A Gripe é uma Doença Eléctrica

0
830
A Gripe é uma Doença Eléctrica
A Gripe é uma Doença Eléctrica

De repente e inexplicavelmente, a Gripe, cujas descrições permaneceram consistentes por milhares de anos, mudou de carácter em 1889. A Gripe havia conquistado a maior parte da Inglaterra em Novembro de 1847, mais de meio século antes. A última epidemia de Gripe nos Estados Unidos ocorreu no Inverno de 18741875. Desde os tempos antigos, a Gripe era conhecida como uma doença caprichosa e imprevisível, um animal selvagem que vinha do nada, aterrorizava populações inteiras de uma só vez, sem aviso e sem horário, e desaparecia tão repentinamente e misteriosamente quanto havia chegado, para não ser vista novamente por anos ou décadas. Comportava-se de maneira diferente de qualquer outra doença, e pensou-se que não era contagiosa, recebendo o seu nome porque as suas idas e vindas eram supostamente governadas pela “influência” das estrelas.

Mortes influentes por milhão na Inglaterra e no País de Gales, 1850-1940 [1]
Mortes influentes por milhão na Inglaterra e no País de Gales, 1850-1940 [1]

Mas em 1889 a Gripe foi domada. Desse ano em diante, estaria sempre presente, em todas as partes do mundo. Desapareceria misteriosamente como antes, mas podia-se contar com o seu retorno, mais ou menos na mesma época, no ano seguinte. E nunca esteve ausente desde então. Tal como o “Transtorno de Ansiedade”, a Gripe é tão comum e aparentemente familiar que é necessária uma revisão completa da sua história para desmascarar esse estranho e transmitir a enormidade do desastre de Saúde pública que ocorreu há cento e trinta anos atrás.

Não é que não conheçamos o suficiente sobre o vírus Influenza. Sabemos mais que o suficiente. O vírus microscópico associado a esta doença foi tão exaustivamente estudado que os cientistas sabem mais sobre o seu pequeno ciclo de vida do que sobre qualquer outro microorganismo. Mas esse foi motivo para ignorar muitos factos incomuns sobre esta doença, incluindo o facto de que não é contagiosa.

Em 2001, o astrónomo canadiano Ken Tapping, juntamente com dois médicos da Colúmbia Britânica, foram os mais recentes cientistas a confirmar, mais uma vez, que pelo menos nos últimos três séculos, as pandemias de Gripe têm mais probabilidade de ocorrer durante picos de actividade magnética solar – isto é , no auge de cada ciclo solar de onze anos. Essa tendência não é o único aspecto desta doença que há muito intriga os virologistas.

Em 1992, uma das autoridades mundiais sobre a epidemiologia da Gripe, R. Edgar Hope-Simpson, publicou um livro no qual fez uma revisão de todos os factos conhecidos e essenciais e concluiu que estes não suportavam a existência de um modo de transmissão directa entre seres humanos, contacto humano. Hope-Simpson ficou perplexo com a Gripe por um longo tempo, na verdade desde que tratou as suas vítimas como jovem clínico geral em Dorset, Inglaterra, durante a epidemia de 19321933 – a mesma epidemia durante a qual o vírus associado à doença em humanos foi isolado pela primeira vez.

Mas durante os seus 71 anos de carreira, as perguntas de Hope-Simpson nunca foram respondidas. “A súbita explosão de informações sobre a natureza do vírus e as suas reações antigénicas no hospedeiro humano”, escreveu em 1992, tinham “apenas acrescentado questões que exigiam explicações”. [2]

Porque é que a Gripe é sazonal? questionou-se. Por que a Gripe é quase completamente ausente, excepto durante as poucas semanas ou meses de uma epidemia? Porque é que as epidemias de Gripe terminam? Porque é que as epidemias fora de temporada não se espalham? Como as epidemias explodem em países inteiros de uma só vez e desaparecem tão milagrosamente, como se de repente fossem proibidas?

Ele não conseguia descobrir como é que um vírus se poderia comportar assim. Porque é que a Gripe costuma atingir jovens adultos e crianças de reposição e idosos? Como é possível que as epidemias de Gripe tenham viajado à mesma velocidade ofuscante nos séculos passados ​​que hoje? Como é que o vírus realiza seu chamado “truque de fuga”? Isso refere-se ao facto de que, quando uma nova estirpe do vírus aparece, a estirpe antiga, entre uma estação e a seguinte, desaparece completamente, em todo o mundo ao mesmo tempo.

Robert Edgar Hope Simpson
Robert Edgar Hope Simpson

Hope-Simpson listou vinte e um factos separados sobre a Gripe que o intrigaram e que pareciam desafiar as explicações se alguém assumisse que ela se espalhou por contacto directo. Ele finalmente reviveu uma teoria que foi apresentada pela primeira vez por Richard Shope, o investigador que isolou o primeiro vírus da Gripe em porcos em 1931, e que também não acreditava que a natureza explosiva de muitos surtos pudesse ser explicada pelo contágio directo.

Shope, e mais tarde Hope-Simpson, propuseram que a Gripe não é de facto transmitida de pessoa para pessoa, ou de porco para porco, da maneira normal, mas que permanece latente em portadores humanos ou suínos, que estão espalhados em grande número nas suas comunidades até que o vírus seja reactivado por algum tipo de gatilho ambiental. Hope-Simpson propôs ainda que o gatilho está conectado a variações sazonais da radiação solar e que possa ter natureza electromagnética, como sugeriram muitos de seus antecessores nos dois séculos anteriores.

Quando Hope-Simpson era jovem e começava a trabalhar em Dorset, um médico dinamarquês chamado Johannes Mygge, ao final de uma longa e distinta carreira, tinha acabado de publicar uma monografia na qual ele também mostrava que as pandemias de Influenza costumavam ocorrer durante anos máximos de actividade solar e, além disso, o número anual de casos de gripe na Dinamarca aumentou e diminuiu ao mesmo tempo que o número de manchas solares.

Numa época em que a epidemiologia se estava a tornar nada mais do que uma busca por micróbios, Mygge admitiu, e já sabia por experiência própria, que “aquele que dança fora da linha corre o risco de pisar os pés”. [3] Mas ele tinha certeza de que a Gripe tinha algo a ver com electricidade, e chegou a essa convicção por experiência pessoal.

Em 1904 e 1905, Mygge manteve durante nove meses, um diário cuidadoso da sua saúde, e depois comparou-o com registos do potencial eléctrico da atmosfera, que tinha registado três vezes por dia durante dez anos como parte de outro projecto.

Descobriu-se que as suas dores de cabeça incapacitantes, semelhantes a enxaquecas, que ele sempre soube estarem ligadas a mudanças no clima, quase sempre aconteciam no dia de, ou um dia antes de, um aumento ou queda súbita e acentuada no valor da pressão atmosférica. Mas dores de cabeça não foram os únicos efeitos. Nos dias de muita turbulência eléctrica, quase sem excepção, o seu sono era inquieto e frequentemente interrompido, e ele era incomodado com tonturas, humor irritável, um sentimento de confusão, sensações de zumbido na cabeça, pressão no peito e batimentos cardíacos irregulares.

Às vezes escrevia: “a minha condição tinha o carácter de um ataque ameaçador de Influenza, que em todos os casos não era essencialmente diferente do início de um ataque real dessa doença”. [4]

Muitos outros investigadores que conectaram a Influenza a manchas solares ou electricidade atmosférica incluem John Yeung (2006), Fred Hoyle (1990), JH Douglas Webster (1940), Aleksandr Chizhevskiy (1936), C. Conyers Morrell (1936), WM Hewetson (1936), Sir William Hamer (1936), Gunnar Edström (1935) Clifford Gill (1928), CM Richter (1921), Willy Hellpach (1911), Weir Mitchell (1893), Charles Dana (1890), Louise Fiske Bryson (1890), Ludwig Buzorini (1841), Johann Schönlein (1841), e Noah Webster (1799).

Em 1836, Heinrich Schweich observou que todos os processos fisiológicos produzem electricidade e propôs que uma perturbação eléctrica da atmosfera possa impedir o corpo de descarregá-la. Ele repetiu a crença então comum de que o acúmulo de electricidade no corpo causa os sintomas da Gripe. Ninguém ainda conseguiu negar essa afirmação.

É interessante que entre 1645 e 1715, um período que os astrónomos apelidaram de Maunder Minimum, quando o Sol estava tão passivo que praticamente nenhuma mancha solar era vislumbrada e nenhuma aurora agraciava as noites polares – durante as quais, segundo a tradição canadiana nativa, “as pessoas estavam desertas pelas luzes do céu” [5] – também não havia pandemias mundiais de Gripe. Em 1715, as manchas solares reapareceram repentinamente após a ausência de uma vida. Em 1716, o famoso astrónomo inglês Sir Edmund Halley, aos sessenta anos de idade, publicou uma dramática descrição das luzes do norte.

Foi a primeira vez que ele as viu. Mas o Sol ainda não estava totalmente activo. Como se tivesse acordado depois de um longo sono, esticou as suas pernas, bocejou e deitou-se novamente depois de exibir apenas metade do número de manchas solares que hoje nos mostra no pico de cada ciclo solar de onze anos.

Não foi até 1727 que o número de manchas solares ultrapassou as 100 pela primeira vez em mais de um século. E em 1728 a Gripe chegou em ondas sobre a superfície da Terra, a primeira pandemia de Gripe em quase cento e cinquenta anos. Mais universal e duradoura do que qualquer outra história registada anteriormente, essa epidemia apareceu em todos os continentes, tornou-se mais violenta em 1732 e, segundo alguns relatos, durou até 1738, o pico do próximo ciclo solar. [6]

John Huxham, que praticava medicina em Plymouth, Inglaterra escreveu em 1733 que “poucos escapavam dela”. Ele acrescentou que havia “uma loucura entre os cães; os cavalos foram acometidos com catarro antes da própria humanidade; e um cavalheiro disse-me que alguns pássaros, particularmente os pardais, deixaram o local que antes habitavam.” [7]

Um observador em Edimburgo relatou que algumas pessoas tinham febre durante sessenta dias seguidos e outras, não doentes, “morriam de repente.” [8] De acordo com uma estimativa, cerca de dois milhões de pessoas em todo o mundo pereceram nessa pandemia. [8] Se a Gripe é primariamente uma doença eléctrica, uma resposta a um distúrbio eléctrico da atmosfera, não é contagiosa no sentido comum. Os padrões das suas epidemias devem prová-lo, e fazem-no de facto.

Por exemplo, a pandemia mortal de 1889 começou em várias partes do mundo amplamente dispersas. Surtos graves foram relatados em Maio daquele ano simultaneamente em Bukhara, Uzbequistão; Gronelândia, e norte de Alberta. [9]

A Gripe foi relatada em Julho na Filadélfia [10] e em Hillston, uma cidade remota na Austrália, [9] e em Agosto nos Balcãs. [11] Como esse padrão está em desacordo com as teorias vigentes, muitos historiadores fingiram que a pandemia de 1889 não ocorreu “realmente” ou que esta começou por tomar as estepes ocidentais da Sibéria no final de Setembro espalhando-se depois de maneira ordenada de lá para o resto do mundo, pessoa a pessoa, por contágio. Mas o problema é que a doença ainda teria de viajar mais rápido que os comboios e navios da época. Chegou a Moscovo e São Petersburgo durante a terceira ou quarta semana de Outubro, mas até então a Gripe já havia sido relatada em Durban, África do Sul [9] e Edimburgo, Escócia. [12] New Brunswick, Canadá, [9] Cairo, [13] Paris, [9] Berlim, [9] e Jamaica [9] relataram epidemias em Novembro. Londres, Ontário em 4 de Dezembro; [13] Estocolmo em 9 de Dezembro; [9] Nova York em 11 de Dezembro; [9] Roma em 12 de Dezembro; [9] Madrid em 13 de Dezembro; [9] e Belgrado em 15 de Dezembro. [9]

A Gripe atingiu explosiva e imprevisivelmente, repetidas vezes e por ondas, até ao início de 1894. Era como se algo fundamental estivesse alterado na atmosfera, como se as chamas estivessem a ser acesas por algum vândalo desconhecido aleatoriamente, em todo o mundo.

Um observador no leste da África Central, atingido em Setembro de 1890, afirmou que a Gripe nunca tinha aparecido antes naquela parte de África, nem na memória dos habitantes mais antigos da vida. [14]

Influenza”, disse o Dr. Benjamin Lee, do Conselho Estadual de Saúde da Pensilvânia, “espalha-se como uma inundação, inundando secções inteiras numa hora (…) É quase impossível conceber que uma doença que se espalha com uma rapidez surpreendente, passe pelo processo de re-desenvolvimento de cada pessoa infectada e seja apenas comunicada de pessoa para pessoa ou por artigos infectados.” [10]

A Gripe trabalha o seu capricho não apenas em terra, mas também no mar. Com a velocidade a que viajamos actualmente, tal deixou de ser óbvio, mas nos séculos anteriores, quando os marinheiros eram atacados pela Gripe, depois de estarem no mar há semanas ou até mesmo meses era algo que não passava despercebido.

Charles Creighton
Charles Creighton

Em 1894, Charles Creighton descreveu quinze casos históricos separados em que navios inteiros ou mesmo muitos navios de uma frota naval foram “atacados” pela doença, como se estivessem a navegar num nevoeiro de Influenza, apenas para descobrir, em alguns casos, ao chegar ao porto seguinte, que a Gripe tinha eclodido em terra ao mesmo tempo.

Creighton acrescentou um relatório da pandemia contemporânea: o navio mercante “Wellington” partiu com a sua pequena tripulação de Londres em 19 de Dezembro de 1891, com destino a Lyttelton, Nova Zelândia. No dia 26 de Março, após mais de três meses no mar, o capitão foi subitamente abalado por uma intensa doença febril. Ao chegar a Lyttelton em 2 de Abril, “o piloto, a bordo, encontrou o capitão doente no seu berço e, ao ser informado dos sintomas, disse imediatamente: ‘É a Gripe: acabei de a apanhar também’.” [15]

O relatório de 1857 foi tão convincente que William Beveridge o incluiu no seu livro de 1975 sobre a Gripe: “O navio de guerra inglês Arachne estava navegar na costa de Cuba ‘sem qualquer contacto com terra’. ‘Nada menos do que 114 homens de uma tripulação de 149 adoeceram com Gripe e só mais tarde se ficou a saber que houve surtos em Cuba ao mesmo tempo.” [16]

A velocidade com que a Gripe viaja, e o seu padrão aleatório e simultâneo de propagação, deixou os cientistas perplexos durante séculos e tem sido a razão mais convincente para que alguns continuem a suspeitar da electricidade atmosférica como causa, apesar da presença conhecida de um vírus amplamente estudado. Aqui está uma amostra de opinião, antiga e moderna:

“Talvez nunca se tenha observado nenhuma doença que afecte tantas pessoas em tão pouco tempo, já que com a Gripe, quase uma cidade inteira, ou um bairro inteiro fica afectado em poucos dias, na verdade muito mais cedo do que se poderia espalhar pelo contágio.

Mercatus relata que, quando prevaleceu na Espanha, em 1557, a maior parte do povo foi afectado num único dia.

O Dr. Glass afirma que, quando vivia em Exeter, em 1729, dois mil foram atacados numa noite.”

Shadrach Ricketson, M.D. (1808), em «Uma Breve História da Influenza» [17]

“Basta nos lembrarmos que esta epidemia afecta uma região inteira no espaço de uma semana. E Além disso, ao longo de algumas semanas, continentes inteiros, como a América do Norte, juntamente com todas as Índias Ocidentais, onde os habitantes de tão extenso país não podiam, em tão pouco tempo, ter o mínimo de comunicação ou relações sexuais. Esse facto, por si só, é suficiente para colocar fora de questão toda a ideia da sua propagação pelo contágio entre um indivíduo e outro.”

Alexander Jones, M.D. (1827), Philadelphia Journal of the Medical and Physical Sciences [18]

“Ao contrário da Cólera, supera em seu curso a velocidade das relações humanas.”

Theophilus Thompson, MD (1852), Annals of Influenza or Epidemic Catarrhal Fever in Great Britain from 1510 to 1837 [7]

“O contágio por si só é inadequado para explicar o surto repentino da doença em países amplamente distantes ao mesmo tempo, e a maneira curiosa como se sabe que ataca as tripulações de navios no mar, onde a comunicação com pessoas ou lugares infectados estava fora de questão.”

Sir Morell Mackenzie, M.D. (1893), Fortnightly Review [19]

“Normalmente, a Gripe viaja à mesma velocidade que o Homem, mas às vezes parece irromper simultaneamente em partes amplamente separadas do globo.”

Jorgen Birkeland (1949), Microbiology and Man [20]

[Antes de 1918], existem registos de duas outras grandes epidemias de Gripe na América do Norte ao longo dos dois últimos séculos. A primeira delas ocorreu em 1789, ano em que George Washington foi eleito presidente. O primeiro barco a vapor a cruzar o Atlântico aconteceu em 1819 e o primeiro comboio a vapor não funcionou até 1830. Portanto, esse surto ocorreu quando o transporte mais rápido do homem era o cavalo a galope. Apesar disso, o surto de Gripe de 1789 espalhou-se com grande rapidez; muitas vezes mais rápido e mais longe do que um cavalo poderia galopar.

James Bordley III, M.D. e A. McGehee Harvey, M.D. (1976), Two Centuries of American Medicine, 17761976 [21]

O vírus da Gripe pode ser comunicado de pessoa para pessoa em gotas de humidade do trato respiratório. No entanto, a comunicação directa não pode explicar surtos simultâneos de Influenza em locais amplamente separados.

Roderick E. McGrew (1985), Encyclopedia of Medical History [22]

Porque é que os padrões epidémicos na Grã-Bretanha não foram alterados em quatro séculos: séculos em que houve grandes aumentos na velocidade do transporte humano?

John J. Cannell, M.D. (2008), “On the Epidemiology of Influenza”, no Virology Journal

O papel do vírus, que infecta apenas o trato respiratório, confundiu alguns virologistas, porque a Gripe não é apenas, ou mesmo principalmente, uma doença respiratória. Porquê a dor de cabeça, a dor ocular, a dor muscular, a prostração, a deficiência visual ocasional, os relatos de encefalite, miocardite e pericardite? Por que os abortos, natimortos e defeitos congênitos? [16]

Na primeira onda da pandemia de 1889 em Inglaterra, os sintomas neurológicos eram mais frequentes que os sintomas respiratórios. [9] A maioria dos 239 pacientes com Gripe do médico Röhring em Erlangen, na Baviera, tinha problemas neurológicos e sintomas cardiovasculares e nenhuma doença respiratória. Quase um quarto dos 41.500 casos de Gripe notificados na Pensilvânia em 1 de Maio de 1890 foram classificados como principalmente neurológicos e não respiratórios. [10]

Poucos dos pacientes de David Brakenridge em Edimburgo ou os pacientes de Julius Althaus em Londres tiveram sintomas respiratórios. Em vez disso, apresentavam tontura, insónias, indigestão, constipação, vómito, diarreia, “prostração total da força mental e corporal”, neuralgia, delírio, coma e convulsões.

Após a recuperação, muitos ficaram com neurastenia, ou mesmo paralisia ou epilepsia. Anton Schmitz publicou um artigo intitulado “Insanidade após a Gripe” e concluiu que a Gripe era principalmente uma doença nervosa epidémica.

C. H. Hughes apelidou a Gripe de “neurose tóxica”. Morell Mackenzie concordou: “Na minha opinião, a resposta para o enigma da Influenza são os nervos envenenados (…) Em alguns casos, ela se apodera da parte do (sistema nervoso) que governa o mecanismo da respiração, e noutros, do que preside as funções digestivas. Noutros, novamente, parece que sobe e desce o teclado nervoso, perturbando o delicado mecanismo e provocando distúrbios e dores em diferentes partes do corpo com o que quase se parece com um capricho malicioso (…) Como o alimento de todos os tecidos e órgãos no corpo está sob o controlo directo do sistema nervoso, segue-se que qualquer coisa que afecte o último tem um efeito prejudicial no primeiro; portanto, não é surpreendente que a Gripe em muitos casos deixe a sua marca na estrutura danificada. Não apenas os pulmões, mas os rins, o coração e outros órgãos internos órgãos e a própria matéria nervosa podem sofrer dessa maneira. [19]

Asilos de loucos preenchidos com pacientes que tiveram Gripe, pessoas que sofrem de depressão profunda, mania, paranóia ou alucinações. “O número de admissões alcançou proporções sem precedentes”, relatou Albert Leledy no Beauregard Lunatic Asylum, em Bourges, em 1891. “As admissões para o ano excedem as de qualquer ano anterior”, relatou Thomas Clouston, médico superintendente do Royal Edinburgh Asylum para o The Insane, em 1892.”Nenhuma epidemia de qualquer doença registada teve tais efeitos mentais”, escreveu ele.

Em 1893, Althaus fez uma revisão a dezenas de artigos sobre psicoses após a Gripe e as histórias de centenas de pacientes dele e de outros que ficaram loucos após a Gripe nos três anos anteriores. Ficou perplexo com o facto de que a maioria das psicoses após a Gripe se desenvolvia em homens e mulheres no auge da sua vida, entre os 21 e os 50 anos, sendo mais provável que ocorressem após apenas casos leves da doença, e que mais de um terço dessas pessoas ainda não tinha recuperado a sua sanidade.

A frequente ausência de doenças respiratórias também foi observada na pandemia de 1918, que foi ainda mais mortífera. No seu livro de 1978, Beveridge, que passou pela pandemia, escreveu que metade de todos os pacientes com Gripe naquela pandemia não apresentava sintomas iniciais de secreção nasal, espirros ou dor de garganta. [16]

A distribuição etária também está errada, se quisermos acreditar no contágio. Noutros tipos de doenças infecciosas, como o Sarampo e Papeira, quanto mais agressiva é uma estirpe de vírus e mais rápida ela se espalha, mais rapidamente os adultos desenvolvem imunidade e mais jovem é a população que a recebe todos os anos.

Segundo Hope-Simpson, isso significa que entre as pandemias, a Gripe deveria atacar principalmente crianças muito pequenas. Mas a Gripe continua a mirar teimosamente os adultos; a idade média é quase sempre entre vinte e quarenta, seja durante uma pandemia ou não. O ano de 1889 não foi excepção: a Gripe derrubou jovens adultos preferencialmente vigorosos e no auge da sua vida, como se escolhesse maliciosamente o mais forte em vez do mais fraco da nossa espécie. Depois, há a confusão sobre infecções de animais, que são tantas nas notícias ano após ano, que nos assustam a ponto de ter medo de ser contagiado por Influenza através dos suínos ou das aves. Mas o facto inconveniente é que, ao longo da História, por milhares de anos, todos os tipos de animais foram apanharam Gripe ao mesmo tempo que os humanos.

Vírus Influenza
Vírus Influenza

Quando o exército do rei Karlmann da Baviera foi acometido pela Gripe em 876 DC, a mesma doença também dizimou os cães e os pássaros. [23] Em epidemias posteriores, até ao Século XX, inclusive no Século XX, foi relatado que a doença costumava surgir entre os cães, gatos, cavalos, mulas, ovelhas, vacas, pássaros, veados, coelhos e até peixes ao mesmo tempo que nos humanos. [24]

Beveridge listou doze epidemias nos Séculos XVIII e XIX, nas quais os cavalos apanhavam Gripe, geralmente um ou dois meses antes que os humanos. De facto, essa associação foi considerada tão confiável que, no início de Dezembro de 1889, Symes Thompson, observando uma doença semelhante à Gripe em cavalos britânicos, escreveu ao British Medical Journal, prevendo um surto iminente em humanos, uma previsão que logo se mostrou verdadeira. [16]

Na pandemia de 1918 a 1919, macacos e babuínos pereceram em grande número na África do Sul e Madagascar, ovelhas no noroeste de Inglaterra, cavalos na França, alces no norte do Canadá e búfalos em Yellowstone. [16] Não há mistério aqui. Nós não estamos a apanhar a Gripe dos animais, nem eles de nós. Se a Gripe é causada por condições electromagnéticas anormais na atmosfera, ela afecta todos os seres vivos ao mesmo tempo, incluindo seres vivos que não compartilham os mesmos vírus ou vivam intimamente.

O obstáculo para desmascarar o mistério que é a Influenza é o facto de serem duas coisas diferentes: a Gripe é um vírus e também é uma doença clínica. A confusão ocorre porque, desde 1933, a Gripe humana é definida pelo organismo descoberto naquele ano, e não por sintomas clínicos. Se ocorrer uma epidemia e você tiver a mesma doença que todos os outros, mas não puder ser isolado um vírus da Gripe na garganta e você não desenvolver anticorpos para ele, é dito que você não tem Gripe. Mas o facto é que, embora os vírus Influenza estejam associados de alguma forma a epidemias de doenças, nunca foi demonstrado que eles as causam.

Dezassete anos de vigilância por Hope-Simpson na comunidade de Cirencester, nos arredores de Inglaterra, revelaram que, apesar da crença popular, a Gripe não é facilmente comunicada de uma pessoa para outra dentro de uma casa. Setenta por cento do tempo, mesmo durante a pandemia da “Gripe de Hong Kong” de 1968, apenas uma pessoa por casa apanha a Gripe. Se uma segunda pessoa estiver gripada, as duas apanhavam-na no mesmo dia, o que significava que não se contagiavam mutuamente.

Às vezes, circulavam estirpes secundárias diferentes na mesma aldeia, e até na mesma casa, e numa ocasião dois jovens irmãos que dividiam a cama, tinha estirpes diferentes do mesmo vírus, o que prova que não foram contagiados um pelo outro e por uma terceira pessoa em comum. [25]

William S. Jordan, em 1958, e PG Mann, em 1981, chegaram a conclusões semelhantes sobre a falta de disseminação nas famílias. Outra indicação de que algo está errado com as teorias vigentes é o fracasso dos programas de Vacinação. Embora se tenha demonstrado que as Vacinas conferem alguma imunidade a estirpes específicas do vírus da Gripe, vários virologistas proeminentes admitiram ao longo dos anos que a Vacinação não fez nada para impedir a epidemia e que a doença ainda se comporta exactamente como há mil anos atrás. [26]

De facto, depois de fazer uma revisão a 259 estudos de Vacinação do British Medical Journal ao longo de 45 anos, Tom Jefferson concluiu recentemente que as Vacinas contra a Influenza não tiveram praticamente nenhum impacto em resultados reais, como ausências escolares, dias úteis perdidos e doenças e mortes relacionadas à Gripe. [27]

O segredo embaraçoso entre os virologistas é que, de 1933 até aos dias actuais, não há estudos experimentais que comprovem que a Influenza – o vírus ou a doença – seja transmitida de pessoa para pessoa por contacto normal. Todos os esforços para transmiti-lo experimentalmente de pessoa para pessoa, mesmo no meio da epidemia de doenças mais mortais que o mundo já conheceu, falharam.

Fontes:

[1] Stuart-Harris, Sir Charles H., Geoffrey C. Schild, John S. Oxford (1985). Influenza: The Viruses and the Disease, 2nd ed. Edward Arnold: London.

[2] Hope-Simpson, R.E. (1992). The Transmission of Epidemic Influenza. New York: Plenum.

[3] Mygge, J. (1930). “Étude sur l’éclosion épidémique de l’influenza.” Acta Medica Scandinavica. Supplementum 32: 1-145.

[4] Mygge, J. (1919). “Om Saakaldte Barometermennesker: Bidrag til Belysning af Vejrneurosens Patogenese.” Ugeskrift for Læger 81 (31): 1239-59. 

[5] Hogan, L. (1995). Solar Storms. New York: Simon & Schuster. 

[6] Há opiniões diversas acerca da altura em que ocorreu a pandemia: 1727-34 (Gordon 1884); 172938 (Taubenberger, 2009); 172933 (Vaughan, 1921; van Tam & Sellwood, 2010). Alguns autores dividem-na em duas pandemias separadas: 172530 e 173233 (Harries, 1892); 172729 e 173233 (Creighton, 1894); 172830 e 173233 (Arbuthnot, 1751 e Thompson, 1852); 172930 e 173135 (Schweich, 1836); 172930 e 173237 (Bosser, 1894; Leledy, 1894; Ozanam, 1835); 172930 e 173233 (Webster, 1799; Hirsch, 1883; Beveridge, 1978; Patterson, 1986).

[7] Thompson, T. (1852). Annals of Influenza or Epidemic Catarrhal Fever in Great Britain From 1510 to 1837. London: Sydenham Society. 

[8] Marian, C., Grigore, M. (2009). “Diversification of Influenza Viruses.” Bacteriologia, Virusologia, Parazitologia, Epidemiologia 54: 117-23 (em Romeno). 

[9] Parsons, F. (1891). Report on the Influenza Epidemic of 1889-1890. London: Local Government Board. 

[10] Lee, B. (1891). “An Analysis of the Statistics of Forty-One Thousand Five Hundred Cases of Epidemic Influenza.” Journal of the American Medical Association 16 (11): 366-68.

[11] Journal of the American Medical Association (1890a). “The Influenza Epidemic of 1889.” 14 (1): 24-25. 

[12] Brakenridge, D. J. (1890). “The Present Epidemic of So-called Influenza.” Edinburgh Medical Journal, 35 (part 2): 996-1005.

[13] Clemow, F. G. (1903). The Geography of Disease, 3 vols. Cambridge: University Press.

[14] Bowie, J. (1891). “Influenza and Ear Disease in Central Africa.” Lancet 2: 66-68.

[15] Creighton, 1894, p. 430; Webster, 1799, Vol. 1, p. 289; Hirsch, 1883, pp. 19-21; Beveridge, 1978, p. 47.

[16] Beveridge, W. I. (1978). Influenza: The Last Great Plague. New York: Prodist. 

[17] Ricketson, S. (1808). A Brief History of the Influenza. New York. 

[18] Jones, A. (1826). “Observations on the Influenza or Epidemic Catarrh, as it Prevailed in Georgia during the Winter and Spring of 1826.” Philadelphia Journal of the Medical and Physical Sciences, new ser., 4 (7): 1-30.

[19] Mackenzie, M. (1891). “Influenza.” Fortnightly Review, 55: 877-86. 

[20] Birkeland, J. (1949). Microbiology and Man. New York: Appleton-Century-Crofts.

[21] B. James III, A. M. Harvey (1976). Two Centuries of American Medicine, 1776-1976. Philadelphia: W. B. Saunders. 

[22] McGrew, R. E. (1985). Encyclopedia of Medical History. New York: McGraw-Hill. 

[23] Schnurrer, F. (1823). Die Krankheiten des Menschen-Geschlechts. Tübingen: Christian Friedrich Osiander. 

[24] Webster, 1799, vol. 1, p. 98; Jones, 1827, p. 3; Journal of the Statistical Society of London, 1848, p. 173; Thompson, 1852, pp. 42, 57, 213-15, 285-86, 291-92, 366, 374-75; Gordon, 1884, p. 363-64; Creighton, 1894, p. 343; Beveridge, 1978, pp. 54-67; Taubenberger, 2009, p. 6.

[25] Hope-Simpson, R.E. (1979). “Epidemic Mechanisms of Type A Influenza.” Journal of Hygiene (Cambridge) 83 (1): 11-25. 

[26] Kilbourne, 1975, p. 1; Beveridge, 1978, p. 38.

[27] Jefferson, 2006, 2009; Glezen & Simonsen, 2006; Cannell, 2008.

Fontes das Fontes (algumas já consta na própria lista de fontes):

Arbuthnot, J. (1751). An Essay Concerning the Effects of Air on Human Bodies. London: J. and R. Tonson.

Bossers, A. J. (1894). Die Geschichte der Influenza und ihre nervösen und psychischen Nachkrankheiten. Leiden: Eduard Ijdo.

Cannell, J. Jacob, Michael Zasloff, C. F. Garland, R. Scragg, E. Giovannucci (2008). “On the Epidemiology of Influenza.” Virology Journal 5: 29.

Creighton, C. (1894). “Influenza and Epidemic Agues.” In: Creighton, A History of Epidemics in Britain (Cambridge: Cambridge University Press), vol. 2, pp. 300-433.

Glezen, W. P., L. Simonsen (2006). “Commentary: Benefits of Influenza Vaccine in U.S. Elderly – New Studies Raise Questions.” International Journal of Epidemiology 35: 352-53.

Gordon, C. A. (1884). An Epitome of the Reports of the Medical Officers To the Chinese Imperial Maritime Customs Service, from 1871 to 1882. London: Baillière, Tindall, and Cox.

Harries, H. (1892). “The Origin of Influenza Epidemics.” Quarterly Journal of the Royal Meteorological Society 18(82): 132-42.

Hirsch (1883). “Influenza.” In: Hirsch, Handbook of Geographical and Historical Pathology (London: New Sydenham Society), vol. 1, pp. 7-54.

Jefferson, T. 2006. “Influenza Vaccination: Policy Versus Evidence.” British Medical Journal 333: 912-15.

Jones, A. (1826). “Observations on the Influenza or Epidemic Catarrh, as it Prevailed in Georgia during the Winter and Spring of 1826.” Philadelphia Journal of the Medical and Physical Sciences, new ser., 4(7): 1-30.

Journal of the Statistical Society of London, 1848, p. 173.

Kilbourne, E. D. (1975). The Influenza Viruses and Influenza. New York: Academic.

Leledy, A. (1891). La Grippe et l’Alienation Mentale. Paris: J.-B. Baillière et Fils.

Ozanam, Jean-Antoine-François (1835). Histore medicale générale et particulière des maladies épidémiques, contagieuses et épizootiques, 2 vols. Lyon: J. M. Boursy.

Patterson, K. D. (1986). Pandemic influenza 1700-1900. Totowa, NJ: Rowman & Littlefield.

Schweich, H. (1836). Die Influenza: Ein historischer und ätiologischer Versuch. Berlin: Theodor Christian Friedrich Enslin.

Taubenberger, J. K., D. M. Morens (2009). “Pandemic Influenza – Including a Risk Assessment of H5N1.” Revue scientifique et tecnnique 28(1): 187-202.

van Tam, Jonathan; Chloe Sellwood (2010). Introduction to Pandemic Influenza. Wallingford, UK: CAB International.

Vaughan, W. T. (1921). Influenza: An Epidemiologic Study. Baltimore: American Journal of Hygiene.

Webster, N. (1799). A Brief History of Epidemic and Pestilential Diseases, 2 vols. New York: Burt Franklin.

Livro «Invisible Rainbow» de Arthur Firstenberg

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here