Porque é que o Timerosal foi realmente removido da maioria das Vacinas infantis?

0
84
Porque é que o Timerosal foi realmente removido da maioria das Vacinas infantis?
Porque é que o Timerosal foi realmente removido da maioria das Vacinas infantis?

Uma afirmação que se ouve frequentemente é que o Timerosal foi removido apenas por precaução e não havia evidências de problemas de Saúde devido ao seu uso … Terá sido?

Um relatório do Congresso norte-americano divulgado em 2003 refuta a alegação de que o Timerosal tenha sido removido puramente por precaução. O relatório liga o aumento do Autismo ao Timerosal, apontando o dedo às agências governamentais e à Indústria Farmacêutica. [1]

Foram realizadas audiências federais que levaram os fabricantes de medicamentos a reduzir a quantidade de Mercúrio nas Vacinas. Estes são trechos dessas audiências:

Após uma investigação que durou três anos, foi criado um relatório do Congresso (“Mercúrio na Medicina“), divulgado em Maio de 2003 pela equipa do Subcomité dos Direitos Humanos e Bem-Estar e Comité de Reforma do Governo. No seguimento, foi declarado nas audiências da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos o seguinte:

“O Timerosal usado como conservante em Vacinas provavelmente está relacionado com a epidemia de Autismo. Essa epidemia poderia, provavelmente, ter sido evitada, ou somente reduzida se o FDA (Food and Drug Administration) estivesse mais atento e vigilante em relação à ausência de dados de segurança sobre o Timerosal injectado e o aumento acentuado da exposição infantil a essa neurotoxina conhecida. O fracasso das nossas agências de saúde públicas em agir é indicativo da tendência institucional para se autoproteger e o proteccionismo da Indústria Farmacêutica.” [1]

Do relatório:
“Em Julho de 2000, estimou-se que 8.000 crianças foram expostas diariamente ao Mercúrio através das directrizes federais por meio das suas Vacinas obrigatórias”.

“Um dos principais investigadores fez a seguinte declaração ao Comité em Julho de 2000: ‘Não há dúvida de que o Mercúrio não deveria constar nas Vacinas. Existem outros compostos que podem ser usados ​​como conservantes. E tudo o que sabemos sobre susceptibilidade infantil, neurotoxicidade do Mercúrio no feto e ao nível infantil, ressalta que não devemos expor esses fetos e bebés a este tóxico. Não há necessidade disso nas Vacinas‘.”

Conclusões e recomendações do relatório

  • Descobertas – Através desta investigação sobre a segurança das Vacinas pediátricas, são feitas as seguintes constatações:

1. O Mercúrio é perigoso para os seres humanos. A sua utilização em Medicamentos é indesejável, desnecessária e deve ser minimizada ou eliminada completamente.

2. Durante décadas, o etilmercúrio foi amplamente utilizado em produtos médicos, desde Vacinas a pomadas tópicas como conservante e agente antibacteriológico.

3. Os fabricantes de Vacinas e Timerosal (um composto de etilmercúrio usado em Vacinas) nunca realizaram testes adequados sobre a segurança do Timerosal. A FDA nunca exigiu que os fabricantes realizassem testes de segurança adequados aos compostos de Timerosal e etilmercúrio.

4. Estudos e trabalhos que documentam a hiperalergenicidade e a toxicidade do Timerosal (etilmercúrio) existem há décadas.

5. O Autismo nos Estados Unidos cresceu em proporções epidémicas durante a última década. Segundo algumas estimativas, o número de crianças autistas nos Estados Unidos cresce entre 10 e 17% ao ano. A comunidade médica não conseguiu determinar a(s) causa(s) subjacente(s) a este crescimento explosivo (e ainda não, oficialmente, mesmo 16 anos depois deste relatório).

6. Ao mesmo tempo em que a incidência de Autismo crescia, crescia o número de Vacinas infantis que continham Timerosal, aumentando em três vezes a quantidade de etilmercúrio a que os bebés foram expostos.

7. Um número crescente de cientistas e pesquisadores acredita que é plausível que haja uma relação entre o aumento dos distúrbios no autodesenvolvimento, no neurodesenvolvimento, o distúrbio hiperativo com déficit de atenção e o atraso na fala ou na linguagem, e o aumento do uso do Timerosal nas Vacinas, o que merece maior escrutínio. Em 2001, o Instituto de Medicina norte-americano determinou que esse relacionamento é biologicamente plausível, mas que não existem evidências suficientes para apoiar ou rejeitar essa hipótese.

8. A FDA agiu muito lentamente para remover o etilmercúrio de produtos vendidos sem receita, como pomadas e cremes para a pele. Embora um comité consultivo tenha determinado em 1980 que o etilmercúrio não é seguro nesses produtos, não foi finalizada uma regra que exigisse a sua remoção até 1998.

9. A FDA e o CDC (Centers for Disease Control and Prevention) falharam no seu dever de estar vigilantes, pois foram aprovadas e adicionadas novas Vacinas que contêm Timerosal ao cronograma de imunização. Quando as Vacinas contra a Hepatite B e Haemophilus Influenzae tipo b foram adicionadas ao esquema recomendado de imunizações na infância, a quantidade cumulativa de etilmercúrio a que as crianças foram expostas quase triplicou.

10. A quantidade de etilmercúrio à qual as crianças foram expostas através de Vacinas antes do anúncio de 1999 excedeu dois limiares de segurança estabelecidos pelo governo federal para uma substância intimamente relacionada – o metilmercúrio. Embora o governo federal não tenha estabelecido um limite de segurança para o etilmercúrio, os especialistas concordam que as directrizes do metilmercúrio são um bom substituto. As autoridades federais de Saúde (HHS) admitiram que a quantidade de Timerosal nas Vacinas excedeu o limite da EPA (Environmental Protection Agency) de 0,1 microgramas por quilograma de peso corporal. De facto, a quantidade de mercúrio numa dose das vacinas DTaP ou Hepatite B (25 microgramas cada) excedeu esse limite em muitas vezes. As HHS não admitiram que essa quantidade de Timerosal nas Vacinas excedesse o limiar mais relaxado da FDA de 0,4 microgramas por quilograma de peso corporal. Na maioria dos casos, no entanto, claramente aconteceu.

11. As acções das HHS para remover o Timerosal das Vacinas em 1999 não foram suficientemente agressivas. Como resultado, o Timerosal permaneceu em algumas Vacinas por mais dois anos.

12. O fracasso do CDC em declarar uma preferência por Vacinas livres de Timerosal em 2000 e novamente em 2001 foi uma abdicação da sua responsabilidade. Como resultado, muitas crianças receberam Vacinas que continham Timerosal quando havia alternativas livres deste tóxico.

13. A Vacina contra a Gripe parece ser a única vacina remanescente administrada regularmente a crianças nos Estados Unidos que contém Timerosal. Duas formulações recomendadas para crianças com seis meses de idade ou mais continuam a conter pequenas quantidades de Timerosal. O Timerosal deve ser removido dessas Vacinas. Nenhuma quantidade de Mercúrio é apropriada em qualquer vacina infantil.

14. O CDC em geral e o Programa Nacional de Imunização, em particular, estão em conflito nas suas funções de monitorizar a segurança das Vacinas, além de serem responsáveis ​​pela compra de Vacinas para revenda, e além de promoverem taxas de imunização aumentadas.

15. As pesquisas sobre neurotoxicidade e nefrotoxicidade por etilmercúrio são insuficientes.

16. As pesquisas sobre a relação entre o Autismo e o uso de Vacinas que contêm Mercúrio são insuficientes.

17. Até ao momento, os estudos conduzidos ou financiados pelo CDC, que supostamente contestam qualquer correlação entre o Autismo causado pelas Vacinas, têm um design inadequado, são insuficientes e são fatalmente defeituosos. A pressa do CDC em apoiar e promover essas pesquisas reflecte um conflito filosófico ao não analisar de maneira justa as teorias emergentes e os dados clínicos relacionados às reacções adversas das Vacinas.

Na página 8 do relatório, o Dr. H. Vasken Aposhian, professor de Biologia Molecular e Celular e Farmacologia da Universidade do Arizona dissertou sobre a história do Timerosal durante o depoimento ao Congresso: “No início dos anos trinta, na verdade, na década de 1940 e até meados de 1950, os derivados de Mercúrio foram utilizados na medicina (…) A comunidade médica (…) não tinha nada melhor para usar. Eles não tinham nada melhor para usar como conservante do que o Timerosal. E eu arriscaria a opinião de que isso acabou de acontecer porque ninguém se opôs. Mas já não há necessidade. E eu não conheço nenhuma comunidade médica ou científica que concorde com a necessidade de continuar a manter o Timerosal em qualquer vacina”.

Os proponentes das Vacinas costumam salientar que o etilmercúrio (Timerosal) não é tão tóxico quanto o metimercúrio. O que é que o relatório diz sobre isso?

Do relatório:
“Embora exista uma referência frequente à escassez de Ciência na compreensão dos danos que o etilmercúrio pode causar, há mais entendimento na comunidade científica do que aquele que as autoridades do governo compartilharam com o Comité. O diálogo seguinte entre o congressista Dave Weldon e o Dr. David Baskin durante a audiência do comité em 10 de Dezembro de 2002 lança muita luz sobre a verdadeira natureza do confronto etil – metil Mercúrio.

Dr. Weldon: “Tenho algumas questões para o Dr. Baskin sobre o etilmercúrio versus metilmercúrio. Algumas pessoas afirmaram que os dados sobre o metilmercúrio são razoavelmente bons, mas não temos bons dados sobre o etilmercúrio. Tomo como testemunho que na verdade existem muitos dados sobre o etilmercúrio e é tão tóxico quanto o metilmercúrio.”

Dr. Baskin: “Há mais dados, mais e mais dados sobre o etilmercúrio. As células a morrer em cultura celular que demonstrei estarem a morrer por causa do etilmercúrio, por exemplo. Essas são células cerebrais humanas. Sabe, houve um debate sobre (…) etil versus metil. Mas, do ponto de vista químico, a maioria dos compostos químicos que são etil penetram nas células mais facilmente do que os metil. As células possuem uma membrana e a membrana é feita de lipídios e gorduras. E o etil como composto químico penetra a gordura e penetra-a muito melhor do que o metil. E então, sabe, quando comecei a trabalhar com alguns dos doutorados em meu laboratório e a discutir os dados, todos disseram: “Sem dúvida que precisamos ajustar o etil porque será pior; os níveis serão muito mais altos nas células. Assim (…) Eu acho que na melhor das hipóteses são semelhantes, mas é muito provável que o etil seja mais nocivo. Alguns dos resultados que estamos a obter nas culturas celulares apoiam precisamente isso.”

O Dr. Baskin explicou que, de acordo com pesquisas científicas em humanos e animais, o tecido cerebral absorve cinco vezes mais Mercúrio do que outros tecidos do corpo.

A indústria de Vacinação sugere um limite de segurança que supera em 10 vezes a ingestão máxima de mercúrio da EPA, FDA e OMS (Organização Mundial de Saúde). Trata-se de algo enganoso, pois a exposição oral é muito pouco absorvida, enquanto a exposição injectada é 100% absorvida

Do relatório:
“O Comité ouviu repetidamente a afirmação de funcionários do governo de que não seria problemático exceder a directriz de segurança. Um funcionário da Merck, ao leccionar uma sessão de Grand Rounds para a equipa em Novembro de 1999, postulou que o nível mínimo de risco precisaria ser multiplicado por dez para atingir um nível no qual seria expectável que se verificassem danos pela exposição. Roberta McKee, da Merck, escreveu: “Várias agências ambientais e de saúde pública estabeleceram um nível mínimo de risco (LMR) para substâncias tóxicas. Um LMR para ingestão é conceptualmente equivalente à dose de referência da EPA dos EUA, à ingestão diária aceitável da FDA dos EUA e à ingestão diária tolerável da OMS. É garantido que qualquer exposição à substância abaixo do LMR é segura, enquanto se supõe que a exposição a dez vezes o LMR coloque um risco de sobredosagem. Presume-se que a exposição no LMR ou próximo a ele seja segura, mas tal deve desencadear uma revisão deliberada e cuidadosa.”

“Com base na explicação da Dra. McKee, muitos bebés foram expostos a níveis de Mercúrio que os “colocaram em risco de overdose”, e foram expostos a quantidades bem superiores a dez vezes a dose de referência cientificamente validada pela EPA. Por exemplo, numa audiência recente do Comité, o Presidente Dan Burton discutiu a experiência da sua própria família que sofreu danos causados pela Vacinação: “O meu neto recebeu Vacinas para nove doenças diferentes num só dia. Pode ter sido exposto a 62,5 microgramas de Mercúrio num só dia através das suas Vacinas. De acordo com o seu peso, o nível máximo seguro de Mercúrio a que ele deveria ter sido exposto num só dia era de 1,5 microgramas, o que representa 41 vezes a quantidade em que se estabeleceu que podem ser causados danos.”

“De acordo com a análise da Dra. McKee, com base nas directrizes de ingestão de metilmercúrio, o neto do presidente teria excedido as “dez vezes o LMR” e, portanto, foi colocado “em risco de overdose.” Somente com 62,5 microgramas de exposição, os níveis da EPA e FDA teriam sido excedidos em 10 vezes. Como a FDA optou por não equacionar o tema das Vacinas que continham Timerosal até 1999, além de todas as que já tinham sido lesadas, 8.000 crianças por dia continuaram a ser colocadas “em risco de overdose” pelo menos por mais dois anos.”

Fontes:

[1] Mercury in Medicine Report. Congressional Record Volume 149, Número 76 (Quarta-Feira, 21 de Maio de 2003).

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here