LRV, o Disco Voador Nuclear dos EUA

0
1871
LRV - Lenticular Reentry Vehicle
LRV - Lenticular Reentry Vehicle

Em 1949, o maior buraco negro no Universo não estava no espaço, mas em todo o Estreito de Bering. A URSS foi descrita por Winston Churchill como ”um enigma embrulhado num mistério dentro de um enigma”. As poucas coisas que a maioria das pessoas sabiam sobre a vida por trás da “cortina de ferro” pareciam ser peças de um quebra-cabeças incompreensível…

Um pequeno número de especialistas em serviços secretos viram como as peças se encaixavam no “paraíso dos trabalhadores” e apresentaram a URSS como um perigo claro e presente para o modo de vida dos EUA.

O que a comunidade dos serviços secretos sabia, e a maioria das pessoas não, é que nas horas finais da Segunda Guerra Mundial, o exército soviético tinha invadido e capturado os mais avançados laboratórios de armas da Alemanha e, em 29 de Agosto de 1949, apenas quatro anos depois de Hiroshima, o espólio tecnológico dessas incursões transformou um país de agricultores que ainda utilizavam arados puxados por cavalos numa superpotência nuclear.

A bola de fogo da bomba atómica comunista lançou uma nova e sinistra luz sobre um evento que antes parecia bastante inconsequente. No Verão de 1945, um rumor incomum começou a circular dentro da divisão dos serviços secretos do comando europeu. Durante os interrogatórios, os engenheiros de aviões alemães, capturados, referiam-se a um “avião-foguete” extraordinariamente rápido em desenvolvimento numa base secreta na Bavária. Ao contrário dos “aviões-foguetes” Messerschmitt Me 163, que tinham começado a atacar os bombardeiros aliados nos últimos meses da guerra, esta aeronave tinha uma asa curva, de aparência estranha, que se fundiam a fuselagem. A vantagem dessa configuração aerodinâmica já era conhecida por projectistas americanos há mais de uma década. Ela criava mais sustentação do que uma asa padrão, especialmente em baixas velocidades, e permitia mais capacidade interna para transportar bombas e combustível. Nos primeiros dias da guerra, a marinha dos EUA tinha experimentado o projecto de uma asa circular por essas mesmas razões. Prevendo que a primeira geração de bombas atómicas comunistas seria tão pesada como a que foi lançada contra o Japão, parecia razoável para os planeadores da defesa dos EUA de que a força aérea soviética, que então não dispunha de um bombardeiro para transportar tal artefato, iria tentar adaptar a Tecnologia do disco voador alemão.

Me163
Me163

A força aérea dos EUA trabalhou na duplicação da Tecnologia Nazi (verdadeira engenharia reversa), culminando em dois projectos de disco voador. O Projeto Silver Bug procurou construir um veículo de descolagem e aterragem vertical. Já o Projeto Pye Wacket pretendia criar pequenos discos para uso como interceptadores dotados de mísseis ar-ar.

Documentos desclassificados apontam para um terceiro projecto secreto, conhecido como “Flying Saucer”, projectado para ataques nucleares contra a União Soviética a partir de 500 quilómetros de altitude, no espaço.

Disco Voador
Disco Voador

A designação oficial do disco voador nuclear dos Estados Unidos foi LVR (Lenticular Reentry VehicleVeículo de Reentrada Lenticular, devido à sua forma). Ele foi projectado por engenheiros da North American Aviation sob um contrato com a USAF. O projecto foi gerido pela base aérea de Wright-Patterson, onde os engenheiros alemães que trabalharam no “avião-foguete” e na tecnologia do disco voador alemão tinham fixado residência.

Disco Voador
Disco Voador

O LRV não era do conhecimento público porque foi escondido como um dos chamados itens do “orçamento negro” do Pentágono. Em 12 de Dezembro de 1962, os agentes de segurança em Wright-Patterson classificaram o LRV como segredo, porque ele era um sistema de arma ofensiva. O projecto permaneceu secreto até Maio de 1999, quando uma revisão pelo congresso de documentos antigos mudou o status do projecto, rebaixando-o à informação pública.

Por dentro do LRV

Segundo o relatório o projecto consistia num veículo operacional capaz de permanecer  seis semanas numa altitude orbital de 300 milhas náuticas (555,6 km), com uma tripulação de quatro homens. O compartimento de armas iria consistir em “quatro armas”, que poderiam ser lançadas ou estacionadas em órbita.

Uma parte considerável do estudo de design concentra-se sobre os detalhes da construção de uma fuselagem de 40 pés (13,20 m) e capaz de 8G de aceleração durante o lançamento. No entanto, nenhuma menção é feita ao tipo de reforço que o disco iria precisar no espaço.

LRV
LRV

Provavelmente, o LRV teria voado em cima de um foguete de vários estágios, como no programa lunar Apollo. O estudo de engenharia, no entanto, sugere uma possibilidade mais intrigante. Nalgum momento, o LRV poderia ter sido alimentado por um dos foguetes nucleares então em desenvolvimento pela força aérea e pela Comissão de Energia Atómica. Vários destes foguetes foram, de facto, construídos e testados com sucesso no Nevada.

Embora o governo afirme que todos os seus registos de programas de foguetes nucleares foram desclassificados, uma das fontes pesquisa do Departamento de Energia (DOE) apontam o contrário.

LRV
LRV

A tripulação de quatro homens iria habitaria uma cápsula em forma de cunha construída dentro do LRV. A cápsula seria dividida à parte, na frente do disco. Os foguetes nucleares seriam armazenados no segmento traseiro.

Um LRV equipado com MIRV (Multiple Independent Reentry VehiclesMúltiplos Veículos de Reentrada) teria sido capaz de eliminar a máquina de guerra soviética, chinesa e da Coreia do Norte apenas com o pressionar de um botão.

Em operações normais, a cápsula funcionaria como centro de controle de voo do LRV. Em caso de emergência, a tripulação podia disparar independente 22.680kg de empuxo do motor de foguete de combustível sólido da cápsula e voltar para a Terra. A descida final da cápsula seria retardada por um pára-quedas, bem como o “salva-vidas” X-38 previsto para a Estação Espacial Internacional e que foi cancelado.

Uma missão perfeita iria ser concluída com o LRV a voltar à Terra. A sua forma de disco iria dissipar o calor da reentrada e, em seguida, agir como uma asa. A sua estrutura de cauda achatada daria estabilidade e controlo direccional. Um minuto ou mais antes da aterragem, o LRV estenderia pequenos apoios e o veículo iria deslizar num espaço seco de lago.

Em 1997, como parte do seu esforço para desmascarar o mito Roswell, a força aérea revelou detalhes de vários projectos de investigação usando balões ‘pesados’. Cargas de até 6803,90 kg foram levantadas para até 170 mil pés. Embora não especificamente reconhecendo o LRV pelo nome, um porta-voz da força aérea admitiu que durante a Guerra Fria, rotineiramente foram utilizados balões de alta altitude para levantar fuselagens incomuns para testes aerodinámicos. Testes de fuselagem de aviões secretos eram a causa mais provável de observações de OVNIs ainda inexplicáveis. Num voo de testes certamente corresponde ao LRV, com a sua forma clássica  de um disco prateado pairando imóvel no céu…

Em 1975 estranhos detritos que se assemelhavam a “favos de mel” foram encontrados numa fazenda ao sul de Brisbane. A área fica na vizinhança do que era então uma área secreta de testes de australianos, britânicos e americanos, aonde estes realizaram algumas das suas experiências atómicas mais secretas. Como o LRV iria usar um pequeno reactor nuclear para fornecer energia eléctrica para os seus sistemas de voo, é concebível que os testes tenham sido realizados naquele local isolado.

Lendas locais afirmam que o “favo de mel” eram os restos de um disco voador que explodiu em 1966. As peças restantes foram supostamente recolhidas pelos militares e voltaram aos Estados Unidos.

Os detritos foram analisados e continham minerais comumente encontrados em painéis de fibra de vidro. Os materiais recuperados tinham uma semelhança impressionante com desenhos de engenharia do LRV. Dois pontos foram levantados na análise química. A primeira tem a ver com a presença de pequenas quantidades de titânio. O titânio é um metal forte, leve e usado extensivamente em naves espaciais.

A segunda curiosidade tem a ver com resíduos químicos. Aqueles encontrados no “favo de mel” foram semelhantes aos encontrados tipicamente na vizinhança de explosões químicas de alta temperatura. Uma possível explicação para tal explosão pode ser encontrado nos desenhos de engenharia do LRV. Como o “avião-foguete” Me-163, o principal motor do LRV foi projectado para queimar combustível hiperglorico, fluidos altamente reactivos que podem explodir em contacto, libertando enormes quantidades de energia. O LRV teria levado 4.250kg de tetróxido de azoto e hidrazina.

LRV
LRV

Na Alemanha, vários Me-163 explodiram. De acordo com o estudo de design, os tanques a bordo do LRV nunca poderiam ser completamente esvaziados, causando acidentes como o do Me-163, inevitaelmente.

Os documentos libertados até agora contam apenas parte da história. Mas com o tempo, o sigilo sobre os relatórios de progresso, desenhos de construção e, talvez, até mesmo registos operacionais irão surgir e contar o resto da história. Talvez eles revelem que o LRV permaneceu apenas como o sonho de um general, um avião de papel de milhões de dólares, que nunca levantou voo ou podem contar a história da aventura mais surpreendente na história do voo…

Fonte: Cavok

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here