As máscaras não são eficazes nem saudáveis – uma revisão da literatura

0
1865
As máscaras não são eficazes nem saudáveis
As máscaras não são eficazes nem saudáveis

Apresento aqui uma revisão da literatura relativamente à eventual eficácia das máscaras no que diz respeito a um eventual contágio.

Este artigo é dedicado a todos aqueles que seguem cegamente as directrizes da DGS, que inicialmente considerava as máscaras inúteis e depois recomendou a sua obrigatoriedade.

1 – Estudos acerca da eficácia das máscaras

Até ao momento, a maioria dos estudos encontrou pouca ou nenhuma evidência da eficácia das máscaras faciais de tecido na população em geral como equipamento de protecção individual nem para a protecção de terceiros.

a) Uma meta-análise de Maio de 2020 acerca da Influenza pandémica publicado pelo Centers for Disease and Control and Prevention (CDC) dos EUA descobriu que as máscaras não tinham efeito como equipamento de protecção individual nem para a protecção de terceiros. [1]

b) Uma revisão de Julho de 2020 do Oxford Centre for Evidence-Based Medicine constatou que não há evidências da eficácia das máscaras de pano contra a infecção ou transmissão de vírus. [2]

c) Um estudo abrangente acerca da COVID-19 produzido pela University of East Anglia chegou à conclusão de que o uso de máscara não implicava qualquer benefício e poderia até mesmo aumentar o risco de infecção. [3]

d) Uma revisão de Abril de 2020 de dois professores norte-americanos em relação a doenças respiratórias e infecciosas da Universidade de Illinois concluiu que as máscaras faciais não têm efeito na vida quotidiana, nem como auto-protecção nem para proteger terceiros. [4]

e) Um artigo no New England Journal of Medicine de Maio de 2020 chegou à conclusão que as máscaras de tecido oferecem pouca ou nenhuma protecção na vida quotidiana. [5]

f) Um estudo de Julho de 2020 realizado por investigadores japoneses descobriu que as máscaras de tecido “oferecem protecção zero contra o Coronavírus” devido às grandes dimensões dos seus poros e geralmente, ajuste inadequado. [6]

g) Um estudo de 2015 publicado no British Medical Journal Open (BMJ Open) descobriu que as máscaras de tecido foram penetradas por 97% das partículas e podem aumentar o risco de infecção por retenção da humidade ou uso repetido. [7]

h) Um artigo de revisão crítica sobre a eficácia das máscaras, chegou à seguinte conclusão: “Nenhum dos estudos estabeleceu uma relação conclusiva entre o uso de máscara/respirador e a protecção contra a infecção por Gripe (Influenza)”. [26]

i) A eficácia da máscara cirúrgica é definitivamente colocada em causa num RCT de boa qualidade, que compara a eficácia da máscara cirúrgica com os filtros respiratórios. Na sua conclusão é referido que “nenhum dos estudos estabeleceu uma relação conclusiva entre a utilização da máscara / respirador e uma possível protecção contra a infecção pela Influenza“. [27]

Nota:

  • O Ortomixovirus, que é o agente da Gripe A (Influenza nos EUA) tem dimensão de 180 nm, portanto abaixo da capacidade filtrante das máscaras. O diâmetro do Coronavirus é de apenas 80 a 120 nm, o que o torna ainda mais difícil de filtrar que o Ortomixovirus. [30][31]
  • Para além disso o Ortomixovirus tem tendência para formar aglomerados filamentosos, o que motiva a formação de partículas maiores, enquanto esse fenómeno não se verifica tanto nos Coronavirus. [30][31]

j) Uma revisão da literatura da Cochrane chegou às seguintes conclusões: 1) a maioria do estudos tinham uma má metodologia, maus relatórios e eventos demasiado incompatíveis. 2) Evidências insuficientes de que possam conduzir a uma recomendação do uso de barreiras faciais (…) 3) Evidências insuficientes de diferenças entre as máscaras cirúrgicas e os respiradores N95. Ainda noutro âmbito, esta revisão da literatura encontra evidências limitadas que pudesse suportar a eficácia da quarentena. [28]

k) Noutro estudo também se concluiu que não existem evidências suficientes para suportar o uso generalizado de máscaras como acção protectora contra a COVID-19. [29]

2 – Aspectos adicionais:

a) O Japão, apesar do uso generalizado de máscaras faciais, sofreu a mais recente epidemia de Gripe com mais de 5 milhões de pessoas doentes, há apenas pouco mais que um ano (em Janeiro e Fevereiro de 2019). No entanto, ao contrário do SARS-2, o vírus da Gripe é transmitido por crianças, também. [8]

b) Vários países e estados que introduziram as máscaras faciais obrigatórias no transporte público e nas lojas no início do verão, como a Califórnia [9] e a Argentina [10], viram um forte aumento nas infecções a partir de Julho, indicando uma baixa eficácia da política de máscaras.

c) A Organização Mundial de Saúde (OMS) admitiu à BBC que sua actualização da política de máscaras [11] de Junho de 2020 não se deveu a novas evidências, mas a um “lobby político” [12]: “Fomos informados por várias fontes que o comité da OMS que revisava as evidências não apoiava as máscaras, mas recomendou-as devido ao lobby político. A OMS não negou estes factos.” (Deborah Cohen, correspondente médico da BBC).

3 – Estudos que alegam que as máscaras são eficazes

Alguns estudos recentes argumentaram que as máscaras faciais de pano são realmente eficazes contra o novo Coronavírus e podem pelo menos, impedir a infecção de outras pessoas. No entanto, a maioria desses estudos sofre de metodologias inadequadas e, às vezes, revela precisamente o oposto do que afirmam.

Normalmente, esses estudos ignoram o efeito de outras medidas, o desenvolvimento natural dos números das infecções, alterações na actividade dos teste ou comparam países com condições muito diferentes.

Uma Visão Geral:

a) Um estudo alemão afirmou que a introdução de máscaras obrigatórias nas cidades alemãs levou a uma redução nas infecções. Mas os dados não suportam isso: em algumas cidades não houve mudanças, noutras uma diminuição e noutras mesmo um aumento de casos (veja os gráficos no estudo). A cidade de Jena foi uma “excepção” apenas porque introduziu simultaneamente as regras de quarentena mais rígidas na Alemanha, mas o estudo não mencionou isso. [13]

b) Um estudo na revista PNAS [14] afirmou que as máscaras levaram a uma diminuição nas infecções em três pontos críticos (incluindo a cidade de Nova York). Tal não levou em consideração a diminuição natural de infecções e outras medidas. O estudo foi tão falho que mais de 40 cientistas recomendaram a sua retirada. [15]

c) Um estudo dos EUA afirmou que as máscaras obrigatórias levaram a uma redução nas infecções em 15 estados. O estudo não levou em consideração que a incidência de infecção já estava em declínio na maioria dos estados da época. Não foi feita uma comparação com outros estados. [16]

d) Um estudo canadiano afirmou que países com máscaras obrigatórias tiveram menos mortes do que países sem máscaras obrigatórias. Mas o estudo comparou países da África, América Latina, Ásia e Leste Europeu com taxas de infecção e estruturas populacionais muito diferentes. [17]

e) Uma meta-análise muito citada, publicada na revista Lancet, afirmou que as máscaras “poderiam” levar a uma redução no risco de infecção, mas os estudos consideraram principalmente hospitais (Sars-1), máscaras médicas (não de tecido) e a robustez estatística da evidência foi relatada como “muito baixa”. [18]

4 – Riscos associados com as máscaras faciais

Usar máscaras por um período prolongado não é inofensivo, como mostram a seguintes evidências:

a) A OMS alerta para vários “efeitos colaterais”, como dificuldades para respirar e erupções cutâneas. [19]

b) Testes conduzidos pelo Hospital Universitário de Leipzig, na Alemanha, mostraram que as máscaras faciais reduzem significativamente a resiliência e o desempenho de pessoas saudáveis. [20]

c) Um estudo psicológico alemão com cerca de 1000 participantes encontrou “graves consequências psicossociais” devido à introdução de máscaras faciais obrigatórias na Alemanha. [21]

d) O Instituto Ambiental de Hamburgo alertou contra a inalação de compostos de cloro nas máscaras de poliéster, bem como problemas relacionados com o descarte. [22]

e) O sistema europeu de alerta rápido (RAPEX) já retirou 70 modelos de máscaras porque não atendiam aos padrões de qualidade da UE e poderia levar a “sérios riscos”. [23]

f) Na China, dois meninos que foram obrigados a usar máscara durante as aulas de educação física, desmaiaram e morreram. [24]

g) Nos EUA, um motorista de carro que usava uma máscara N95 (FFP2) desmaiou e bateu num poste. [25]

5 – Um vídeo demonstrativo

Neste vídeo, o Dr. Ted Noel demonstra como os aerossois se propagam não só através da máscara, como por todos os lados, acabando por “inundar” o meio circundante, sendo prova contundente de que as máscaras não poderiam nunca proteger contra a propagação do vírus SARS-CoV-2.

6 – Conclusão

Actualmente há pouca ou nenhuma evidência que apoie a proposição de as máscaras faciais de pano possam ser eficazes na população em geral.

Toda a conjectura nos leva a crer que a adopção destas é, isso sim, uma manobra psicológica e Política, em larga escala.

Fontes:

[1] Jing yi Xiao, Eunice Y. C. Shiu, Huizhi Gao, Jessica Y. Wong, Min W. Fong, Sukhyun Ryu, Benjamin J. Cowling (2020). Nonpharmaceutical Measures for Pandemic Influenza in Nonhealthcare Settings—Personal Protective and Environmental Measures. CDC Volume 26, Number 5.

[2] «Masking lack of evidence with politics.» Centre for Evidence-Based Medicine. 23 de Julho de 2020.

[3] https://www.uea.ac.uk/about/-/new-study-reveals-blueprint-for-getting-out-of-covid-19-lockdown

[4] «COMMENTARY: Masks-for-all for COVID-19 not based on sound data.» Centre for Infectious Disease Research and Policy. 1 de Abril de 2020.

[5] Michael Klompas, M.D., M.P.H., Charles A. Morris, M.D., M.P.H., Julia Sinclair, M.B.A., Madelyn Pearson, D.N.P., R.N., and Erica S. Shenoy, M.D., Ph.D. (2020). Universal Masking in Hospitals in the Covid-19 Era. The New England Journal of Medicine.

[6] «Cloth face masks offer zero shield against virus, a study shows.» The Asahi Shimbun. 7 de Julho de 2020.

[7] C Raina MacIntyre, Holly Seale, Tham Chi Dung, Nguyen Tran Hien, Phan Thi Nga, Abrar Ahmad Chughtai, Bayzidur Rahman, Dominic E Dwyer, Quanyi Wang (2015). A cluster randomised trial of cloth masks compared with medical masks in healthcare workers. BMJ Journals.

[8] «Millions in Japan affected as flu outbreak grips country.» UPI. 1 de Fevereiro de 2019.

[9] California COVID-19 Statistics

[10] Argentina. Worldometer.

[11] «WHO Changes Stance, Says Public Should Wear Masks.» Web MD. 8 de Junho de 2020.

[12] https://twitter.com/ClarkeMicah/status/1282987860090593280

[13] «Face Masks Considerably Reduce Cases in Germany: A Synthetic Control Method Approach.» I Z A Institute of Labor Economics. Página 28. Junho de 2020.

[14] Renyi Zhang, Yixin Li, Annie L. Zhang, Yuan Wang & Mario J. Molina (2020). Identifying airborne transmission as the dominant route for the spread of COVID-19. PNAS 30 de Junho de 2020, 2020 117 (26) 14857-14863; Publicado primeiro em 11 de Junho de 2020https://doi.org/10.1073/pnas.2009637117

[15] «Prominent Researchers Say a Widely Cited Study on Wearing Masks Is Badly Flawed.» Reason. 22 de Junho de 2020.

[16] Wei Lyu & George L. Wehby (2020). Community Use Of Face Masks And COVID-19: Evidence From A Natural Experiment Of State Mandates In The US. Health Affairs Vol. 39, No. 8: COVID-19, Home, Health and More.

[17] Association of country-wide coronavirus mortality with demographics, testing, lockdowns, and public wearing of masks (Update June 15, 2020).

[18] Derek K Chu, MD; Prof Elie A Akl, MD; Stephanie Duda, MSc; Karla Solo, MSc; Sally Yaacoub, MPH; Prof Holger J Schünemann, MD et al. (2020). Physical distancing, face masks, and eye protection to prevent person-to-person transmission of SARS-CoV-2 and COVID-19: a systematic review and meta-analysis. Lancet. Open Access. Publicado em 1 de Junho de 2020 — DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)31142-9

[19] Advice on the use of masks in the context of COVID-19. OMS. 5 de Junho de 2020.

[20] «Schutzmasken verringern Belastbarkeit.» Science ORF. 20 de Julho de 2020.

[21] «Der Maskenzwang ist verantwortlich für schwere psychische Schäden und die Schwächung des Immunsystems.» Corona Transition. 29 de Julho de 2020.

[22] «Maskentragen noch ungesünder als gedacht.» Corona Transition. 20 de Julho de 2020.

[23] «Recall of mouth protection in Germany: breathing mask no protection against coronavirus.» DE 24 News. 14 de Julho de 2020.

[24] «2 Chinese Boys Wearing Masks During Gym Class Dropped Dead, Reports Say.» International Business Times. 9 de Maio de 2020.

[25] «Driver crashes after passing out from ‘excessive wearing’ of coronavirus face mask.» Independent. 25 de Abril de 2020.

[26] Faisal bin‐Reza, Vicente Lopez Chavarrias, Angus Nicoll & Mary E. Chamberland (2011). The use of masks and respirators to prevent transmission of influenza: a systematic review of the scientific evidence. Influenza Journal.https://doi.org/10.1111/j.1750-2659.2011.00307.x

[27] Chandini Raina MacIntyre, Quanyi Wang, Simon Cauchemez, Holly Seale, Dominic E. Dwyer, Peng Yang, Weixian Shi, Zhanhai Gao, Xinghuo Pang, Yi Zhang, Xiaoli Wang, Wei Duan, Bayzidur Rahman, Neil Ferguson (2011). A cluster randomized clinical trial comparing fit-tested and non-fit-tested N95 respirators to medical masks to prevent respiratory virus infection in health care workers. Influenza Journal. DOI: 10.1111/j.1750-2659.2011.00198.x

[28] Tom Jefferson, Mark Jones, Lubna A Al Ansari, Ghada Bawazeer, Elaine Beller, Justin Clark, John Conly, Chris Del Mar, Elisabeth Dooley, Eliana Ferroni, Paul Glasziou, Tammy Hoffman, Sarah Thorning, Mieke Van Driel (2020).Physical interventions to interrupt or reduce the spread of respiratory viruses. Part 1 – Face masks, eye protection and person distancing: systematic review and meta-analysis. doi: https://doi.org/10.1101/2020.03.30.20047217

[29] Julii Suzanne Brainard, Natalia Jones, Iain Lake, Lee Hooper & Paul Hunter (2020). Facemasks and similar barriers to prevent respiratory illness such as COVID-19: A rapid systematic review. doi: https://doi.org/10.1101/2020.04.01.20049528

[30] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK8611/

[31] Zsuzsanna Varga, Andreas J Flammer, Peter Steiger, Martina Haberecker, Rea Andermatt, Annelies Zinkernagel et al. (2020) Electron microscopy of SARS-CoV-2: a challenging task – Authors’ reply. The Lancet. DOI:https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)31185-5

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here