São falsas as alegações de que o Etilmercúrio não é tão perigoso quanto o Metilmercúrio

0
159
São falsas as alegações de que o Etilmercúrio não é tão perigoso quanto o Metilmercúrio
São falsas as alegações de que o Etilmercúrio não é tão perigoso quanto o Metilmercúrio

O etilmercúrio encontrado nas Vacinas é tão tóxico quanto o metilmercúrio encontrado em peixes e noutras criaturas contaminadas pelo Mercúrio no seu Ambiente. O estudo de 2002, muitas vezes citado como refutação a essa alegação foi publicado na revista médica britânica Lancet. Foi intitulado «Mercury concentrations and metabolism in infants receiving vaccines containing thiomersal: a descriptive study». Este estudo teve inúmeras falhas de projecto e foi refutado (veja mais abaixo). [1]

Um novo estudo do CDC (Centers for Disease Control and Prevention), intitulado «Alkyl Mercury-Induced Toxicity: Multiple Mechanisms of Action» e publicado na Reviews of Environmental Contamination and Toxicology avisa acerca dos perigos do etilmercúrio nas Vacinas. [2]

A seguir, apresentamos o trecho de um excelente artigo escrito por Robert F. Kennedy Jr. e Lyn Redwood, no site da EcoWatch, datado de 1 de Fevereiro de 2017, entretanto retirado, no entanto encontrado noutra fonte. O artigo é intitulado «New CDC Research Debunks Agency’s Assertion That Mercury in Vaccines Is Safe»: [3]

O CDC respondeu há muito tempo a essa pergunta incómoda com a controversa alegação de que o etilmercúrio nas Vacinas não é tóxico para os seres humanos. Agora, dois cientistas do CDC publicaram uma pesquisa que desmascara decisivamente essa afirmação. Como se vê, não há “bom Mercúrio” e “mau Mercúrio“. Ambas as formas são igualmente venenosas para o cérebro.

A meta-revisão de 45 páginas examina as várias formas pelas quais o Mercúrio prejudica o corpo humano. Os seus autores, John F. Risher, PhD, e Pamela Tucker, MD, são investigadores da Divisão de Toxicologia e Ciências de Saúde Humana do CDC, Agência de Registo de Substâncias e Doenças Tóxicas.

“Este artigo científico é uma das mais importantes pesquisas a sair do CDC numa década inteira”, afirmou Paul Thomas, MD, pediatra treinado em Dartmouth e que pratica medicina há 30 anos. “Confirma o que muitos já suspeitavam: que as autoridades de Saúde pública cometeram um erro terrível ao recomendar que expuséssemos bebés e mulheres grávidas a esta neurotoxina. Lamento admitir que ministrei estas injecções a crianças. O CDC levou todos a acreditarmos que era perfeitamente seguro”.

Entre as conclusões do novo estudo do CDC:

  • O metilmercúrio, a neurotoxina altamente regulada encontrada em peixes e o etilmercúrio (encontrado em produtos médicos, incluindo Vacinas contra a Influenza e o Tétano, gotas para os ouvidos e sprays nasais) são igualmente tóxicos para os seres humanos. O metilmercúrio e o etilmercúrio compartilham propriedades químicas comuns e interrompem significativamente o desenvolvimento e a função do sistema nervoso central.
  • O Timerosal é extremamente tóxico em exposições muito baixas e é mais nocivo do que o metilmercúrio segundo alguns estudos. Por exemplo, o etilmercúrio é ainda mais destrutivo para as mitocôndrias nas células do que o metilmercúrio.
  • O etilmercúrio no Timerosal não é expelido pelo corpo rapidamente, como o CDC chegou a afirmar, sendo sim metabolizado em formas altamente neurotóxicas.

“Este estudo é uma bomba atómica sobre o CDC“, afirmou Boyd Haley, presidente emérito do Departamento de Química da Universidade de Kentucky. “Deveria estar a receber manchetes internacionais de primeira página”.

Este estudo detalha meticulosamente a semelhança entre as vias de toxicidade que são compartilhadas pelas duas formas de Mercúrio: foram listadas as várias vias de prejuízos causados. Na fonte que fornecemos pode consultar os detalhes.

O estudo citado anteriormente concluiu que o etilmercúrio é “eliminado” do corpo mais rapidamente do que o metilmercúrio, não sendo portanto, tão perigoso. O que realmente acontece é que uma grande percentagem de etilmercúrio é absorvida pelos órgãos e ossos e armazenada, causando todos os tipos de problemas metabólicos. Tinha-se assumido que o Mercúrio era excretado porque os níveis sanguíneos baixavam. [4]

O quão credível é este último estudo onde se assumiu que o Mercúrio reduzia? O autor do estudo afirmou que não tinha conflitos de interesses. Um comentário de Mark R. Geier e David A. Geier publicado em 2004 no The Lancet, a revista médica britânica que publicou o artigo, afirmou o seguinte:

“No artigo de 2002 sobre concentrações e metabolismo do Mercúrio em bebés que receberam Vacinas que continham Timerosal, Michael Pichichero e colaboradores como declaração de conflito de interesses: “Nenhum declarado.”

Apesar dessa declaração, Pichichero publicou na revista American Family Physician em 2000 a seguinte declaração: “O autor recebeu bolsas de pesquisa e / ou honorários das seguintes empresas Farmacêuticas: Abbott Laboratories, Inc.; Companhia Bristol-Myers Squibb; Eli Lilly & Company; Merck & Co.; Pasteur Merieux Connaught; Pfizer Labs; Laboratórios Roche; Roussel-Uclaf; Schering Corporation; Smith Kline Beecham Pharmaceuticals; Upjohn; e Wyeth-Lederle.”

Com base nessa divulgação feita por Pichichero em relação a 12 conflitos de interesses diferentes, algo que foi divulgado anteriormente noutro estudo, havia claramente conflito de interesses que não foi revelado aos leitores do The Lancet.

Mark R. Geier foi testemunha especialista e consultor em casos envolvendo reacções adversas a Vacinas antes do Programa Nacional de Compensação de Lesões por Vacinas (NVICP) e em litígios civis.

De acordo com o site VaccineImpact.com, o “Dr. Geier não é anti-vacinas. Ele é M.D. e Ph.D. em genética. Passou 10 anos a trabalhar no Instituto Nacional de Saúde e foi professor na Universidade John Hopkins como geneticista. Também é autor de mais de 150 publicações revistas por pares.

Trabalhou na segurança e eficácia das Vacinas por mais de 30 anos. Foi um dos quatro cientistas que trabalharam para substituir a vacina DTP, uma vacina que fazia com que todas as crianças ficassem doentes com febres elevadas no momento da Vacinação, com a vacina DTaP, que é uma vacina mais purificada e causa febre em apenas 3% dos vacinados.” [5]

“A extensa experiência de pesquisa de Geier envolveu estudos de biologia molecular celular, estudos epidemiológicos observacionais de grande população e ensaios clínicos aleatórios em humanos controlados por placebo. O Sr. David A. Geier publicou mais de 100 estudos científicos / médicos revistos ​​por pares em revistas académicas e capítulos de livros médicos. A pesquisa de Geier foi publicada repetidamente em periódicos académicos de prestígio como Experimental Biology and Medicine, Expert Opinion on Drug Safety, Expert Opinion on Pharmacotherapy e Expert Review of Molecular Diagnostics.” [6]

Fontes:

[1] Pichichero, M., Cernichiari, E., Lopreiato, J., Treanor, J. (2002).Mercury Concentrations and Metabolism in Infants Receiving Vaccines Containing Thiomersal: A Descriptive Study. Lancet, 360(9347): 1737-41. doi: 10.1016/S0140-6736(02)11682-5.

[2] Risher, J., Tucker, P. (2017). Alkyl Mercury-Induced Toxicity: Multiple Mechanisms of Action. Rev Environ Contam Toxicol, 240:105-149. doi: 10.1007/398_2016_1.

[3] Robert F. Kennedy, Jr. e Lyn Redwood. New CDC Research Debunks Agency’s Assertion That Mercury in Vaccines Is Safe.

[4] Pichichero, M., Cernichiari, E., Lopreiato, J., Treanor, J. (2002). Mercury Concentrations and Metabolism in Infants Receiving Vaccines Containing Thiomersal: A Descriptive Study. Lancet, 360(9347): 1737-41. doi: 10.1016/S0140-6736(02)11682-5.

[5] Get Your Flu Shot? DOJ Report From Vaccine Court Reveals Flu Shot is Most Dangerous Vaccine in U.S.

[6] David A. Geier, BA.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here