Crise foi planeada pelo Clube Bilderberg

0
426
A investigadora Cristina Martín Jiménez

Cristina Martín Jiménez, a jornalista espanhola e autora do livro «O Clube Secreto dos Poderosos Os Planos Ocultos de Bilderberg», explica, em entrevista à TSF, o trabalho desenvolvido há cerca de dez anos sobre o clube “secreto” que pretende “criar um governo mundial único, em mãos privadas” e que “em Portugal, Espanha e Grécia governou através da Troika“.

Cristina Martín Jiménez, jornalista espanhola e investigadora sobre o Clube Bilderberg, defende que o grupo, criado em 1954, em plena Guerra Fria, como uma “aliança acima dos estados, das democracias e dos governos para travar o expansionismo soviético”, é hoje constituído por “elites” que “conspiram, afastam e colocam presidentes” com o objectivo de “subtrair as soberanias nacionais” e de “dirigir o planeta como se fosse um tabuleiro de xadrez”.

Para a autora, o “secretismo” em torno das reuniões anuais de Bilderberg, nas quais já marcaram presença Barack Obama, Bill Clinton, Tony Blair, mas também José Sócrates, Durão Barroso ou Cavaco Silva, é “muito diferente de outro tipo de organizações que possam reunir-se em segredo”.

Capa do livro: «O Clube Secreto dos Poderosos - Os Planos Ocultos de Bilderberg»
Capa do livro: «O Clube Secreto dos Poderosos – Os Planos Ocultos de Bilderberg»

Cristina Martín Jiménez, que sublinha ter tido “vários problemas durante a investigação ao Clube Bilderberg“, sustenta que o grupo, que reúne “políticos, a aristocracia e a realeza europeias, proprietários de grandes bancos internacionais, catedráticos” ou organizações como “a NATO, o FMI, o Banco Mundial e a ONU” dirige os destinos da Política internacional como se fosse um tabuleiro de xadrez.

Dando o exemplo europeu, a autora e jornalista espanhola, que passou por Meios de Comunicação como a Telecinco, a revista GC, a Cuatro Televisión ou o Canal Sur TV afirma que o Tratado de Lisboa, “que foi promulgado antes da crise”, foi desenhado para que “tanto a soberania como o dinheiro dos contribuintes acabassem em instituições supranacionais ou em organismos ou pessoas ou multinacionais”.

Cristina Martín Jiménez lança críticas ao “clube secreto”, no qual participam “presidentes e funcionários da União Europeia“, que se reúnem em segredo e que “não dão conta disso aos cidadãos”.

O livro «O Clube Secreto dos Poderosos Os Planos Ocultos de Bilderberg» já está disponível em Portugal, com o selo da editora MatériaPrima.

Fonte: Tsf

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here