da sensibilidade da pele à estimulação eléctrica, diminuição da capacidade de trabalho e reflexos condicionados alterados em 25-60 µW / cm2. Em 40 µW / cm2 houve activação da colinesterase sanguínea, enquanto em 115 µW / cm2 inibiu-se a enzima. O comprimento de onda foi de 3 cm. [8]

Shandala et al. (1979) expuseram coelhos a ondas de 2375 MHz durante 7 horas por dia durante 3 meses. A 10 µW / cm2 foi estimulada a actividade eléctrica do cérebro. A 50 µW / cm2 foi estimulada a actividade cerebral durane 30 dias, que depois foi inibida gradualmente. A 500 uW / cm2, a inibição começou após 2 semanas. Em ratos, 500 µW / cm2 diminuíram a actividade de busca comportamental, suprimiram a resposta alimentar e diminuíram a capacidade de trabalho. A 10 µW / cm2 e 50 µµ / cm2 verificou-se o mesmo efeito supressor no sistema nervoso após 30 dias e aumentou a sensibilidade da pele à irritação eléctrica. [9]

Shutenko et al. (1981) expuseram ratos a ondas de 2375 MHz durante 2 horas por dia durante 10 semanas. A 10 µW / cm2 foram inibidos os reflexos não condicionados e diminuíram a colinesterase no sangue e no tecido cerebral. [10]

Belokrinitskiy (1982a) encontrou um aumento na actividade das enzimas succinato desidrogenase (SDH), malato desidrogenase (MDH), lactato desidrogenase (LDH) e G-6-PDH e uma diminuição nos níveis de glicogénio e RNA nas células do cérebro e de outros órgãos de ratos após exposição crónica a 5 µW / cm2 e após uma única exposição de 3 horas a 50 µW / cm2. Dois meses de exposição a 10 µW / cm2 danificaram as mitocôndrias, o retículo endoplasmático e o núcleo das células. [11]

Essas alterações não voltaram ao normal senão após um mês. A 1000 µW / cm2 foram produzidas muito mais mudanças drásticas nas células. A 10 mW / cm2 (supostamente “não térmicas” e seguras), após apenas uma hora de exposição em gatos incharam as células, alteraram a sua forma, danificaram os vasos sanguíneos, as fibras nervosas desmielinizadas, etc. O comprimento de onda foi de 12,6 cm.

Noutra experiência, Belokrinitskiy (1982b) encontrou neurofibrilas danificadas e desaparecimento da bainha de mielina no hipocampo de ratos, mesmo a 50 µW / cm2. [12]

Frey (1988) inibiu o comportamento agressivo em ratos a 50 µW / cm2 e modificou o comportamento estereotipado a 8 µW / cm2. Certos odores modificaram esse último efeito. A 200 µW / cm2 foi aumentado o efeito narcótico da morfina. [13]

Kunjilwar e Behari (1993) mediram uma diminuição significativa da actividade da acetilcolinesterase no cérebro de ratos após a exposição a várias frequências de ondas de rádio moduladas a 250 µW / cm2 durante 3 horas por dia durante um mês. [14]

Tarricone et al. (1993) expuseram células embrionárias de codorniz a ondas de 10,75 GHz a alguns µW / cm2 e demonstraram alterações nos canais receptores de acetilcolina. [15]

Chizhenkova e Safroshkina (1993) expuseram coelhos a ondas contínuas de 800 MHz por um minuto enquanto monitorizavam a actividade dos neurónios corticais no cérebro. A 100-500 µW / cm2 foi diminuída a frequência de rajadas de pico e aumentado o número de picos numa explosão de descargas neuronais. [16]

Kolomytkin (1994) mostrou que uma exposição de 5 minutos de ratos a ondas de 915 MHz moduladas em 16 Hz aumentou a excitação do cérebro aumentando a ligação do glutamato e diminuindo a ligação do GABA às membranas sinápticas. Isso ocorreu em menos de 50 µW / cm2. [17]

Navakatikian e Tomashevskaya (1994) expuseram ratos a radiação pulsada de 3000 MHz. Meia hora de exposição a 10 µW / cm2 estimulou o comportamento condicionado, enquanto 12 horas inibiram o comportamento. [18]

Fontes:

[1] Gvozdikova, Z.M., Anan’ev, V.M., Zenina, I.N., Zak, V.I. (1964). Sensitivity of the rabbit’s central nervous system to a continuous superhigh-frequency electromagnetic field. Bulletin of Experimental Biology and Medicine 58( 8):943-947.

[2] Frey, A.H. (1967). Brain stem evoked responses associated with low-intensity pulsed UHF energy. Journal of Applied Physiology 23 (6):984-988.

[3] Giarola, A.J., Krueger, W.F. and Woodall, H.W. (1971). The effect of a continuous UHF signal on animal growth. 1971 IEEE Inter-national Electromagnetic Compatibility Symposium Record, Phila., 13-15 de Julho, pp. 150-153.

[4] Dumanskij, J.D. and Shandala, M.G. (1973). The biologic action and hygienic significance of electromagnetic fields of super-high and ultrahigh frequencies in densely populated areas. In Biologic Effects and Health Hazards of Microwave Radiation. Proceedings of an International Symposium, Warsaw, 15-18 Outubro 1973, P. Czerski et al., eds., pp. 289-293.

[5] Gabovich, P.D., Shutenko, O.I., Kozyarin, I.P. and Shvayko, I.I. Gigiyena i Sanitariya (1979). 10:12-14. JPRS 75515, pp. 30-35.

[6] Grin’, A.N. (1978). Effects of microwaves on catecholamine metabolism in the brain. Vrachebnoye Delo 10:129130. JPRS 72606, pp. 14-16.

[7] Dumanskiy, Y.D. and Tomashevskaya, L.A. (1978). Investigation of the activity of some enzymatic systems in response to a super-high frequency electromagnetic field. Gigiyena i Sanitariya 8:23-27. JPRS 72606, pp. 1-7.

[8] Dumanskiy, Y.D., Nikitina, N.G., Tomashevskaya, L.A., Kholyavko, F.R., Zhupakhin, K.S., Yurmanov, V.A. (1982a). Meteorological radar as source of SHF electromagnetic field energy and problems of environmental hygiene. Gigiyena i Sanitariya 2:7-11. JPRS 84221, pp. 58-63.

[9] Shandala, M.G., Dumanskii, U.D., Rudnev, M.I., Ershova, L.K., Los, I.P. (1979). Study of nonionizing microwave radiation effects upon the central nervous system and behavior reactions. Environmental Health Perspectives 30:115-121.

[10] Shutenko, O.I., Kozyarin, I.P. and Shvayko, I.I. (1981). Effects of superhigh frequency electromagnetic fields on animals of different ages. Gigiyena i Sanitariya 10:35-38. JPRS 84221, pp. 85-90.

[11] Belokrinitskiy, V.S. (1982a). Destructive and reparative processes in hippocampus with long-term exposure to nonionizing microwave radiation. Bulletin of Experimental Biology and Medicine 93(3):89-92. JPRS 81865, pp. 15-20.

[12] Belokrinitskiy, V.S. and Grin’, A.N. (1982b). Nature of morpho-functional renal changes in response to SHF fieldhypoxia combination. Vrachebnoye Delo 1:112-115. JPRS 84221, pp. 27-31.

[13] Frey, A.H. (1988). Evolution and results of biological research with low-intensity nonionizing radiation. In Modern Bioelectricity, A.A. Marino, ed., Dekker, N.Y., pp. 785-837.

[14] Kunjilwar, K.K. and Behari, J. (1993). Effect of amplitude-modulated RF radiation on cholinergic system of developing rats. Brain Research 601:321-324.

[15] Tarricone, L., Cito, C., D’Inzeo, G. (1993). Ach receptor channel’s interaction with MW fields. Bioelectrochemistry and Bioenergetics 30:275-285.

[16] Chizhenkova, R.A., Safroshkina, A.A. (1993). Effect of low-intensity microwaves on the behavior of cortical neurons. Bioelectrochemistry and Bioenergetics 30:287-291.

[17] Kolomytkin, O., Yurinska, M., Zharikov, S., Kuznetsov, V. and Zharikova, A. (1994). Response of brain receptor systems to micro-wave energy exposure. In On the Nature of Electromagnetic Field Interactions with Biological Systems, A.H. Frey, ed., pp. 195-206.

[18] Navakatikian, M.A. and Tomashevskaya, L.A. (1994). Phasic behavioral and endocrine effects of microwaves of nonthermal intensity. In Biological Effects of Electric and Magnetic Fields, D.O. Carpenter and S. Ayrapetyan, eds., Academic Press, N.Y., pp. 333-342.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here