As verdadeiras origens ancestrais da Páscoa

0
576
Jesus e Maria Madalena
Jesus e Maria Madalena

A Páscoa é uma tradição, a nível mundial, que envolve muitos costumes, que as pessoas acreditam ser cristã.

Qual é a origem da Quaresma e os serviços nascer do sol (sunrises services)? Como foi que coelhos, ovos e bolos transversais quentes tornaram-se associados com a ressurreição de Cristo? Está a Páscoa mencionada na Bíblia? Será que os apóstolos e a igreja primitiva mantiveram-na? As respostas irão chocá-lo!

A maioria das pessoas acompanham a tradição como lhes foi ensinado, assumindo que o que eles acreditam e fazem está certo. Eles levam as suas crenças como algo que está certo. A maioria não utiliza o tempo para comprovar porque é que fazem as coisas que fazem.

Porque é que você acredita no que acredita? Onde é que “arranjou” as suas crenças? É a fonte das suas crenças religiosas a Bíblia, ou alguma outra autoridade? Se diz que é a Bíblia, tem certeza?

E relativamente à Páscoa? Dado que centenas de milhões mantém-na, supostamente em honra da ressurreição de Jesus Cristo, então certamente que a Bíblia deve ter muito a dizer sobre isso. Com certeza existem inúmeros versos que mencionam coelhos, ovos e caças de ovo, cestas de doces, bolos transversais quentes, Quaresma, sexta-feira santa e os serviços nascer do sol (sunrises services), para não mencionar a própria Páscoa.

A Páscoa exige um exame minucioso, sobre ela própria, e este artigo examina-a cuidadosamente.

Biblia
Biblia

Autoridade da Bíblia sobre a Páscoa

A Bíblia é a fonte de todas as coisas cristãs, fará ela menção da Páscoa? Sim.

Actos 12:1. O rei Herodes começou a perseguir a igreja, que culminou com a morte brutal pela espada do apóstolo João. Tal agradou tanto aos judeus que o apóstolo Pedro também, foi preso por Herodes. O plano era para mais tarde entregarem-no aos judeus. O versículo 3 diz: “E eram os dias do pão sem fermento.” O Novo Testamento da igreja foi observando estes dias de festa descritos em Levítico 23. Leia agora o versículo 4 dos Actos 12:4 “E quando ele (Herodes) o havia apreendido, colocou-o na prisão, e entregando-o a quatro quaternos (dezasseis) soldados para mantê-lo, com a intenção de depois da Páscoa apresentá-lo ao povo”.

É esta a autoridade da Bíblia sobre a Páscoa?

Esta passagem não está a falar da Páscoa. Como sabemos? A palavra traduzida Páscoa é a palavra grega Pascha (que deriva da palavra hebraica Pessach; não há nenhuma palavra grega original para a “Passover” (Páscoa judaica)), e tem apenas um significado. Significa sempre Páscoa judaica, nunca pode significar Páscoa! Por esta razão, encontramos uma palavra hebraica utilizada no Novo Testamento grego. Mais uma vez, esta palavra hebraica só pode referir-se à Páscoa judaica. E outras traduções, incluindo a versão padrão corrigida, apresenta correctamente a palavra “Passover” (Páscoa judaica).

Em vez de endossar Páscoa, este versículo realmente prova que a igreja ainda estava a observar a Páscoa judaica, supostamente, dez anos após a morte de Cristo!

Novo Testamento Grego
Novo Testamento Grego

Agora vamos para as outras escrituras que autorizam a Páscoa. Isto apresenta um problema. Não há nenhuma! Não há absolutamente nenhum verso, em parte alguma na Bíblia, que autoriza ou apoia a manutenção de celebração da Páscoa! A Bíblia não diz nada acerca da Quaresma, dos ovos e caças do ovo, das cestas de doces, etc., embora mencione os bolos transversais quentes e os serviços nascer do sol (sunrises services) como abominações, que Deus condena. Vamos examiná-los e aprender porquê.

O erro de tradução dos Actos 12:4 é uma tentativa pouco subtil de inserir um festival pagão na escritura com a finalidade de o autorizar.

Quando a Páscoa chegou à América

A Páscoa tem sido conhecida por ser um festival pagão. Os fundadores dos Estados Unidos sabiam-no. Um livro infantil sobre o feriado, «Easter Parade: Welcome Sweet Spring Time», de Steve Englehart , na página 4, afirma: “quando os puritanos chegaram à América do Norte, viam a celebração da Páscoa e a celebração do Natal, com desconfiança. Sabiam que os pagãos tinham comemorado o regresso da primavera muito antes dos cristãos celebrarem a Páscoa. Durante os duzentos primeiros anos de vida europeia na América do Norte, apenas alguns estados, principalmente no sul, prestaram muita atenção à Páscoa. “Só depois da guerra civil é que os americanos começaram a comemorar este feriado: “A Páscoa começou a ser uma tradição americana na década de 1870“, página 5 do mesmo livro.

Notável! As 13 colónias originais da América começaram por ser uma nação “cristã”, ao grito de “Nenhum rei, mas o rei Jesus!” A nação não respeitou a Páscoa durante todo o século da sua fundação. O que aconteceu para alterar essa realidade?

De onde é que surgiu a Páscoa?

Jesus Cristo
Jesus Cristo

O que se segue soa a familiar? A primavera está no ar! As flores e os coelhinhos decoram a casa. O pai ajuda as crianças a pintarem belos desenhos em ovos, tingido-os em várias cores. Estes ovos, que posteriormente, serão escondidos e mais tarde procurados, são colocados em adoráveis cestas sazonais. O maravilhoso aroma, dos bolos transversais quentes que a mãe está a assar no forno, flutua através da casa. Quarenta dias de abstenção de alimentos especiais vão finalmente acabar no dia seguinte. Toda a família escolhe a sua melhor indumentária para vestir na manhã seguinte para a adoração do nascer do sol com vista a celebrar a Ressurreição do Salvador e a renovação da vida. Todos olham em frente para um pernil suculento com todos os acompanhamentos. Será um dia emocionante. Afinal de contas, é uma das festas religiosas mais importantes do ano.

Páscoa, correcto? Não! Esta é a descrição de uma família ancestral da Babilónia, 2 mil anos antes de Cristo, a homenagear a ressurreição do seu Deus, Tamuz, que foi “trazido de volta” do submundo pela sua mãe/esposa, Ishtar (após o qual o festival foi chamado). Como Ishtar era realmente pronunciado “Easter” (Páscoa) na maioria dos dialectos semitas, pode dizer-se que o evento aqui retratado é, num certo sentido, a Páscoa. Claro, na ocasião poderia facilmente ter sido uma família frigia a homenagear Átis e Cibele, ou talvez uma família fenícia a adorar Adonis e Astarte. Também encaixa bem na descrição que poderia ser uma família israelita herege a homenagear o cananeu Baal e Ashtoreth. Ou esta descrição poderia facilmente representar qualquer número de outras celebrações pagãs, da fertilidade, da morte e ressurreição, incluindo a celebração da Páscoa moderna, pela forma como ela chegou até nós através dos rituais de fertilidade anglo-saxões da deusa Eostre ou Ostara. Estes são todos os mesmos festivais, separados apenas pelo tempo e pela cultura.

Deusa Eostre
Deusa Eostre

Se a Páscoa não é encontrada na Bíblia, então qual é a sua origem? A grande maioria dos historiadores eclesiásticos e seculares concordam que o nome Páscoa e as tradições que o rodeiam estão profundamente enraizadas na religião pagã.

Agora, observe as seguintes citações poderosas que demonstram mais sobre a verdadeira origem da forma como a celebração da Páscoa moderna obteve o seu nome:

“Desde Bede o Venerável (De ratione temporum 1:5) a origem do termo para a festa da Ressurreição de Cristo tem sido popularmente considerada originária do anglo-saxão Eastre, uma deusa da primavera … o Old High German plural para amanhecer, “eostarun“, de onde surgiu o alemão Ostern e a nossa Páscoa inglesa” («The New Catholic Encyclopedia», 1967, volume 5, página 6);

“O facto de festivais primaveris terem sido generalizados entre os povos pagãos, sem dúvida, teve muito a ver com a forma assumida pelo festival oriental nas igrejas cristãs. O termo inglês Páscoa é de origem pagã” (Albert Henry Newman, D.D., LL.D., «A Manual of Church History», página 299);

“Neste maior dos festivais cristãos, vários resquícios ocorrem de antigas cerimónias pagãs. Para começar, o próprio nome não é cristão, mas pagão. Ostara era a deusa anglo-saxónica da primavera” (Ethel L. Urlin, Festival, «Holy Days and Saints Days», página 73);

Páscoa – o nome Páscoa vem até nós de Ostera ou Eostre, a deusa anglo-saxónica da primavera, para a qual o festival de primavera foi realizado anualmente, pois é a partir desta festa pagã que alguns dos nossos costumes ligados à Páscoa vêm” («Hazeltine», página 53);

Lebre da Deusa Eostre, símbolo da fertilidade e renovação associados à deusa
Lebre da Deusa Eostre, símbolo da fertilidade e renovação associados à deusa

“Na Babilónia a deusa da primavera foi chamada de Ishtar. Ela foi identificada com o planeta Vénus, porque ele eleva-se antes do sol, ou posiciona-se após o sol, parece amar a luz (isso significa que Vénus ama o Deus Sol). Na Fenícia, ela tornou-se Astarte, na Grécia, Eostre (relacionada com a palavra grega Eos: “amanhecer”), e na Alemanha, Ostara (esta vem da palavra alemã Ost: “leste”, que é a direcção do amanhecer)” («Englehart», página 4).

Como vimos, muitos nomes são intercambiáveis para a mais bem conhecida Páscoa. Os pagãos tipicamente utilizavam muitos nomes diferentes para o mesmo deus ou deusa. Nimrod, a figura bíblica que construiu a cidade da Babilónia (Génesis 10:8), é um exemplo. Ele foi venerado como Saturno, Vulcano, Kronos, Baal, Tammuz, Molech e outros, mas era sempre o mesmo deus. Deus fogo ou deus do sol universalmente adorado em quase todas as culturas ancestrais.

A deusa da Páscoa não foi diferente. Ela era uma deusa com muitos nomes a deusa da fertilidade, adorada na primavera, quando toda a vida renovava-se.

O amplamente conhecido historiador Will Durant, no seu famoso e respeitado trabalho «Story of Civilization», nas páginas 235, 244-245, escreveu, “Ishtar (Astarte para os gregos, Ashtoreth para os judeus), interessa-nos não só como análogo da Isis egípcia e protótipo da Afrodite grega e da Vénus romana, mas como o beneficiário formal de um dos mais estranhos costumes babilónios, conhecido para nós, principalmente a partir de uma página famosa do Herodotus: Toda a mulher nativa é obrigada, uma vez na sua vida, a sentar-se no templo de Vénus (Páscoa), e a ter relações sexuais com um estranho”. É de admirar que a Bíblia fale do sistema religioso que descendeu daquela cidade ancestral como “Mistério, a grande Babilónia, a mãe de meretrizes e abominações da Terra“(Apocalipse 17:5)?

Devemos agora olhar mais de perto a origem de outros costumes associados com a celebração da Páscoa moderna.

A origem da Quaresma

De acordo com Johannes Cassianus, que escreveu no Século V, “Todavia você deveria saber, que enquanto a igreja primitiva manteve a sua perfeição intacta, esta observância da Quaresma não existiu” («First Conference Abbot Theonas», capítulo 30). Não há nem registo bíblico nem histórico de Cristo, dos apóstolos ou da igreja primitiva a participar no período da Quaresma.

Uma vez que não há nenhuma instrução para observar a Quaresma na Bíblia, de onde esta veio? Um período de abstinência de quarenta dias era antigamente observado em honra dos deuses pagãos Osiris, Adónis e Tamuz (John Landseer, «Sabaean Researches», páginas 111, 112). Hislops Alexander em, «The Two Babylons», na página 104-105, diz o seguinte sobre a origem da Quaresma: “Os quarenta dias de abstinência da Quaresma foram “emprestados” directamente pelos adoradores da deusa babilónica. Essa Quaresma de quarenta dias, na primavera do ano, ainda é observada pelos Yezidis ou pagãos adoradores do diabo de Koordistan, que herdaram-no dos seus primeiros mestres, os babilónios. Essa Quaresma de quarenta dias foi realizada na primavera pelos mexicanos pagãos. Essa Quaresma de quarenta dias foi observada no Egipto“.

A Quaresma teve origem no paganismo, não na Bíblia!

Os ovos, a caça ao ovo e a Páscoa

Os ovos sempre foram associados com a celebração da Páscoa. Quase todas as culturas do mundo moderno têm uma longa tradição de colorir ovos de bonitas formas e diferentes maneiras. Uma vez examinamos uma exposição itinerante de muitos tipos de projectos de ovos elegantemente decorados que representavam os estilos e tradições de praticamente todos os países da Europa moderna.

Tradição dos ovos da Páscoa decorados
Tradição dos ovos da Páscoa decorados

Observe o seguinte: “A origem do ovo de Páscoa baseia-se na tradição da fertilidade das raças indo-europeias. O ovo para eles era símbolo da primavera. Em tempos cristãos tinha sido concedido ao ovo uma interpretação religiosa, ao tornar-se um símbolo do túmulo da rocha a partir da qual Cristo emergiu para a nova vida da sua ressurreição” (Francis X. Weiser, «Handbook of Christian Feasts and Customs», página 233). Este é um exemplo directo de como exactamente os símbolos e costumes pagãos são “cristianizados”, ou seja, nomes que soam a cristãos são sobrepostos a costumes pagãos. Isto é feito para enganar, assim como é feito para que as pessoas se sintam melhor sobre o porquê de estarem a seguir um costume que não está na Bíblia.

Aviso: “Ao redor da observância cristã da Páscoa, costumes populares foram absorvidos, muitos dos quais têm sido sido herdados das cerimoniais ancestrais, o simbolismo dos festivais de primavera pagãs europeus e do Médio Oriente, por exemplo, os ovos têm sido muito destacados como símbolos da nova vida e ressurreição”. («Encyclopedia Britannica», 1991 ed., volume 4, página 333).

Finalmente, a seguinte, provém de crença egípcia e do pensamento moderno, James Bonwick, páginas 211-212: “Os ovos foram pendurados nos templos egípcios. Bunsen chama a atenção para o ovo cósmico, o emblema da vida generativa, que procedeu a partir da boca do grande Deus do Egipto. O ovo místico da Babilónia, da eclosão a Vénus Ishtar, caiu do céu para o rio Eufrates. Ovos tingidos eram oferendas sagradas da Páscoa no Egipto, como eles ainda são na China e na Europa. A Páscoa, ou a primavera, foi a estação de nascimento, terrestre e celeste”.

Ressurreição de Cristo
Ressurreição de Cristo

Que poderia ser mais claro em mostrar a verdadeira origem do “ovo da Páscoa“? Um ovo de “Páscoa” é apenas um ovo que diz respeito à Páscoa. Deus nunca autorizou os ovos da Páscoa judaica ou os dias do pão de ovos sem fermento, mas houve ovos de Páscoa há milhares de anos!

O natural progresso que o ovo, representa a primavera e a fertilidade, seriam fundidas num festival de primavera já pagão. Ligar este símbolo com a ressurreição de Cristo na primavera necessitaria de muita criatividade e raciocínio humano. No entanto, mesmo o raciocínio humano altamente criativo nunca foi capaz de conectar aproximadamente com sucesso o simbolismo da Páscoa a qualquer coisa cristã, porque não há uma única palavra sobre isso em qualquer parte do Novo Testamento!

Fonte: Realtruth.org

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here