A Grande Prostituta

0
2082
A Grande Prostituta
A Grande Prostituta

Autores como Karl Kraus (Viena, 18741936) começaram desde cedo a perceber algo que destruiria o papel fundamental da Imprensa.

Já houve um tempo em que o jornalismo era incómodo. Era sinónimo de Informação, liberdade e pluralidade de pensamento e opinião, debate, espírito critico, divulgação literária, científica, Política, etc. Esse tempo morreu!

Os Meios de Comunicação Social (Média) tornaram-se principalmente negócios e instrumentos de propaganda. A Imprensa morreu, o ideal do “jornalista” é uma memória longínqua, as grandes investigações e até a defesa apaixonada de causas fazem parte de um passado distante.

Os Média formam um grupo que vive para propagar e difundir, não o que são as coisas ou o seu ponto de vista, mas aquilo que é a narrativa oficial, diabolizando tudo o que não segue o guião pré-escrito da realidade. São uma Máquina de Propaganda.

Subjugaram-se e/ou foram assimilados por interesses económicos, políticos e até culturais. A sua função é debitar de modo repetido determinadas mensagens e slogans para que o consumidor interiorize que ideias deve repetir e aceitar. A Sociedade da informação é agora a Sociedade da manipulação massiva.

Longe de servir de maneira desinteressada os ideais universais aos quais se arroga, a Imprensa propõe e reserva os seus favores àqueles que têm meios de os pagar e os pagam efectivamente.

Não se trata tanto do fim do ideal, e do domínio do real, mas do triunfo de um falso real, o real construído para consumo obrigatório.

O jornalismo está morto e os Media são a grande prostituta dos dias actuais!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here